Editorial

Estranhamente o país de Abril, prometendo Maios encantados, tem conhecido governos que elegeram como alvo de medidas orçamentais de contenção da despesa do Estado um grupo profissional que já foi bandeira de progresso, depois utilizado como trunfo eleitoral e agora aparentemente destinado a ser o

Queixamo-nos, com razão, do centralismo das direcções políticas instaladas na república, que todos os dias nos vai esvaziando os territórios, sem que encontremos ponto de apoio para acreditar no futuro.

A educação é um dos fundamentos da construção de sociedades verdadeiramente democráticas.

Por enquanto  não se encontrou recurso mais eficaz do que a racionalidade, suportada no conhecimento, para atingir a elevação da condição humana.

Ser de Trás-os-Montes  e ter optado por ficar, resistir às voragens que a infeliz história política deste país nos destinou e continuar a acalentar certezas de que haveria outros caminhos está a tornar-se condição de insanidade irremediável, a roçar a paranóia, que nos remete para o ridículo.

Quase no fim da segunda década do século XXI estamos a viver uma semana que poderia constituir um ponto de viragem no destino do país, se fosse aberto realmente o caminho de ruptura com as políticas que condenaram três quartos do território ao abandono.

É difícil encontrar alguém que não reconheça mérito às associações de bombeiros voluntários, instituições que têm dado contributos inegáveis para a segurança e a tranquilidade das comunidades todos os dias de cada ano.

Começara o século quando um António, quase tão santo quanto o proclamado padroeiro da capital, também com dotes oratórios afamados, mas igualmente destinado a sermonar aos peixes, comunicou ao país, entre pesaroso e desiludido, que já não suportava o fedor do pântano em que se tornara a política

A nossa relação com o trabalho não anda longe da que mantemos com o pecado original que o primeiro livro da Bíblia carregou com tons de tragédia irremediável, renovada a cada geração chegada a este mundo para se confrontar com um horizonte de má sorte de que só se libertará para além da dor, depo

Completam-se amanhã quarenta e quatro anos sobre o dia em que floriram cravos nas mãos e nos canos das espingardas neste Portugal, país do poente, sempre promessa de madrugadas empolgantes e manhãs radiosas, enquanto não chegam tardes entediantes e vésperas de desânimo.

A condição do nordeste transmontano, marcada pelo despovoamento acelerado, a fragilidade do tecido empresarial e a rarefacção de actividades produtivas também tem reflexos no futebol e na capacidade competitiva das equipas que aqui vão resistindo, adiando o colapso.

Há meio século, por noites e madrugadas, formigueiros de gente calcavam carreirões no mato, junto à raia, com pressa, o coração a saltar no peito, a esperança de que a lua fosse preguiçosa e os guardas fiscais tivessem mais que fazer.

Um velhíssimo problema tem acompanhado a construção e consolidação do modelo político democrático, que reconhecemos como expressão do que de melhor foi concebido e realizado na história da humanidade.