Caminhantes devotos de Sta. Rita

Ter, 18/09/2018 - 15:22


Olá ilustre familiazinha, como vamos?

 

Estamos às portas do outono mas ainda em pleno verão, pois as temperaturas rondam os trinta gaus. Como nos disse a tia Neves, de Nuzedo de Baixo, Vinhais, “ já andamos estornicados com o sol”.

Já cheira a vindimas embora estejam atrasadas em relação ao ano anterior. Além das regas há quem ocupe o tempo à procura de silvas com amoras, por isso a tia Denérida, de Palácios  (São Julião), disse-nos” que em Palácios as carvalheiras e em Babe os freixos até dão moras”.  Assim sendo sempre entra um dinheirinho extra.

Na passada sexta-feira, dia 13, esteve de parabéns o senhor meu pai, que chegou aos quatro vintes, por isso já chegou, como nós dizemos na nossa família, professor doutor catedrático da universidade da vida. Cada vez que me lembro: quando era pequeno era conhecido como o filho do professor Sernadela, agora ele é conhecido pelo pai do tio João.  Quem também esteve de parabéns nos últimos dias foi Inocência Ala, de Rio Frio, 104 anos, Domingos Castro 56, Seara Velha (Chaves), o Duarte Pastor, 37, de Prado Gatão, Miranda do Douro, os gémeos Mónica e Miguel Ferreira, 37, de Genísio, Miranda do douro, Leonel Farroquinho, 42, de Coelhoso, emigrado em França, António Pimentel, 63, de Rebordelo, Manuel Preto, 74, de Alfaião, José Manuel, 50, de Valverde, Bragança. Muitos parabéns a todos, e como diz a tia Irene Hostettler, que nos liga de Zurique, Suíça, “ desejo saúde em paz que o resto a gente faz”.

E agora vamos à Santa Rita a pé…

 

 

No domingo, dia 16 de Setembro, realizou-se a romaria de Santa Rita de Cássia, advogada das coisas impossíveis, em Terroso, Bragança e como já tem acontecido nos últimos anos, também participei na minha caminhada peregrina à Santa Rita. Saí de casa às 5:30 da manhã, utilizando as novas tecnologias para me iluminar durante uma hora. Mesmo a essa hora já sentia que iria encontrar um mar de gente. Cheguei antes das 8 e encontrei-me com um grupo de peregrinos de Alfaião, que saíram de casa as 3:30 da manha. Fui à igreja agradecer por mais um ano de graças e quem já estava á minha espera era o nosso tio Hélder, de Terroso, grande impulsionador da comissão de festas da Santa Rita, que me disse” que as pessoas começaram a vir a pé há volta de 17 anos. Houve um mordomo que teve a iniciativa de apoiar os peregrinos oferecendo água. Actualmente a comissão de festas oferece 7 pontos de apoio situados em vários acessos à aldeia. A partir das 6 da manhã, para além da água, café, simpatia e alegria de receber tantos peregrinos, conta-se com o apoio de ambulância dos bombeiros, médico, e enfermeiros. Penso que haverá cerca de 3000 peregrinos de todas as classes sociais e etárias que saem de casa a partir das 2 da manha, vindo de vários pontos da região, cerca de 70% com fé e outros por lazer”. Fiquei impressionado porque vi alguns peregrinos empurrando carrinhos de bebes, mulher grávidas, famílias completas e pessoas descalças. Não faço ideia a quantidade de peregrinos que eram mas de regresso, às 9 da manhã, fiz a viagem de carro e via que estrada entre Terroso e Donai, que são 8 quilómetros, estava cheia de peregrinos. Em conversa com pessoas que estiveram lá todo o dia, nunca viram tanta gente como este ano. Que Santa Rita nos continue a proteger.