INFEÇÕES HOSPITALARES

Na última viagem ao nordeste, estando bom tempo, fomos dar um passeio pela Vilariça e acabámos por encontrar e colher alguns espargos. Fomos logo à procura de mais. “Querida, vê além naquela espargueira grande, junto ao toro da oliveira” disse eu para a minha mulher. Por acaso não havia lá nenhum e, pelo contrário, encontrámos meia-dúzia deles por entre os seixos de uma velha parede. Não havia, mas era, seguramente grande a probabilidade que houvesse e por isso era correto procurá-los ali. Normalmente haverá mais espargos onde houver uma grande concentração de espargueiras.

O mesmo se passa com as infeções. Se alguém, por absurdo, pretendesse contrair uma infeção, o melhor lugar para a procurar seria, obviamente, num hospital. Porque é nos hospitais que se encontra o maior aglomerado de agentes patogénicos e, como tal, a probabilidade de ali se encontrar o “caldo” favorável e adequado para se ser infetado é enorme. A “auxiliar” este ambiente propício à contração de uma doença está o facto de os utentes destes espaços estarem, na sua generalidade, fragilizados por outras doenças e, muitas vezes, com o sistema imunitário debilitado. Paradoxalmente, os utentes procuram estas unidades com o objetivo oposto de melhorarem a saúde, debelarem moléstias e protegerem-se contra epidemias e demais riscos biológicos. Daí a importância do Projeto “STOP Infeção Hospitalar” idealizado, desenvolvido e implementado em 12 unidades hospitalares sob a direção da Fundação Gulbenkian e com o apoio da Direção-Geral de Saúde.

No passado dia 7, no Auditório 2 daquela Fundação foram apresentados os resultados com a comclusão da primeira fase em cerimónia onde, para além da Presidente do Conselho de Administração da FCG, estiveram o Ministro da Saúde e o Presidente da República. Os resultados ultrapassaram as melhores expetativas do ambicioso objetivo de redução em 50% em quatro tipos de infeções hospitalares (as diminuições foram de 51% nas infeções associadas a cateter vesicular e nas pneumonias relacionadas com a intubação, 55% nas cirurgias de prótese da anca e joelho e 56% nas ligadas ao cateter vascular central). No final foi assinado um protocolo com o Governo para continuar,  e consolidar esta iniciativa e alargá-la a outras unidades de saúde. Tendo o mais alto magistrado da nação reconhecido a gravidade do problema em questão, foi o titular da pasta da Saúde que constatou que “Nunca Portugal tinha alcançado resultados tão positivos numa batalha como esta”.

Este foi um dos programas que, desde o início, atraíram a minha atenção, não só pela importância, pelos intervenientes, mas, sobretudo, por entre as unidades escolhidas estar, desde a fase de arranque,  o Hospital de Bragança. Tive o prazer de cumprimentar, nesse mesmo dia à entrada da Conferência, no átrio do foyer do Grande Auditório, Carlos Vaz, presidente da ULSNordeste, e Eugénia Parreira, Diretora Clínica da mesma unidade. No dia seguinte em conversa com Jorge Soares, coordenador do programa, soube, com enorme satisfação, que a Unidade Brigantina tinha tido um dos melhores desempenhos. Estou certo que, a partir de agora, nos hospitais nordestinos, os utentes e os profissionais estarão muito mais protegidos e seguros, também no que às infeções hospitalares diz respeito. 

José Mário Leite