Tio João

Talhar o bicho e benzer o coxo

Olá gente boa e amiga. Então como vai a moenga?

Eu cá vou e para não fugir à regra, como dizem os lombardeses, “já apanhei chumbo”. A gripe também se meteu comigo. Por acaso sabem quantos anos são precisos para fazer um dia? São quatro! Pois então, só falta um, porque o próximo Fevereiro terá 29 dias…

Ah! grande cão de gado transmontano

Olá gentinha boa e amiga!

Estamos a findar o mês de Janeiro e nestes últimos dias o vento também apareceu e fez com que as temperaturas máximas e mínimas subissem, embora o povo diga que quando há vento nunca há bom tempo.

Quem mais dá mais amigo é do santo

Como vai a nossa gente boa a amiga? Como diz o nosso povo “NÓS CÁ VAMOS E CÁ IMOS!”.

Para nós, que nos queixamos com o frio, lembro a todos que estamos em pleno Inverno e que além das geadas que têm sido ásperas, também o nevoeiro tem marcado bem a sua presença. A chuva e a neve ainda andam a fazer os exercícios de aquecimento para poderem entrar nesta época.

Graça minhota em Trás-os-Montes

Olá ilustre familiazinha! “FAI CÁ UM FRIO!!!”

Em muitas das nossas terras, como nos confirma a tia Palmira, de Grijó (Bragança), “se a nossa terra fosse visitada por dois teimosos, engarravam-se, porque um ia dizer que era neve e o outro dizia que é geada!”. Mas é uma senhora geada, que já fez com que o contador da água e os canos da tia Julieta, de Suçães (Mirandela) e de muitos mais tios e tias, tivessem rebentado.

O rio deme Gimonde (Bragança) já congelou e tornou-se numa pista natural de patinagem artística. Claro que dias assim também servem para os órgãos de comunicação social nacionais noticiarem o frio que nós suportamos por cá. Mas nós já estamos ‘vacinados’ contra o frio do Inverno e o calor extremo do Verão. O nosso povo sabe bem que tem que andar muito agasalhado e ter as casas sempre quentinhas, com a lareira sempre acesa à custa da lenha que ainda é o combustível mais gasto na nossa região.

Nestas madrugadas gélidas, o nosso programa tem tido o calor humano da nossa família que nos tem mimado com os cantares de Reis. Hoje a nossa edição é abençoada por Santo Amaro, porque o dia 15 de Janeiro é dia de ‘Santo Amaro buteleiro’ e em muitas terras é tradição comer-se neste dia o butelo (salpicão de ossos).

No passado fim-de-semana também se festejou o

S. Gonçalo, em Outeiro (Bragança), onde ainda se mantém a tradição da dança da rosca (a dança dos bate-cus), segundo nos informou a nossa tia Ludovina.

Na última semana estiveram de parabéns a avó Libânia, de Vila Nova de Monforte (Chaves), que festejou dois anos, depois do século de vida (102); José Luís (72), de Vale de Gouvinhas (Mirandela); Amélia (72) e Cláudia Topete (39), ambas de Souto da Velha (Torre de Moncorvo); Eugénio Cantoneiro (75), de Nuzedo de Baixo (Vinhais); João Eduardo (44), de Regodeiro (Mirandela); Jorge Manuel (54), de Carrazedo de Montenegro (Valpaços); Irene Farruquinha (47), de Coelhoso (Bragança), que vive em França; Zita (79), de Cabeça Boa (Bragança); António Bragança (46), pai dos gémeos Henrique e Maria, de Bragança; Regina (60), de Nuzedo de Cima (Vinhais) e Bernardete (80), de Celas (Vinhais). Que estes nomes voltem a ser escritos para o ano nesta página e que Deus os abençoe com muita saúde.

Agora vamos conhecer melhor a nossa tia Gracinha, a nossa minhota do cavaquinho.

Nos Reis os caretos fazem as festas

Olá familiazinha! Como estão os melhores leitores do mundo?

Já passou uma semana do ano que ainda cheira a novo. Estamos a ambientar-nos a este 2019 e a nossa família continua de vento-em-pôpa, porque no programa do último dia de 2018 batemos novamente o record, com 39 participações, em duas horas. No dia seguinte, no primeiro programa de 2019, conseguimos a proeza de 71 participações, num programa de quatro horas. Nesta primeira semana do ano, já temos cerca de 250 participações efectuadas e nove apresentações à família. Isto significa que a nossa gente está com muita energia positiva para enfrentar o novo ano.

Santo Estêvão, o outro santo do Natal

Querida familiazinha, feliz ano novo.

Tradição e originalidade nos presépios

Olá, como estão os leitores da nossa página?

Ceia de Natal da equipa da Pressnordeste

Olá familiazinha.

Estamos a uma semana do Natal e há quem já tenha o azeite em casa, como o tio Luís Modinhas, da Paradinha de Outeiro (Bragança), embora alguns estejam ainda à espera da tão desejada geada para varejarem a azeitona. Também já estamos na força das matanças do porco, mas mete-me confusão as pessoas matarem com este tempo tão húmido, apesar de me terem dito que com estas condições climatéricas o que tem de se fazer é um lume maior para que haja mais calor e o fumeiro se cure de igual forma.

Almoção com espírito de Natal

Como estão os leitores da página do Tio João?

A quinze dias do Natal, estamos em exercícios de aquecimento para o espírito natalício. Durante estes dias já há Natal, com os presépios e as luzinhas a piscar. Há correria para as compras, as ceias de Natal de empresas, instituições, associações e amigos.

Este tipo de eventos está cada vez mais na moda.

Andamos à procura do Inverno com as suas geadas características, mas só encontramos um nevoeiro que deve sofrer da bexiga, porque o povo diz que é um “nevoeiro mijão”. Quem anda a varejar a azeitona sujeita-se a levar com umas boas pingas na cabeça, mas como diz o nosso tio Jorge Rodrigues, “para mau dia, boa cara”. Também já há quem ande de matança, embora o tempo ainda não seja o ideal, devido à grande humidade.

No passado dia 6, festejou-se o santinho do meu nome, S. Nicolau. Este é o santo das prendas em alguns países e simboliza o Pai Natal. Vim a saber recentemente que é o padroeiro da aldeia de Pinela (Bragança) e da vila de Carrazedo de Montenegro (Valpaços).

No sábado, 8 de Dezembro, foi dia da Imaculada Conceição, padroeira de algumas das nossas localidades e dos Bombeiros Voluntários de Bragança. Muitos são os que sentem saudades de nesse dia também se celebrar o dia da mãe.

No que aos aniversários diz respeito, a nossa tia Arminda Machado, das Quintas da Seara (Bragança), que tem a família mais numerosa da cidade, teve quatro sobrinhos a fazerem anos no passado dia 5: as gémeas Marina e Flora (32), a Manuela (48) e o Filipe (40). Também festejaram anos a tia Mercês (78), de Coelhoso (Bragança); a tia Josefina Monterruivo (79), de Asturianos da Sanabria (Espanha); o tio Machado (76), de Samil (Bragança); Manuel António (42), de Samardã (Vila Real); David Farroquinho (16), de Coelhoso (Bragança); Fernando Silva (36), de Vinhais; Fátima Pinto (50), de Cernadela (Macedo de Cavaleiros); Inês (53), de Rabal (Bragança) e Amador (93), de Milhão (Bragança). Que o ministro dos parabéns lhos volte a cantar para o ano.

Agora vamos ao Almoção de Natal da Família do Tio João.

Festejar a vida dos “amigos do coração”

Olá gente boa e amiga.

Acabou-se o mês de Novembro que “ditoso mês é, que começa com Todos os Santos e termina com Santo André”. Foi um mês marcante para a família, o que mais participações teve, desde sempre. Tivemos 45 novas entradas de elementos que estão a dar muita vida ao nosso programa e à família.

Já estamos a viver o mês do Natal. Ao nível agrícola, por mais incrível que pareça, ainda há pessoas atrás das castanhas, como nos contou a tia Ana Maria, de Vila Boa (Bragança), que ainda tem 19 pessoas a trabalhar diariamente na apanha da castanha, nesta altura em que o trabalho está mais dificultado por causa do volume de ouriços e folhas que caíram com a ventania. Na próxima semana os homens do tempo prevêem dias sem chuva, facto positivo para quem tem azeitona para apanhar. Embora haja muita gente que semeie ‘alhos’ durante todo o ano, já os mais antigos diziam que “se queres bom alhal, semeia-o no mês do Natal”.

Contrariando o adágio “só nos lembramos de Santa Bárbara quando troveja”, hoje, dia de Santa Bárbara (4 de Dezembro), nós lembramo-nos dela, mesmo sem ter “troado”. Eu nunca me esquecerei da primeira oração de todas as que aprendi com o meu avô paterno “Santa Bárbara bendita, que no céu está escrita, com papel e água benta, Deus nos livre desta tormenta”.

E por falar em escrita, nos últimos dias fui surpreendido por uma amiga que já não via há 32 anos e que veio oferecer-me um livro de sua autoria, intitulado «Crónicas da Aldeia, ou Talvez Não». Trata-se de Teresa Tronjo, natural de Avelanoso (Vimioso) com quem eu convivi muito no meu tempo de disco-joker na discoteca. É um livro fácil de ler que caracteriza a sua terra.

Para além dos 5 aniversariantes de que vamos falar nesta página de forma mais alargada, também estiveram de parabéns Aguiar Castro (57), de Sendim (Miranda do Douro); Vera Lúcia (27), de Mogadouro; Irene Machado (67), de Cabeça Boa (Bragança); Nuno Rafael (23), de Rio Frio (Bragança). Para todos muita saúde e paz que o resto a gente faz.

Agora vamos viver cinco aniversários muito festejados pela nossa família.