PUB.

Compostagem do bagaço de azeitona pode aliviar extractoras da região

PUB.

Ter, 11/01/2022 - 11:50


Depois de os lagares terem encerrado, no final de Dezembro, durante alguns dias por não terem capacidade de armazenar todo o bagaço de azeitona produzido, começam a ser pensadas algumas alternativas às extractoras que também não estão a conseguir transformar tanto bagaço

Nesta campanha, para além de a produção de azeitona ter sido superior à dos outros anos, os agricultores também decidiram fazer a apanha praticamente na mesma altura, o que deixou os lagares sem mãos a medir. O Ministério da Agricultura já está a tomar medidas e, segundo a directora de agricultura e pescas do Norte, uma das alternativas será a compostagem do bagaço de azeitona. “A pressão não pode ser apenas para as extractoras e temos que encontrar soluções integradas, que passem também por questões como a compostagem e outros tipos de transformação deste subproduto bagaço, quer seja na alimentação animal, quer seja como fonte calorífica. Temos aqui outras possibilidades de utilização do bagaço, que criam uma forma muito interessante de diminuir a pressão nas empresas extractoras”, disse Carla Alves. Até ao final do mês, o Ministério da Agricultura, em conjunto com o do Ambiente, vai apresentar um manual com normas relativas ao processo de compostagem e “como se pode licenciar essa compostagem”, visto que há bastantes lagares na região com terrenos que podem ser usados para o efeito. Carla Alves realçou ainda o trabalho que é feito pelas extractoras na transformação do bagaço. No entanto, considera que é necessário arranjar outras soluções, para que também estas empresas não fiquem sobrecarregadas, por não conseguirem também laborar em grandes quantidades, visto que na região há apenas três extractoras de bagaço, uma no concelho de Mirandela, outra em Valpaços e uma terceira no Pocinho. As três servem a região Norte, mas também parte da região centro. Só nesta campanha 2021/2022, na região, serão produzidas “cerca de 90 mil toneladas de azeitona”, segundo a directora da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte.

Jornalista: 
Ângela Pais