Tia Silvina a ‘ministra dos aniversários’

Ter, 02/04/2019 - 10:12


Olá, como estão os leitores da página do Tio João?

Estamos no quarto mês do ano, Abril. Diziam os antigos nos seus provérbios que “em Abril, águas mil”, “Abril molhado, enche o celeiro e farta o gado”, mas atenção, porque “Inverno de Março e seca de Abril, deixam o lavrador a pedir” e “no princípio ou no fim, costuma Abril ser muito ruim”. Este ano estamos a precisar de água para a terra como de pão para a boca.

1 de Abril, dia dos enganos, é o único em que o Tio João é aldrabão. Todos os anos vamos brincando com uma mentira que mexa com a pessoas e, este ano, como fomos à viagem do pão de ló, trouxemos 100 pães de ló para as primeiras pessoas que viessem aos estúdios da Brigantia, mas estivemos sem pães de ló para dar, mesmo aos primeiros a chegar. Noutros anos, as que mais se destacaram foram a de que o programa iria acabar e o tio João iria para a televisão, ou a de que o Tio João iria ser preso por ter realizado o Piquenicão de 2004 em Alcanices (Espanha), acto que seria criminoso, devido ao ‘Acordo de Xangai’... O dia das mentiras é o único dia em que não falo na data e assim as pessoas, ao acordarem, não associam ao dia das mentiras e acreditam com muita facilidade.

Muitas tias também recordaram que, há muitos anos, era tradicional neste dia receberem e enviarem as cartas dos enganos, cartas enviadas, sem selo e sem remetente a um rapaz ou rapariga com quem se queria brincar. Para receberem as cartas tinham de pagar o selo ao carteiro no momento da entrega, coisa que quase sempre acontecia, visto que a curiosidade era muita.

Infelizmente nos últimos dias temos tido notícias de mais mortes com máquinas agrícolas. Quero chamar a atenção a todos os nossos tios agricultores que conduzir um tractor é uma grande responsabilidade e os acidentes não acontecem só aos outros. Muita atenção também às queimadas, porque há épocas em que são proibidas e em dias de vento podem acabar em tragédia.

Os incêndios já começaram na nossa região, como nos contou a tia Maria José, de Ousilhão (Vinhais). Na passada quarta-feira, à noite, as chamas puseram em perigo o seu estábulo, mas com a ajuda dos bombeiros conseguiu pôr a salvo os animais e evitar que o fogo chegasse ao estábulo, evitando assim males maiores. Foi muito emocionada que nos ligou a relatar estes sucessos.

Agora vamos falar do tema desta edição, a nossa ministra dos aniversários, a tia Silvina de Jesus, de Vila Seca de Armamar, que já há alguns anos se apresentou à família, contando-nos que cuidava dos seus pais, ambos acamados, que Deus já chamou a Si, e que era mãe de uma menina muito especial, a nossa Milú. De imediato um grupo de amigos membros da nossa família a foram visitar, verificando que a sua casa não tinha condições mínimas de habitabilidade, organizando, na altura, uma colecta com o resultado da qual se conseguiu fazer obras de melhoramento e dotar a habitação de casa-de-banho. Como prova do seu agradecimento, a tia Silvina nomeia semanalmente todos os membros da nossa família que fazem anos, daí advindo a sua nomeada de ministra dos parabéns.

A sua filha Milú, no início, só emitia sons, mas com a ajuda e o miminho da família do Tio João já fala e até canta para nós. Ambas são fãs do Roberto Leal e já tiveram a oportunidade de estar com ele em vários programa de televisão (como a foto testemunha). Uma dessas ocasiões foi através da família do Tio João, no programa Praça da Alegria, da RTP 1, onde fui entrevistado e tive a oportunidade de relatar o seu caso.

Como já dissemos, é a nossa Silvina que nos alerta para os aniversariantes semanais e na última semana, para além do aniversário da sua filha, a nossa afilhada Milú, também se lembrou das Bodas de Diamante dos culpados do meu nascimento, que completaram 60 anos de casados.

Segundo consta na Wikipedia, o popularmente designado como “bodas de” é a data jubilar em que se celebra a repetição do dia e do mês de um casamento. As origens da celebração são germânicas e remontam à idade média. Desde esta altura até finais do século XIX eram celebrados apenas os dois primeiros quartos de século, ou seja, os 25 e 50 anos, as Bodas de Prata e de Ouro. Mais tarde adicionou-se o quarto de século seguinte, as Bodas de Diamante, aos 75 anos. Nos anos 20 do século XX passaram a celebrar-se também o primeiro, quinto, décimo, décimo-quinto e vigésimo aniversários. Em altura indeterminada, provavelmente porque poucos celebravam as Bodas de Diamante, estas passaram a ser comemoradas aos 60 anos de matrimónio, em vez de serem aos 75.

Não são todos os filhos que se podem orgulhar de dizer que os pais estão casados há 60 anos. Quem, no mesmo dia 29 de Março, festejou 52 anos de casamento foram o tio Manuel e a tia Graça, de Rebordelo (Vinhais) e o tio Carlos Pires e a tia Irene Pires, de Mirandela também festejaram 33. Aos três casais desejamos que o pão da boda continue a durar.

Na semana passada estiveram de parabéns, festejando um século de vida, a avó Amélia Lage (100), de Vilarandelo (Valpaços); a nossa afilhada Milú (39), de Vila Seca de Armamar; o Telmo (52), de Samil (Bragança); o Telmo Fernandes (47), de Alfaião (Bragança); o tio Baptista (80), de Figueira (Mogadouro); também o nosso tio Horácio Vaz, de Rio Torto (Valpaços), festejou os 75 anos, ele que é um dos grandes impulsionadores da família, no que toca a cantigas, músicas e versos. A todos desejamos muita saúde e paz, que o resto a gente faz.