PUB.

Alegadamente

PUB.

De agora em diante, até acabarem de ler, p r e p a r e m - s e para o uso do advérbio "alegadamente". De acordo com o dicionário online Priberam (meu fiel amigo há alguns anos),"De maneira que carece de comprovação ou confirmação". A verdade é que estamos habituados a ouvir ou ler "alegadamente " nas notícias no bloco dos casos de polícia, nos tribunais e pouco mais. Quase nada parece ser passível de precisar de comprovação ou de confirmação. Alegadamente, as pessoas casam porque gostam uma da outra. Gostam, não! Costumam usar aquele verbo que expressa afeição, mas a um nível transcendente - amar. Amam-se, então. Essa devia ser a prova - casam-se porque se amam. Muitas destas pessoas escolheram entrar de mãos dadas no copo d'água ao som de "Just give me a reason", da Pink com o Nate Ruess. O que devia deixar logo uma pulga muito inquieta atrás da orelha. Ou lembra a importância de ver a tradução das letras. Ou então, não, e era mesmo assim. Alegadamente, o matrimónio é contraído de livre e espontânea vontade. Até perguntam isso mesmo nas cerimónias religiosas. Ouvi certa vez num espectáculo humorístico que, além de doenças, o casamento é a única coisa que se contrai. Isso ou dívidas ou empréstimos. E nada disto é muito bom. Alegadamente, os casamentos devem ser cedo. Concordo que deve ser com imensa felicidade que se acorda às 5h da manhã para "o dia mais feliz das nossas vidas". Eu, levantada a essa hora, nem sei dizer o meu nome. Mas também dizer "sim" parece mais fácil do que dizer "Tânia". Então, penso que seja exequível. Alegadamente, o dia do enlace passa muito rápido e os noivos nem conseguem aproveitar. Isto não funciona assim da óptica do convidado. Espera-se horas para haver alguma coisa de comer, entre cerimónias e viagens. Quando há finalmente algo para morfar, estamos roxos de fome e comemos como alarves. Meia horita e estamos redondos. Depois, entramos no horror infindável que vai desde as entradas até à continuação da comida. São horas em que devíamos estar a degustar os alimentos (deve ser essa a lógica, para nos entreter enquanto há uma sessão fotográfica em paralelo) que aspirámos em quantidades industriais em tempo recorde. Por isso é que as pessoas se alcoolizam. Não é só alegria de celebrar o amor alheio. É tédio. Alegadamente, há sempre um pedido de casamento fora da caixa e romântico. Isto acontece porque se encontrou a alma gémea. E, como todos sabemos, quando isso acontece não convém perder muito tempo até lhe meter uma argola de um metal precioso pelo dedo anelar abaixo. Há esse desejo incontrolável. Curiosamente, mais vezes ouvi a justificação do "porque está na hora", "porque ele/ela quer", "a mim tanto me dá, ter papel ou não". E somos arrastados para estas comemorações cheias de logística. Para sermos testemunhas de todo este amor orgânico. Alegadamente, há pessoas que se amam a vida toda. Algumas amam-se uma vida inteira nem nunca casar. Algumas amam uma pessoa mas casam com uma terceira. Algumas vêem o amor da sua vida casar com outro marmelo e ficam tão tristes que ficam sozinhas o resto da vida. Alegadamente, o amor é a melhor coisa do mundo. Isso e as crianças. As crianças são feitas, muitas vezes, porque há amor. Ou transformam o amor. Enfim, alegadamente, não podemos viver a vida toda sem dizer "sim" ao amor. Por mais esquisito que isso seja.

Tânia Rei