Opinião

PUB.
14/01/2020

Boas tardes, minha gente. Neste momento Bragança está nas bocas do povo. É triste porque todos sabemos como estas notícias negativas se colam à imagem de uma cidade. Claro que estas coisas também acontecem no coração de Lisboa e com muito mais frequência.

14/01/2020

Nunca fui muito adepto do uso de navalhas. Desde muito garoto, achava que quem usava uma navalha era mais importante, não sei dizer porquê. Talvez porque tinha algo mais do que o que era preciso e que eu não tinha.

14/01/2020

Os saldos são uma das alturas mais esperadas do ano, sobretudo para quem gosta de se vestir bem e gastar pouco. E no inverno ainda é mais evidente, uma vez que as peças de Inverno como “maxi coats”, casacões e camisolas são geralmente mais caras e vale a pena comprar a preço reduzido.

14/01/2020

Agarro-me ao sábio bordão moldado e modelado nas alfurjas do tempo a fim de procurar perceber o PSD decorrente do acto eleitoral do dia 11, pois o provérbio: são mais que inimigos, são irmãos, encerra no seu bojo as deploráveis logo nefastas inqualidades que tornam o livro O Homem Sem Qualidades

07/01/2020

Nos últimos dias do ano somos sempre invadidos pelo balanço anual dos nossos amigos nas redes sociais.

07/01/2020

Num artigo de opinião, no jornal Público, Rui Tavares lembra um episódio de 1932, na Alemanha pré-hitleriana.

07/01/2020

Muito embora o terceiro milénio já conte 20 anos, só agora se evidenciam condições para uma mais instante reflexão, que não compete apenas a políticos, filósofos ou cientistas porquanto diz respeito a todos os cidadãos do mundo.

07/01/2020

Entramos sem grande entusiasmo no ano de 2020. Uma nova década e o tempo a limitar-nos o tempo da nossa precária existência. Cai uma chuva miudinha e o vento sopra dos lados da Sanábria onde habitam todos os frios e os seculares nevões.

30/12/2019

Ao contrário do que se tem dito, o governo não vai acabar com os chumbos no ensino básico. É impossível acabar com o que não existe, e como é bem sabido nesse grau de ensino já há muito que passar por atacado é uma prática corrente, chumbar um fenómeno residual.

30/12/2019

Não esqueço o Seringador no fluir dos dias, menos ainda no final de cada ano.