Tradições de Natal que se mantêm neste cantinho de Portugal

Qui, 28/12/2017 - 10:26


Nesta altura do ano são muitas e diversas as festas de Natal que acontecem pelas aldeias, vilas e cidades transmontanas. Em algumas aldeias, como Samil, S. Pedro dos Sarracenos, Rebordãos e Grijó a tradição conta com a Mesa de Santo Estêvão, cujo prato principal é o bacalhau cozido. Os mordomos, sempre atarefados, não têm mãos a medir na organização destas festas comunitárias, onde o reencontro entre familiares e amigos é a recompensa tão genuína, que acalenta os corações saudosos.
Como conta o tio Ramiro, no Santo Estevão, em Freixedelo, não podem faltar as sardinhas cozidas. A tradição manda que, no dia 22, os mordomos as coloquem em azeite depois de cozidas, sendo assim servidas em almoço comunitário no dia 26.
Em Parada também se festeja o Santo Estêvão. A tradição manda que os moços transportem, no carro de bois, o Gaiteiro e os mordomos em volta de toda a aldeia. Na Lombada todas as aldeias têm também uma Festa dos Rapazes que, desde o dia 22 de Dezembro até ao dia 1 de Janeiro, faz com que não haja um único dia sem festa. A abertura, no dia 22, é em Palácios, segue-se 23 e 24 em Laviados, continuando a 25 e 26 em S. Julião.
No dia 25 de Dezembro, como já é tradição, tive o prazer de ver a rapaziada de Deilão, Vila meã e S. Julião a confraternizar com os rapazes de Caravela, ao som das gaitas de foles e dos tambores. As festas continuam no dia 27 com a tradicional Calaça, em Vila Meã, em que os Meirinhos mostram estar em forma, na corrida e na cerimónia da troca de poderes. Nos dias 28 e 29 as festas têm a sua continuação em Caravela, sendo na aldeia de Babe que se encerram as festividades, nos dias 30 e 31, com a Festa dos Rapazes. É de salientar a curiosidade de que a primeira festa de 2018 também tem lugar em Babe, com a festa das raparigas no primeiro dia do ano.
No que toca à mesa de Natal, também os nossos emigrantes tentam festejar esta quadra com produtos genuínos da terra, levados por familiares, como a couve troncha, as rabas, o bacalhau e o polvo, não faltando as tradicionais rabanadas, filhós e sonhos.