PUB.

Vendavais - A Escola do desespero

A escola começou por ser um espaço onde alguém ensinava os que queriam aprender e não eram muitos nesse tempo. Desde que a História se iniciou e ela começou precisamente quando se inventou a escrita, logo se equacionou a possibilidade e a necessidade de ensinar outros para que perpetuasse o conhecimento e se transmitisse o saber. Surgiu um espaço adequado a essa nobre missão e um professor para ensinar os que deviam aprender o essencial para mais tarde poder transmitir toda a aprendizagem.
Na Grécia antiga a importância da educação da juventude foi levada ao extremo. O homem tinha de ser perfeito e isso incluía não só os escalões de aprendizagem como também a educação do próprio físico. Foi aqui que nasceu o Liceu, a escola a que nos habituámos a frequentar até há 40 anos atrás. O 25 de abril trouxe as escolas secundárias e com elas novos currículos e novas regras para a educação. Mas nem tudo correu bem.
A escola deve continuar a ser um espaço de aprendizagem onde os alunos se sintam bem, onde os professores possam desempenhar o seu papel com satisfação e onde todo o pessoal sinta que todo o espaço lhes pertence. A escola não pode ser uma prisão para os alunos. Eles querem ser livres dentro desse espaço e sentir-se bem, tão bem que lhes apeteça ir para lá e aprender alegremente o que os professores lhes transmitem.
Há 32 ou 33 anos a Escola Secundária de Vinhais foi inaugurada e eu prezo-me de ter pertencido ao grupo de professores que a inaugurou. Uma família de nome da vila, cedeu um espaço enorme para que fosse possível construir uma escola nova. Fez-se. Era um espaço agradável, não só porque era novo, mas porque tinha uma envolvência maravilhosa que permitia aos alunos, professores e funcionários, uma possibilidade extraordinária de movimentação e uma imensa capacidade de aproveitamento desse mesmo espaço total. Por lá andavam cerca de mil alunos nessa altura.
Hoje os tempos mudaram é verdade. Os alunos hoje são metade dos de antigamente, mas amanhã poderão ser mais. Essa não pode ser a razão para desistir desta escola, plena de potencialidades. Passados trinta anos a escola necessita de melhoramentos. É normal. Outras já foram melhoradas pela Parque Escolar e outras estão neste momento a ser melhoradas. A escola de Vinhais deveria estar nesse lote, mas não. A única razão para não estar parece prender-se com o facto de a Câmara Municipal fazer pressão para se construir outra nova em terreno adquirido para o efeito há algum tempo. Uma questão de terreno! O projeto foi apresentado há dois anos e foi rejeitado liminarmente pelos professores, que são os únicos a saber o que é necessário para que uma escola possa funcionar em condições. Ninguém os quis ouvir. O Ministério ficou na dúvida sobre o que fazer e retardou o processo, não se sabe se por falta de dinheiro, se mesmo por indecisão. Afinal são mais de 3 milhões!
Um projeto de escola que não tem espaço onde os alunos possam brincar, correr, saltar, um recreio digno onde extravasem o seu stress diário e dêem liberdade às suas tropelias, uma escola onde esse recreio está situado num terraço de primeiro andar, perigoso só por isso, restrito também por isso mesmo, uma escola que não tem um polivalente para o exercício de atividades desportivas e físicas, uma escola com muito menos salas do que a atual, não pode ser uma solução digna nos tempos que correm. O dinheiro para a sua construção é muito mais do que o necessário para remodelar e actualizar a escola secundária atual e até fazer mesmo mais um bloco de aulas e laboratórios, estes sim mais necessários do que tudo. A exemplo de outras remodelações modernas, a Escola Secundária de Vinhais, deveria ser urgentemente objeto prioritário para bem dos alunos, da comunidade local, dos professores e de todos os vindouros. Minimizar uma realidade como a que temos é prejudicar toda uma rede de dependências sociais e apoucar verdadeiramente a vila de Vinhais. Não se podem servir outros interesses que não sejam os que estão realmente ligados à educação. Espero que os vinhaenses não se deixem levar no canto da sereia e vão atrás de uma escola nova que não servirá os desígnios futuros do concelho e dos alunos que vão chegar. O desespero é enorme, não só por parte do Município, como dos alunos, dos professores e de alguma forma do Ministério da Educação que não tem dinheiro para estes devaneios. Haja a hombridade para os alertar de que a remodelação da Escola Secundária é imprescindível e urgente, mas que não se metam em aventuras minimalistas. A comunidade escolar e não só, tem essa obrigação. Até porque se acontecer desactivar a Escola atual e os donos do terreno exigirem que o mesmo seja limpo, terão de deitar abaixo todos os edifícios escolares e o dinheiro sai dos cofres do Estado e não vai ser pouco. Deixem-se de aventuras. Quem está habituado a comer em prato de louça, por que razão vai ter de comer em prato de barro?

Luís Ferreira