Editorial

Completam-se amanhã quarenta e quatro anos sobre o dia em que floriram cravos nas mãos e nos canos das espingardas neste Portugal, país do poente, sempre promessa de madrugadas empolgantes e manhãs radiosas, enquanto não chegam tardes entediantes e vésperas de desânimo.

A condição do nordeste transmontano, marcada pelo despovoamento acelerado, a fragilidade do tecido empresarial e a rarefacção de actividades produtivas também tem reflexos no futebol e na capacidade competitiva das equipas que aqui vão resistindo, adiando o colapso.

Há meio século, por noites e madrugadas, formigueiros de gente calcavam carreirões no mato, junto à raia, com pressa, o coração a saltar no peito, a esperança de que a lua fosse preguiçosa e os guardas fiscais tivessem mais que fazer.

Um velhíssimo problema tem acompanhado a construção e consolidação do modelo político democrático, que reconhecemos como expressão do que de melhor foi concebido e realizado na história da humanidade.

Enquanto responsáveis políticos europeus continuam a acalentar a ilusão de que os extremistas islâmicos já vão cansados de dar tiros, esfaquear indiscriminadamente ou lançar automóveis sobre pacatos cidadãos, o terror vai alastrando de forma insidiosa, em condições de poder bater à porta de qualq

Quando já não parece possível que o descaramento triunfe numa sociedade que se pretende informada, atenta, vigilante e mesmo vigorosa na erradicação das ameaças à justiça, à equidade e à dignidade que o sistema democrático exige, há notícias que nos atingem como raios de uma trovoada final, arras

Com púlpito cativo numa das televisões, esta senhora integra uma espécie de senado imaginário, uma câmara dos lordes informal, já que os pares do reino perderam o assento quando Manuel II embarcou na Ericeira para o exílio britânico.

Mais de mil e oitocentos anos passaram sobre um édito memorável, de Caracala, que generalizou a cidadania a todos os habitantes livres do território do império romano, abrindo um horizonte radioso para o ocidente da Eurásia.

Foram devastadoras as tragédias no Verão e no Outono, como nunca antes se vira neste país, com mais de uma centena de pessoas imoladas por fogos que varreram o território e deixaram um rasto de dor, destruição e desânimo.

Na semana finda, iniciada a quaresma cristã, tivemos oportunidade de observar dois protagonistas maiores da política nacional a proclamar o seu arrependimento por se terem perdido décadas dando livre curso à irracionalidade do desprezo pelo território e pelas gentes do interior.

O ministro da Agricultura, veterano nas andanças da política, muitas vezes visto, com um peso pesado na máquina socialista, veio outra vez ao distrito, ao encerramento da Feira do Fumeiro, em Vinhais, depois de há duas semanas ter sido convidado especial na feira da Caça e do Turismo, em Macedo de Cavaleiros.

Antes da invasão esmagadora das modas anglo-saxónicas, que nos vão descaracterizando os ritmos de relação com os ciclos naturais, preexistia um substracto cultural que tem vindo a ser relegado para o esquecimento e qualquer dia será mesmo varrido da memória comum, para mal do nosso futuro.