Notícias Região

O prazo para regularizar a documentação das armas de fogo não manifestadas foi alargado até 23 de Junho.
Nos últimos 60 anos, a região transmontana perdeu cerca de metade da população e o envelhecimento tem-se acentuado. Nas aldeias, os habitantes mais novos têm por vezes mais de 50 anos e a tendência dos territórios deprimidos demograficamente pode demorar mais de quatro décadas a ser contrariada
A cultura tem vindo a atravessar uma das fases mais complicadas do sector. A pandemia veio levantar o véu e mostrar o quão frágil é este sector
Adelia Clavien nasceu em Mirandela, em 1962. É pintora, fotógrafa e um sem fim de outras coisas. A viver na Suíça desde os 18 anos, a mirandelense assume-se uma verdadeira curiosa e é a vontade de aprender que a têm ajudado a seguir caminhos, talvez, nunca planeados
No âmbito do projeto conjunto de Internacionalização Export PT. P – Pure Transmontan’s Products, que visa capacitar e apoiar as empresas do setor agroalimentar no seu processo de internacionalização, o NERBA promoveu a realização de uma missão inversa em modo virtual.
Os caçadores estão preocupados com um edital do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) que permite a correcção extraordinária de densidade de javalis
Em entrevista ao Jornal Nordeste, dois sociólogos e um psiquiatra da região, disseram considerar que, depois da desorientação, as pessoas devem retomar a vida normal. Ainda assim, no pós pandemia poderemos assistir a novas rotinas, sendo que o digital se vai impôr ainda mais.
Crianças e jovens têm manifestado ansiedade devido à alteração de rotinas e com ensino à distância. Os agrupamentos de escolas mantiveram acompanhamento psicológico à distância
Telmo Garcia tem 47 anos e foi com pouco mais de 30 que ajudou a noite de Bragança a ganhar outra vida. O empresário nasceu em Angola, mas diz-se um “filho” da capital de distrito, já que para ela se mudou ainda em “miúdo”. Através do que viu e conheceu em algumas viagens e até mesmo durante a vida académica, no Porto, decidiu dar um contributo a Bragança. Percebendo que a cidade tinha “potencial” para ter uma “casa a sério”, arregaçou as mangas, uns anos após se formar, e abriu portas ao mítico Mercado Club, o primeiro projecto.