Deus (Esquerda), Pátria (Partido), Família (Clã)

Contrariamente ao que muitos possam pensar a tríade Deus, Pátria, Família, divisa do chamado Estado Novo, não é da autoria de Oliveira Salazar mas de Afonso Pena, político brasileiro filho de pai português, que foi o 6.º presidente do Brasil, entre 1906 e 1909, muito tempo antes, portanto.

Diga-se, em abono da verdade, que Afonso Pena, contrariamente a Oliveira Salazar, não se limitava à trilogia Deus, Pátria e Família. Acrescentava-lhe um quarto elemento: Liberdade.

Com a implantação da democracia liberal em 25 de Abril de 1974, que é tudo menos representativa (os transmontanos que o digam), aquela fórmula ideológica foi definitivamente posta de parte, como se sabe, passando a reinar a regra 3D: Democratizar, Descolonizar, Desenvolver, sendo que, até ver, apenas a descolonização, se cumpriu, bem que mal, continuando em aberto a verdadeira democratização e o pleno desenvolvimento.

O primeiro-ministro António Costa, que teve suficiente engenho e arte para pôr a Geringonça a voar qual caranguejola e fazer valer um governo excêntrico, é senhor dum estilo peculiar e dum pensamento político próprio que faz lembrar Afonso Pena, inspirador do Integralismo do também brasileiro Plínio Salgado e onde Oliveira Salazar também foi beber, mais liberdade menos liberdade, a célebre divisa Deus, Pátria, Família.

Para António Costa, Deus é a Esquerda, com todos os seus credos e seitas, a Pátria é o Partido Socialista, tout court, e a Família o Clã de que é tutor e que os melhores dicionários definem como o conjunto de famílias que pertencem à mesma tribo, ou à mesma casta, se nos valermos do hinduísmo.

Este ideário político de António Costa ganhou mais força com a recente remodelação governamental, em que o peso das famílias, dos amigos e dos amigos dos amigos no aparelho de Estado passou a ser determinante, como se os problemas do país pudessem ser resolvidos lá em casa, à hora do jantar.

Não se contesta a licitude de um ou mais governantes possuírem laços de parentesco sejam eles quais forem. Reprovável será, em qualquer caso, se for o nepotismo a determinar a nomeação para cargos governamentais. É aqui que justas interrogações se levantam porque, lamentavelmente, a governança de António Costa está recheada de amigos e correligionários cuja competência nunca antes foi posta à prova e que acabaram por fazer tristes figuras nas situações mais dramáticas.

É óbvio que ninguém é competente só porque é amigo do primeiro-ministro, que não há uma casta superior, bramânica, no partido socialista e muito menos famílias superdotadas.

Talvez o primeiro-ministro, nas actuais circunstâncias, só tenha encontrado pessoas disponíveis para integrar o governo, com plena responsabilidade, no seu círculo mais íntimo de fiéis. Preocupante, mesmo assim, será pensar que, caso Antónia Costa ganhe as próximas legislativas, com ou sem maioria absoluta, inevitavelmente irá aprofundar o lema Esquerda, Partido, Clã, com as consequências desastrosas que já se adivinham.

É por estas e por outras que o primeiro-ministro António Costa, que andou a semear ventos e ilusões, colhe agora tempestades e frustrações.

 

Este texto não se conforma com o novo Acordo Ortográfico.

Henrique Pedro