PUB.

A peste

PUB.

O vírus veio expor muitas das nossas fragilidades individuais e coletivas. Aquela de adquirir papel higiénico à doida não se percebe bem, parece até piada. Ir gozar a praia, a passeata ou a esplanada em grupo depois de se ter declarado o alerta diz muito da nossa indisciplina. Desobedecer à indicação de permanecer em casa mostra que os media nos informam, sim, embora também nos tirem sensibilidade, como se tudo o que vemos e ouvimos fosse mais ou menos uma fita de que nem sempre queremos ver-nos como atores. Mas nada disto é apenas negativo, o que se está a passar também pode fazer-nos refletir em coisas a que não dávamos importância, começando logo por essa pequena maravilha que é sair à rua em segurança, dar umas voltas, encontrar pessoas, sorrir, tocar, abraçar, rir, tagarelar.

Pode ser que as ideias de pânico e açambarcamento, mostrando uma pontinha de selva e caos, não nos animem por aí além e sintamos de repente que a ordem em que vivemos está minada por desordem, que a desorganização espreita a toda a hora por cima de tudo o que é organizado, que nada em nenhum momento escapa à incerteza que há no mundo. Mas a partir daí temos mais hipóteses de acarinhar a ordem e a organização, por muitos defeitos que no dia a dia encontremos nelas. De olhar com olhos de ver para esta coisa banal, mas preciosa, que diariamente se constrói com o esforço de toda a gente e se chama sociedade. Nesta altura de fechamento tanto podemos fugir a sete pés de quem se chega a nós como a seguir entender que tudo o que fazemos tem impacto nas pessoas e nos liga a elas, que o egoísmo vive da cooperação sem nunca a poder eliminar e os dois estão tão entrelaçados que é impossível determinar onde começa um e acaba o outro.

É bem provável que hoje a palavra solidariedade nos revele o seu significado essencial – compaixão pelos semelhantes por nos sentirmos tão solitários, desprotegidos e abandonados como eles sobre esta minúscula nave que nos serve de casa enquanto vagueia pelo espaço infinito sem que ninguém saiba porquê exatamente. Talvez compreendamos melhor que isto da condição humana se aplica a todos, sem exceção alguma, por muitas diferenças e divisões que nos apartem. Uma condição que nos torna, neste caso sim, verdadeiramente iguais na incerteza, na angústia, no medo de morrer, mas nos pode também levar a valorizar menos o que não temos e mais o que temos, menos o que nos desagrada e mais a beleza das coisas à nossa volta.

Com a normalidade entre parenteses e as interações habituais de pernas para o ar, as relações ressentem-se, e muito. Mas no plano pessoal a perturbação pode não ser menor. Esta epidemia mostrou uma capacidade extraordinária de suspender a lufa-lufa quotidiana, de nos fazer parar. Para lá da utilidade que possam ter, as ocupações mantêm-nos entretidos: trabalhos, canseiras, dificuldades, inquietações, aflições, arrelias, conflitos, lutas, ódios, guerras, distraem-nos das dúvidas que sempre moram por detrás do que aparentemente somos, do que nos esforçamos por ser. A atividade é um escudo que nos protege ao pôr em stand by questões que todos nos colocamos mais ou menos conscientemente, mas tendemos a afastar – quem sou eu, de onde venho, para onde vou, o que ando a fazer aqui, o que é que tudo isto significa, qual é o propósito de viver, etc.

Subitamente, com tempo de sobra para matutar, existe o real perigo de não conseguirmos escapar a essas dúvidas prepotentes a que, no entanto, sabemos ser difícil ou impossível responder. Sem os brinquedos, os jogos, as competições que nos costumam distrair e fazer mexer, pode vir ao de cima apenas a realidade nua das nossas existências, o nosso papel nelas, a sua razão de ser, o sentido de tudo o que somos e fazemos. De um momento para o outro esta espécie de estado de sítio ameaça colocar-nos um espelho à frente, de alto a baixo, onde cada um se veja refletido diante de si próprio, a existir apenas consigo, sem bengalas, e isso incomode mais do que outra coisa qualquer. Subitamente sem rotinas, sem algo a que nos agarrarmos, podemos dar connosco pendurados no vazio sem uma rede que nos apare a queda e sentir-nos ansiosos, desorientados. Mas sendo um grande desafio do momento, não tem que ser necessariamente mau, talvez abra portas para conhecer e acarinhar a nossa parte espiritual, geralmente tão ignorada, tão miserável.

Eduardo Pires