Opinião

24/10/2017

Não fosse a ajuda celestial e a solução para o problema gravíssimo que o país vivia não chegaria certamente pela mão dos homens. Estes viram o país a arder, por entre arrepios de dor e lágrimas de sangue, sem soluções apesar do muito esforço de alguns.

24/10/2017

O seu posicionamento ideológico é de um cidadão que assenta com base na razão do estudado num colégio de disciplina e língua alemã, na ordem de um determinado Mundo, que por vezes se cruzam secura no trato e comedimento nos gastos e surgem ideias e formulações que chocam contra interesses, burocr

24/10/2017

Não, não venho falar do Sócrates, o filósofo da antiga Grécia que ensinou os homens a olhar para dentro de si e que condenado ao exílio ou à morte, preferiu a segunda bebendo cicuta !

17/10/2017

Álvaro Lopes nasceu em Mogadouro pelo ano de 1568, sendo filho de António Rodrigues, mercador e de Leonor Rodrigues, ambos nascidos naquela mesma vila. Os avós paternos chamaram-se Álvaro Lopes e Isabel Lopes e os maternos foram Pedro Álvares e Maria Álvares, todos moradores em Mogadouro.

17/10/2017

Os vizinhos olham para o céu na esperança que o milagre aconteça e a chuva venha dar um sinal de esperança à colheita da castanha que mirra e da azeitona que encolhe à beira da promessa do azeite e da riqueza.

17/10/2017

Quando o Tomé Guerreiro chegou ao costumeiro lugar do encontro, já o Júlio Manso conversava com Miguel Subtil que estava de visita à terra natal, vindo de Lisboa.

17/10/2017

O regime político vigente em Portugal, embora formalmente se inscreva no sistema da democracia liberal, também dita representativa, enferma de graves anomalias que são, quanto a mim, a causa essencial dos males de que o nosso país padece nos domínios político, económico e social.

10/10/2017

Ora viva minha prezada gente. Há quanto tempo! Como vai essa saúde? E a família, tudo em ordem? Espero que sim! Ora parece que este ano o ditado que diz “em Outubro, fogo ao rubro” até soa a piada de mau gosto.

10/10/2017

Nasceu na vila de Mogadouro pelo ano de 1665. O pai chamou-se Belchior Fernandes e era “caseiro” na quinta do Vimieiro, termo da Torre de Dona Chama, Mirandela, de onde foi para Mogadouro casar com Beatriz Lopes.

10/10/2017

Frequentemente lançamos nas dúvidas algumas certezas que, na imponderabilidade da sucessão de determinados acontecimentos, julgamos ser o melhor para resolver certas situações. Não quer isso dizer que acertemos nas dúvidas ou que as certezas sejam realmente certezas.