Tio João

PUB.

Esta neve é pão caído do céu

Olá familiazinha!
Somos chegados ao mês de Março, o único deste ano que tem duas luas cheias.
Como nos disse a tia Celeste, de Serapicos (Valpaços), toda a gente tem andado aflita com a falta de chuva mas, “Tio João, já o meu pai dizia que a chuva não a comeu o lobo!… e a chuva e a morte não se devem pedir, porque estão certas”. A verdade é que, desta vez, a neve foi geral em toda a região e há previsões de mais chuva para a primeira quinzena deste mês. Quem também fez a sua aparição foi o gelo, que fez das dele, pois como nos contaram alguns tios, ouviam-se as árvores a partir com o peso do gelo, dando prejuízo em pinheirais e soutos. Em contrapartida, a neve prejudica quem conduz mas para a agricultura foi uma grande riqueza, ao contrário do gelo.
Na última semana faleceu o tio Canelhas, da Paradinha de Outeiro (Bragança), fiel ouvinte durante muitos anos e pai da nossa tia Delfina, assídua participante do nosso programa. O seu sofrimento chegou ao fim, depois de um mês a sofrer para morrer. Que tantos anjinhos o acompanhem como dias nos ouviu. Paz à sua alma e os sentimentos à família enlutada.
Depois de chorarmos esta perda, vamos festejar a vida com os aniversariantes da última semana, que foram o tio Luís Modinhas (79), da Paradinha de Outeiro (Bragança), grande animador da família com o seu “esfola beiços” e as suas cordas vocais; o tio António Rodrigues (83), de Asturianos (Sanábria – Espanha), que é o espanhol mais português; o jovem Benjamim (14), de Zurique, filho da nossa tia Irene Hostler, emigrantes na Suíça; a tia Paula Silva (50) , de Vinhais, mais uma do meu ano, filha do nosso grande amigo, tio Alcino Silva; o tio José Leonardo (84), de Grijó (Macedo de Cavaleiros); a tia Albertina (60), de S. Jumil (Vinhais); o tio Eliseu Fidalgo (47), da Paradinha de Outeiro (Bragança), emigrado em Londres e por fim a Tizinha (53), de Bragança. Parabéns a todos e que façam ainda muitos na nossa companhia.
E agora trago-vos a neve e os pingorelhos.

Há vidas que bem contadas fazem tremer calçadas

Olá familiazinha!
Como é tão pequeno, já está a acabar. Estou a falar-vos do mês de Fevereiro, que tem sido muito participativo no nosso programa de rádio, porque os temas que temos abordado puxam pela língua ao nosso povo, com uma média de 27 participações diárias. Também tivemos 30 novas matrículas na universidade da vida. Recordámos muito o tempo antigo, quando as pessoas viviam com mais dificuldades do que agora, mas eram muito mais felizes e havia mais respeito.
Na última semana falaram connosco pessoas de 24 aldeias onde já não há nenhuma criação de gado bovino. O tio José Luís, de Azinhoso (Mogadouro), ensinou-nos que antigamente os 7 domingos da Quaresma tinham todos nomes: “O primeiro é Ana, o segundo Magana, o terceiro Rebeca, o quarto Susana, o quinto Lázaro, o sexto Ramos e ao sétimo na Páscoa estamos”.
Tivemos mais uma perda na família, desta vez foi a tia Emerência, do Castedo (Torre de Moncorvo), que faleceu no dia 20, terça-feira, com 93 anos e prestes a fazer 94. Já que lhe festejámos a vida vários anos, também agora lhe choramos a morte. Paz à sua alma e que tantos anjinhos a acompanhem como em festas participou, sendo sempre das primeiras a chegar.
De parabéns estiveram a tia Teresa, de Cal de Bois (Alijó), a tia Irene, de Samil (Bragança), o tio António Canucho, de S. Julião (Bragança), que completaram 78 anos. O tio Arnaldo (92), de Deimãos (Valpaços), o tio António Xavier (70), de Coelhoso (Bragança), o tio Ramiro (63), de Freixedelo (Bragança), a tia Maria José (50), de Sacoias (Bragança), o tio Carlos Pinto (42), de Tabuaço e o Tio Carlos (65), de Alvarelhos (Valpaços). Parabéns a todos e que para o ano constem outra vez desta página.
Agora vamos conhecer a história de uma vida que bem contada, faz tremer uma calçada e, segundo o protagonista, “ainda deixou a missa a metade”.

Eu ainda sou do tempo em que...

Olá familiazinha!
Embora muito pouca, é melhor do que nada a chuvinha que nos tem visitado.
É preocupação de todas as pessoas que desabafam connosco a pouca chuva que tem caído, porque as barragens, rios e ribeiros estão ainda com muito pouca água nesta altura do ano.
Já temos mais um Entrudo em cima da pele! Apercebi-me que o Carnaval ‘ressuscitou’ em algumas aldeias este ano. Enquanto antigamente se brincava ao Carnaval de forma espontânea, agora tem sido organizado, com direito a jantar, baile e desfile com tractores alegóricos, como aconteceu na freguesia de S. Julião de Palácios (Bragança) onde, pelo segundo ano consecutivo, o Grupo de Gaiteiros e Bombos da Lombada se encarregou de organizar o Carnaval.
Na última semana também se festejou o Dia dos Namorados e a nossa família tem bons exemplos de namoros que duram há muitos anos, como é caso do tio Amadeu Rocha e esposa, namorados há 67 anos. Muitos dos casais que nos telefonaram nesse dia também há mais de 50 anos que namoram.
Estiveram de parabéns o tio José Maria (62), de Seara Velha (Chaves), a tia Ester (73), do Bairro do Couto (Bragança), a tia Adília (80), de Penas Róias (Mogadouro), o tio Eusébio (56), de Baçal (Bragança) e a nossa grande padeirinha, de Lagoa (Macedo de Cavaleiros). Que continuem a contar os Entrudos.
Agora vamos à gente que é do tempo em que…

A nossa primeira viagem do ano

Olá familiazinha!
Nos últimos dias a nossa região foi notícia em vários órgãos de comunicação social, devido ao alerta amarelo das temperaturas de -7º que atingimos. Por isso mesmo perguntamos à nossa família se este seria, realmente, um Inverno muito rigoroso. Muita gente nos respondeu que ainda é do tempo de viver em casas sem forro, como é o caso da tia Rita, de Vale Frades (Vimioso), que nos contou que uma noite dormia com as suas irmãs e acordaram com um peso grande em cima dos cobertores, devido à neve “furaqueira” (puxada a vento) que entrava pelo telhado. Outros contaram-nos que tinham que dormir com o guarda-chuva aberto em cima da cama para se precaverem da neve. Antigamente não tínhamos as comodidades que hoje existem, como por exemplo aquecimento central, ar condicionado, etc. e as pessoas desse tempo sentiam o frio muito mais do que agora, havendo semanas seguidas de neve e geada, quando se fazia dos pingarelhos de gelo os gelados de antigamente.
Na última semana estiveram de parabéns o tio Francisco (74), de Castelãos (Macedo de Cavaleiros), o tio Hilário (44), de Vale Gouvinhas (Mirandela), a tia Isilda (82), de Pinela (Bragança) e o tio Olímpio (66), de Vale de Lamas (Bragança). Esperamos que continuem a festejar o seu aniversário na nossa companhia.
E agora vamos à primeira viagem do ano da Família do Tio João, ocorrida no fim-de-semana gordo, em que visitámos alguns mosteiros da Rota do Românico, o Vale do Sousa, Valença (onde tivemos o baile de Carnaval) e, no domingo, fomos a S. Tiago de Compostela e Verin (Espanha).

No alto do cabeço a Sr.ª da Cabeça

Olá familiazinha!
Aí está o mês mais pequerruchinho do ano. Os dias começam a aumentar a olhos vistos e celebra-se a luz que cresce, pois como diz o povo “em Fevereiro entra o sol em qualquer ribeiro”. No dia 2 de Fevereiro festejou-se a N.ª Sr.ª das Candeias, da Luz, da Candelária, da Purificação ou ainda N.ª Sr.ª da Cabeça, como é chamada aqui bem perto de nós, na aldeia de Nogueira. “Se na Senhora das Candeias estiver a rir, está o Inverno para vir; se estiver a chorar está o Inverno a passar”, ou seja, como este ano esteve um dia de sol, é sinal que o Inverno ainda está para durar.
Foram alguns os tios que me recordaram que fez dois anos, no passado dia 1 de Fevereiro, que fui operado às cordas vocais e mudei a minha voz, com a bênção de S. Brás, advogado da garganta, que se festejou no dia 3.
Os tios e tias do mundo agrícola têm-me dito que andam na poda e plantação de árvores de fruto e também a semear
couves para transplantar. No sábado, dia 3, fizeram as bodas matrimoniais os tios Francisco e Helena Pinto, da Ermida.
Na última semana festejaram o seu aniversário o tio Pedro (67), da Vila Chã da Braciosa (Miranda do Douro), o tio Ramiro (78), de Mourão (Vila Flor), a tia Julieta (82), de Suçães (Mirandela), a tia Bernardete (83), de Vila Nova (Bragança) e a Ana Rita (28), de Bragança. Bem hajam por festejar a vida connosco e que o João André vos volte a cantar os parabéns para o ano. E agora vamos ao alto do cabeço, à Senhora da Cabeça.

III Feira Rural da Terra e da Gente da Lombada - As feiras que dão vida às nossas terras

Olá familiazinha!
Estamos chegados ao fim do mês de Janeiro e, como sempre, neste espaço tentámos resumir tudo o que se passa diariamente no programa Bom Dia Tio João da rádio. Claro que há dias em que a alegria vem ‘ao de cima’, proporcionando-nos escutar vários instrumentos musicais e muitas cordas vocais, que embelezam e dão alegria a quem nos ouve. Mas também há aqueles dias em que as pessoas sentem necessidade de desabafar os seus problemas do dia-a-dia, entre eles os de saúde e a perda de entes queridos. Quando em alguma localidade acontecem acidentes tão trágicos, como o da semana passada em Caravela, toda a família vive a tristeza das outras pessoas como se fosse deles próprios.
O casal Norberto Moreira e Rita, de Oleirinhos (Bragança) festejaram, no passado sábado, as suas bodas de ouro. Que continue o pão da boda.
A tia Emerência, do Castedo (Torre de Moncorvo) pôde, na semana passada, dizer alto e em bom som: “— Tenho uma filha que fez 74 anos”… E agora digo eu: Não é para todos, é só para os que lá chegam. Nem todas as mães podem dizer o mesmo.
Além da tia Austelina (74), da Horta da Vilariça (Torre de Moncorvo), também estiveram de parabéns a tia Maria da Conceição (73), de Vilarandelo (Valpaços), o tio Mário (91), de S. Mamede de Ribatua (Alijó) e a tia Maria (54), de Uva (Vimioso).
Que continuem a contar os anos na nossa companhia.
Como estamos a chegar ao fim de Janeiro, brindo-vos com um artigo sobre os santos do fumeiro e também com a III Feira Rural da Terra e da Gente da Lombada.

Santa Casa da Misericórdia de Bragança - 500 anos a fazer o bem

Olá familiazinha!
Depois de ter ouvido algumas tias a promoverem a sua terra cantando o hino da sua aldeia, lembrei-me de começar a incentivar todos os que nos ouvem para que nos cantem o hino da sua terra porque é uma boa maneira de publicitar o bom nome da localidade, porque os hinos são bons cartões de visita, visto que retratam as principais características de cada localidade. Ficamos então à espera que nos cante o hino da sua terra.
Neste mês de Janeiro já fizemos 24 novos amigos. A vida dá-nos amigos e a morte rouba-no-los. Foi o caso do tio Fernando, das Cantarias (Bragança), que imitava como ninguém o zurrar do burro e nas nossas viagens e festas era o grande cómico da família. Que tenha tantos anjinhos à espera dele como gargalhadas nos fez soltar. Paz à sua alma e os sentimentos à família enlutada.
Por outro lado, quem esteve de parabéns esta semana foi a tia Maria José (48), do clube dos auriculares, de Bragança; a tia Fatinha (39), de Castro Vicente (Mogadouro); o Vítor Pinela (45), de Sacoias (Bragança) mas que nos ouve em Paris e a tia Helena Romão (80), de Caravela (Bragança), madrinha da tia Leninha. Parabéns cheios de saúde para todos.
Na segunda feira, dia 22, fiz o programa em directo do lar da Santa Casa da Misericórdia de Bragança para abrir as comemorações dos 500 anos desta instituição. Deixo-vos um artigo escrito pela sua directora, Dr.ª Ana Maria.

Rádio novela da família

Olá familiazinha!
E ao nono dia do ano, a neve chegou!
Sempre ouvi dizer que depois de um Verão muito quente vem um Inverno muito frio. Os primeiros dias deste ano têm-se caracterizado por muita chuva, geada e neve, mas dizem os antigos que “ano de bom pão, tem de ter sete nevadas e um nevão”.
Esta semana, que principiou com o dia de Santo Amaro (15 de Janeiro, o santo boteleiro), Santo Antão (17 de Janeiro, ‘advogado’ dos porcos) e S. Sebastião (20 de Janeiro, o santo que tem mais capelas e capelinhas na nossa região). Estes são os três santos a quem o povo faz oferendas do tradicional fumeiro, que depois são leiloadas. Para a semana iremos aprofundar mais este tema.
No dia 13, sábado, comemoraram as suas bodas de ouro matrimoniais o tio Altino e a tia Maria Augusta, de Saldonha (Alfândega da Fé). Que continue o “pão da boda”.
Na semana passada foi batido o recorde de parabéns cantados pelo meu João André, visto que estiveram de parabéns a Irene Farruquinha (46), que nos liga de Paris mas é de Coelhoso (Bragança), o António Gonçalves (45), de Bragança, os irmãos gémeos de Tuizelo (Vinhais) Luís e António Santos (51), o tio Chedre (70), o tocador de concertina e comilão das castanhas, de Nunes (Vinhais), a tia Glória (70), de Lodares (Vila Real), o tio José Luís (71), de Vale de Gouvinhas (Mirandela), a tia Maria Rocha (80), de Salsas (Bragança), a tia Edvige (68), de Bragança, a tia Adélia (75), de S. Julião (Bragança) e por fim a tia Rosalina (52), de Rebordelo (Vinhais). Parabéns com muita saúde para todos. E agora vamos ao resumo dos últimos episódios da nossa rádio novela da família do Tio João.

Boas festas que nos dão os Reis

Olá familiazinha!
Diz o povo e com razão que nós, por cá, ainda vamos vivendo no cantinho do céu, visto que, dos furacões de nomeada, só tem chegado cá a “pontinha de uma unha”. Na primeira semana do ano tivemos 220 participações, o que é o record de sempre, tendo registado no primeiro dia do ano 64, todas elas com o brilho do ano novo em que todos desejaram a todos um melhor ano. Até à data já se apresentaram à nossa família onze novos membros. Também foram já muitos os que não deixaram cair a tradição e nos cantaram os Reis, não à nossa porta, mas ao nosso ouvido e ao nosso coração, entre eles a tia Silvina e o Tio Agostinho que aqui deixamos reproduzidos, sendo que os Reis vão continuar até ao dia 20 de Janeiro, dia de S. Sebastião.
No que respeita a aniversários, no dia 1 estiveram de parabéns os irmãos José António, que fez 39 anos e o José Manuel fez 36, de Cabeça Boa (Bragança).
Também a tia Delfina e o seu pai, tio Canelhas, de Paradinha de Outeiro (Bragança) fizeram 63 e 86 anos, respectivamente. António Júlio, de Viduedo (Bragança) completou 86 anos, Sebastião Eira Velha, de Cernadela (Macedo de Cavaleiros) e a sua neta Matilde comemoraram no dia 4, 71 e 15 anos, respectivamente. Quem festejou à grande o seu aniversário com a família foi o tio António Cavalheiro, de Vilarandelo (Valpaços), que nos brindou nesse dia com as orações da manhã, baseadas na sua própria vida. Para todos parabéns e muita saúde.
E agora, as boas festas que nos deram os Reis.

365 dias para viver e o ano todo para conviver

Olá familiazinha!
Já estamos a viver o ano 2018, com a particularidade de terem começado ao mesmo tempo o ano, o mês e a semana. No ano em que a Páscoa é “enganada”, pois calha dia 1 de Abril, dia das mentiras. Curioso também é o facto de o Dia dos Namorados ser na Quarta-Feira de Cinzas, dia em que não se come carne, mas há sempre a opção de uma ementa de peixe para o tradicional jantar de namorados…
Pelo quarto ano consecutivo a minha passagem de ano foi em Caravela, terra da minha esposa Leninha, com o jantar comunitário e o respectivo baile no pavilhão da casa do povo. É bom fazermos a viragem do ano na companhia daqueles que nos acompanham durante todo o ano. Embora eu seja de Bragança, já me sinto um lombardês.
Os últimos aniversariantes do ano foram o nosso Pedro Espanhol, que é o espanhol mais português da nossa família. Para mim é como um irmão e festejou os seus 52 anos. Que continue a acompanhar-nos nas viagens e nas festas, como tem feito até aqui. Também a tia Alcides, de Coelhoso (Bragança), completou 63 anos, o tio Ernesto Oliveira, de Bragança, fez 78 anos e o Henrique, de Rio Frio (Bragança), filho da tia Antónia Pastora, comemorou os seus 34 anos de idade. Que a todos eles lhe voltemos a comemorar o aniversário com muita saúde.
Estou ansioso pelo decorrer deste ano, pelas viagens que vamos realizar, sempre com o lema “vamos para fora cá dentro” e também pela curiosidade de saber onde se vai realizar o piquenicão, o magustão, o almoção e outros convívios, ainda sem lugar escolhido.
Quero também desejar a todos 365 dias a viver e o ano todo a conviver, como sempre temos tentado fazer, através do nosso programa de rádio e desta página. Mas, atenção! Sabemos que temos pela frente 365 dias de luta constante. Desejo a todos um ano com muitos mais sorrisos do que lágrimas e se estas caírem, que sejam de alegria.
Deixo-vos a tradição dos “Encamisados”, que se realiza todos os anos, nos dias 31 de Dezembro e 1 de Janeiro, em Vale das Fontes (Vinhais).