PUB.

Vendavais - Os Homens do leme

Nas voltas que o mundo dá e no dia-a-dia de cada um de nós, sucede de tudo um pouco. Sucessos e desastres, vitórias e derrotas.
As derrotas não são muito lembradas embora algumas sirvam de exemplos para que outros as não imitem pelo menos no que elas têm de menos bom. As vitórias, essas são mais saborosas, mas nem todos as consideram assim tão dignas de serem referenciadas.
Na verdade, as vitórias apesar de serem sempre vitórias, são vistas quase sempre com olhos críticos e mesmo até acusadores. Tudo depende de quem vê e o que pretende ver. Os olhos de um político não vêm o mesmo que os olhos do vencedor, especialmente se ao político não interessar esse tipo de vitória ou se esta for contrária ao seu objetivo político. Do mesmo modo, se a vitória ou o sucesso for de índole diferente da económica, os olhos que a vêm podem não gostar da vertente em análise e que é considerada um sucesso.
Há pois, deste modo, quem analise tanto os sucessos como as derrotas de um modo diferente. Mas tudo isto tem uma outra análise bem mais profunda quando o derrotado ou o vitorioso deixa o mundo dos críticos e se vai juntar aos que nada têm a dizer. Nessa altura são referenciados pelo que fizeram, pelo que deixaram, pelo que viveram, enfim, pela sua obra. E é esta obra que passa a ser analisada e discutida. Diz o povo que todos depois de morrer se tornam boas pessoas. Pois é. Infelizmente é assim mesmo, com algumas exceções como é óbvio.
Durante muitos anos ouvimos falar, com mais ou menos críticas, de Belmiro de Azevedo. Muitos o elogiaram pelo que fez e pelo modo como o fez. Homem simples, que subiu a pulso toda a sua vida e que conseguiu ajudar milhares de pessoas e foi um dos maiores empregadores deste país nos últimos trinta anos. É verdade que era um homem muito rico, mas soube sê-lo e soube usar essa sua capacidade com toda a imparcialidade política que todos lhe reconheceram. Aqui residia a sua maior riqueza. Não estava nem nunca esteve refém de nenhuma política nem de nenhum governo. Soube ser isento e deu disso exemplo. Era um homem de negócios e ao longo da sua vida também teve algumas derrotas, mas foi afinal um vencedor nato. Morreu novo, mas deixou uma obra extraordinária em termos económicos por todo o país, obra essa que emprega milhares de pessoas. Exigente, mas reconhecedor do esforço e do trabalho dos seus empregados. Afinal quem critica este homem? Quem critica a sua obra? Evidentemente só o poderiam fazer os políticos de esquerda ou extrema-esquerda que vêm a riqueza como o submundo das vivências humanas, como o lamaçal da vida que proporcionam a quem se cruza por essas bandas. Mas não tem de ser assim e não foi assim. Depois da sua morte, quase todos reconhecem o homem íntegro, trabalhador, direto e imparcial que foi. Resta agora à família, continuar a sua obra com a dignidade e o reconhecimento que ele merece. Afinal de contas ele foi um dos homens do leme da economia deste país!
Mas não foi o único. Deixou-nos e partiu para sempre outro homem do leme. Zé Pedro deu um Xuto na vida e neste mundo e, com a imensa mágoa que recordamos esse momento, ele morreu. Não era homem de negócios. Não era homem de arrebanhar derrotas. Não era criticado pelo que fazia ou deixava de fazer. Era um homem de consensos. Era um homem que navegava no meio de colcheias e semifusas. Foi o fundador, ou um dos fundadores do grupo que ao fim de tantos anos no meio musical português ainda se mantém ativo. Agora com menos um elemento. O rock português perdeu um músico fantástico. A sua viola calou-se. As notas com que marcou canções como o Homem do Leme, acompanharam-no na despedida. Ele foi de facto, o homem do leme dos Xutos e Pontapés. Mas não foi o único. Claro que não. Que diríamos hoje se em vez dele tivesse partido um outro elemento do grupo? Seria outro homem do leme certamente, que perderíamos.
Tanto na despedida de um como de outro, esteve um outro Homem do Leme. Talvez porque era muito importante que estivesse nessa despedida e em comunhão com a dor sentida por todo o país, Marcelo, o Presidente da República disse presente. Outros não tiveram essa coragem! Os interesses pessoais ou intenções políticas, impediram-nos de fazer jus à importância dos Homens do Leme! Paciência.
No meio de toda esta azáfama política e social, resta agora ver quem se tornará o próximo Homem do Leme. Novamente por razões políticas, há quem concorde e quem discorde de ver que a possibilidade de Mário Centeno ser eleito para o Eurogrupo. E quem discorda? Quem são os que não lhes diz nada que tal aconteça? Sempre os mesmos. Os partidos de extrema-esquerda. Porquê? A Europa não lhes diz nada! Como é possível? Que ignomínia! Afinal, o que mais necessitamos são Homens do Leme neste país à deriva.

Luís Ferreira