Tio João

Quem ainda quer ganhar a jeira?

Olá, cá estamos nós novamente, a escrever para a nossa gente.

Um dia para as mulheres de todos os dias da nossa vida

Olá gente boa e amiga! Como estão os leitores da página do Tio João? Nós cá estamos. Como dizem ‘nuestros hermanos’, vamos tirando, um dia de cada vez.

Estamos no mês de Março e como diz o provérbio “em Março crescem os dias um pedaço”, ou ainda “Março marçagão, de manhã Inverno, à tarde Verão”. Ainda foi pouca a água que tem caído do céu para as necessidades da agricultura. As pessoas já andam a estrumar as terras para as preparar para o renovo.

Tradições locais e universais no Carnaval de Coelhoso

Olá gentinha boa e amiga. Já temos mais um Entrudo em cima!

Nos provérbios o nosso povo diz: “Carnaval na eira, Páscoa à lareira”; “farta-te gato que é dia de Entrudo”; “no Entrudo come-se de tudo” e “no Carnaval ninguém leva a mal”.

Nos últimos programas temos falado muito na quinta-feira das comadres e na quinta-feira dos compadres, que varia de terra para terra. Por exemplo, em Seara Velha (Chaves), já não se comemora a quinta-feira das comadres, mas sim a quinta-feira dos compadres, que é antes do Domingo Gordo. Segundo o tio Domingos Castro, este ano juntaram 31 compadres na aldeia, que foram jantar a um restaurante e cada um custeou a sua parte. Já a nossa tia Etelinda Bastos, de Vilar do Conde (Vila Pouca de Aguiar), disse-nos que na sua terra, antes do Domingo Gordo festejam a quinta-feira das comadres. Reunem-se na casa do povo da aldeia e cada uma leva um pedaço de carne de porco. Na maioria das localidades, primeiro celebra-se a quinta-feira das comadres, antes do Domingo Magro, porque estas são mais ‘lampeiras’.

Menino de Bragança é hoje chef ao domicílio

Olá, como estão os leitores da página do Tio João?

Estamos a queimar os últimos cartuchos do mês mais pequerruchinho do ano.

Os dias continuam muito quentes para a época e como diz o ditado popular “o Fevereiro engana as velhas ao soalheiro”. Muita atenção a este sol.

A nível agrícola a nossa gente já começa a arranhar a terra. Desde o dia 24 de Fevereiro, dia de S. Matias, que já começaram as enxertias.

Na última semana festejaram a vida connosco a tia Teresa (79), de Cal de Bois (Alijó); a tia Lurdes (79), de Lebução (Valpaços), que se apresentou à família pela primeira vez no dia do seu aniversário; Amélia (97), de Baçal (Bragança); Adília dos Anjos (98), de Dadim (Chaves); Arnaldo (93), de Deimãos (Valpaços); Cassiano (74), de Carviçais (Moncorvo); Maria da Piedade (59), de Regodeiro (Mirandela); Ana Tender (71), de Barreiros (Valpaços); João (59), de Vilela (Valpaços) e António Fernandes (79), de S. Julião (Bragança). Que vão tendo saúde para poderem continuar a festejar a vida connosco.

Já há algum tempo que o Pedro Gonçalves (‘O Vila’ para os amigos), nos ouve e telefona desde Inglaterra, onde está emigrado e numa dessas conversas fiquei a saber que ele tem uma profissão diferente, que é a de chef ao domicílio, ou seja, vai a casa das pessoas organizar e preparar grandes eventos. Por esta razão a nossa página desta semana lhe é dedicada. Que a vida lhe sorria sempre na nossa companhia. (O texto foi escrito por ele).

Recebemos a visita da “gente grande” no dia Mundial da Rádio

Como vai a gente boa e amiga?

Embora as temperaturas máximas dos últimos dias tenham sido elevadas para esta época, são muitos os tios que nos dizem que continuam a trabalhar nas fábricas de transformação de madeira em cinza. A nível agrícola já se plantam as batatas do cedo, embora alguns digam que, mesmo do cedo, ainda não está na altura. O tio João dos Santos, de Torre de Dona Chama, já as plantou e o tio Zé Carlos Pinto, de Tabuaço, diz que as suas batatas já estão de terra cobertas. O tio Sampaio, de Água Revés (Valpaços), disse-nos que já anda na espoldra (poda da vinhas).

À boleia de camião pelas estradas da Europa

Como vai a nossa gente boa e amiga? Nós cá vamos acordando vivos todas as manhãs, pois é o melhor pleonasmo da vida.

Agora no Inverno temos a máxima de dizer “está um frio de rachar! Abre o coração, família, que nos queremos agasalhar”. E assim a nossa gente nos vai aquecendo com o seu calor humano, compartilhando o seu dia-a-dia, as suas preocupações, alegrias e tristezas. São muitos aqueles que nos entretêm com o seu talento no mundo do instrumentos musicais, onde o realejo e a concertina são os maiorais, embora também tenhamos acordeões, bandolins, cavaquinhos, órgãos e gaitas de foles, que desta forma ajudam a viver muita gente. A grande vitória da Família do Tio João é que ninguém vive em solidão.

Talhar o bicho e benzer o coxo

Olá gente boa e amiga. Então como vai a moenga?

Eu cá vou e para não fugir à regra, como dizem os lombardeses, “já apanhei chumbo”. A gripe também se meteu comigo. Por acaso sabem quantos anos são precisos para fazer um dia? São quatro! Pois então, só falta um, porque o próximo Fevereiro terá 29 dias…

Ah! grande cão de gado transmontano

Olá gentinha boa e amiga!

Estamos a findar o mês de Janeiro e nestes últimos dias o vento também apareceu e fez com que as temperaturas máximas e mínimas subissem, embora o povo diga que quando há vento nunca há bom tempo.

Quem mais dá mais amigo é do santo

Como vai a nossa gente boa a amiga? Como diz o nosso povo “NÓS CÁ VAMOS E CÁ IMOS!”.

Para nós, que nos queixamos com o frio, lembro a todos que estamos em pleno Inverno e que além das geadas que têm sido ásperas, também o nevoeiro tem marcado bem a sua presença. A chuva e a neve ainda andam a fazer os exercícios de aquecimento para poderem entrar nesta época.

Graça minhota em Trás-os-Montes

Olá ilustre familiazinha! “FAI CÁ UM FRIO!!!”

Em muitas das nossas terras, como nos confirma a tia Palmira, de Grijó (Bragança), “se a nossa terra fosse visitada por dois teimosos, engarravam-se, porque um ia dizer que era neve e o outro dizia que é geada!”. Mas é uma senhora geada, que já fez com que o contador da água e os canos da tia Julieta, de Suçães (Mirandela) e de muitos mais tios e tias, tivessem rebentado.

O rio deme Gimonde (Bragança) já congelou e tornou-se numa pista natural de patinagem artística. Claro que dias assim também servem para os órgãos de comunicação social nacionais noticiarem o frio que nós suportamos por cá. Mas nós já estamos ‘vacinados’ contra o frio do Inverno e o calor extremo do Verão. O nosso povo sabe bem que tem que andar muito agasalhado e ter as casas sempre quentinhas, com a lareira sempre acesa à custa da lenha que ainda é o combustível mais gasto na nossa região.

Nestas madrugadas gélidas, o nosso programa tem tido o calor humano da nossa família que nos tem mimado com os cantares de Reis. Hoje a nossa edição é abençoada por Santo Amaro, porque o dia 15 de Janeiro é dia de ‘Santo Amaro buteleiro’ e em muitas terras é tradição comer-se neste dia o butelo (salpicão de ossos).

No passado fim-de-semana também se festejou o

S. Gonçalo, em Outeiro (Bragança), onde ainda se mantém a tradição da dança da rosca (a dança dos bate-cus), segundo nos informou a nossa tia Ludovina.

Na última semana estiveram de parabéns a avó Libânia, de Vila Nova de Monforte (Chaves), que festejou dois anos, depois do século de vida (102); José Luís (72), de Vale de Gouvinhas (Mirandela); Amélia (72) e Cláudia Topete (39), ambas de Souto da Velha (Torre de Moncorvo); Eugénio Cantoneiro (75), de Nuzedo de Baixo (Vinhais); João Eduardo (44), de Regodeiro (Mirandela); Jorge Manuel (54), de Carrazedo de Montenegro (Valpaços); Irene Farruquinha (47), de Coelhoso (Bragança), que vive em França; Zita (79), de Cabeça Boa (Bragança); António Bragança (46), pai dos gémeos Henrique e Maria, de Bragança; Regina (60), de Nuzedo de Cima (Vinhais) e Bernardete (80), de Celas (Vinhais). Que estes nomes voltem a ser escritos para o ano nesta página e que Deus os abençoe com muita saúde.

Agora vamos conhecer melhor a nossa tia Gracinha, a nossa minhota do cavaquinho.