Opinião

PUB.
15/11/2016

De novo a minha crónica quinzenal vai beber num editorial do meu amigo Teófilo Vaz.

15/11/2016

O processo de destruição de Portugal já vem de longe, muito embora ninguém possa lucidamente defender que começou com a queda da Monarquia e a consequente implantação da República e muito menos com a perda das colónias.

08/11/2016

A família Gabriel, de Bragança, começa com o curtidor Henrique Rodrigues e sua mulher Brites Fernandes. (1) Tiveram 3 filhos, mercadores de profissão e 2 filhas, ambas casadas com curtidores.

08/11/2016

Neste mês de Novembro repetimos as emoções, como se um chamamento vindo da eternidade nos obrigasse a revisitar temas banais, mas, que para nós, são duma infinda importância.

08/11/2016

Não sei, mas possivelmente a palavra “coisa/s” deve ser a que mais usada é na língua portuguesa para nos referirmos a tudo e a nada, especialmente em ocasiões onde a necessidade de nos expressarmos rapidamente falha a expressão conveniente e lá teremos de chamar a “coisa”.

08/11/2016

Bem alinhadas, reluzentes quais unhas envernizadas, as castanhas, de castanho vestidas, exibiam-se no Festival Nacional de Gastronomia, ocorrido em Santarém. Perguntei sobre a sua procedência. De Marvão, respondeu a Menina.

08/11/2016

Uma voltinha à aldeia, onde atualmente o sol já se deita muito mais cedo, permanecendo o seu brilho um pouco mais tarde na torre da igreja. Não é uma aldeia deserta mas desertificada. A maior parte das persianas encontram-se fechadas dia e noite.

02/11/2016

“Há anos que persigo um homem pela sombra dos gestos, por entre incêndios, no coração das sílabas que escreveu e suscitou em outros homens que com ele cumpriram a vida ou sobre ele se debruçaram.

02/11/2016

Era um dos 12 filhos (5 rapazes e 7 raparigas) de Pedro Cardoso e Esperança Rodrigues. O irmão Gabriel casou na família de Luísa Bernarda, a matriarca dos Raba; a irmã Luísa com o Dr. Gabriel Ledesma; a Isabel com Tomé de Leão e a Maria foi casar em Vinhais com Diogo Ferreira.

02/11/2016

Amicus est alter ego, dizia Pitágoras, na linha de Marcial, Cícero, Séneca, Horácio, Santo Agostinho, Montaigne, D. Francisco de Portugal e tantos mais.