Não há festa como a nossa!

Ter, 19/06/2018 - 10:49


Olá familiazinha!

É bom ouvir a expressão “Nunca falhei a nenhum, Tio João! Deus tem-me ajudado e tenho vindo a todos!”. Claro que a lista daqueles que foram a todos os Piquenicões é reduzida, visto que o primeiro se realizou no dia 16 de Setembro de 1990 e desde então para cá, muitos foram os que nos deixaram.

O Verão já chegou, embora só entre oficialmente no próximo dia 21. O nosso pessoal da agricultura diz-nos

que anda como os barbeiros a cortar as ervas à terra. Também os nossos tios pastores nos contam que o feno está todo ‘encostado’, porque já estava pronto e com as últimas chuvadas tombou.

Quem está a viver dias difíceis é a nossa ministra da saúde, a tia Maria da Perna Gorda, de Castelãos (Macedo de Cavaleiros), a grande mulher que visita todos os doentes da família no Hospital de Macedo de Cavaleiros e que confidenciou à nossa família que o seu esposo, o tio Francisco, tem um problema na garganta e depois de ter sido operado fala por um aparelho. Muitos foram os incentivos de ânimo dos ouvintes do programa

para com a nossa tia Maria, que precisa da nossa amizade.

Na última semana festejaram a vida com a família a Filomena dos Anjos (70), de Vila Nova (Bragança); Cristina (37), de Izeda (Bragança); Antónia (79), de Duas Igrejas (Miranda do Douro); Susana (56), de Coelhoso (Bragança); Pedro Marques (16), da Paradinha Nova (Bragança); Diogo Miguel (16), dos Possacos (Valpaços); Irene Castro (26), de Sendim (Miranda do Douro); António João (56) e o seu irmão, Júlio Dinis (58) de Samil (Bragança); Tio Carmim (67), de Estorãos (Valpaços), que festejou o seu aniversário no Piquenicão e, por fim, a ministra da oração, a tia Áurea (76), da Especiosa (Miranda do Douro), com a particularidade de ter vivido o seu aniversário rezando-nos as orações da manhã e logo depois ouvindo as suas amigas mirandesas felicitá-la através da rádio. Nesse programa tivemos 20 participações femininas e só 6 masculinas.

Agora deixo-vos com um cheirinho daquilo que foi mais um Piquenicão da Família do Tio João, a festa por excelência do nosso povo.

 

A nossa fábrica de fazer amigos esteve montada em Vilas Boas (Vila Flor), no Santuário de N.ª Sr.ª da Assunção, no passado Domingo. Dos 29 Piquenicões, 19 foram feitos no distrito de Bragança:

Alfândega da Fé, Bragança na N.ª Sr.ª da Hera – Cova de Lua, S. Jorge – Vila Nova, N.ª Sr.ª do Aviso – Serapicos, Santo António – Coelhoso; Carrazeda de Ansiães em Fonte Longa; Macedo de Cavaleiros no Santo Ambrósio – Vale da Porca (duas vezes) e N.ª Sr.ª do Campo – Lamas; Miranda do Douro N.ª Sr.ª do Naso – Póvoa (duas vezes) e Sendim; Mirandela em Torre de Dona Chama; Mogadouro no Santo Amaro – Sanhoane; Torre de Moncorvo na N.ª Sr.ª do Amparo – Felgar; Vila Flor em N.ª Sr.ª da Assunção – Vilas Boas (duas vezes); Vimioso no Pavilhão Multiusos e no S. Bartolomeu – Argozelo.

No distrito de Vila Real realizaram-se 7 Piquenicões: em Murça, no santuário de Santa Isabel de Jou e na própria vila; em Sabrosa, no Santuário da Sr.ª da Saúde – Saudel; em Chaves, no S. Caetano – Couto de Ervededo; em Valpaços, no Santuário da Sr.ª da Saúde (duas vezes) e em Alijó, no Santuário da Sr.ª da Boa Morte – Cal de Bois.

No distrito de Viseu, no Santuário de Santa Eufémia – Vila de Penedono e em Espanha, duas vezes em Alcañices.

Não há festa como a nossa porque as pessoas não vão pelos artistas de renome mas sim para conhecer as caras das vozes do programa de rádio e para rever amigos antigos porque têm a oportunidade de se encontrar nestes convívios. Somos a família dos beijinhos e dos abraços, demonstrando assim a amizade verdadeira.

Esteve um dia muito quente, com as temperatura a atingiram mais de 35º, mas não conseguiram superar o grande calor humano vivido.

Quero realçar a presença do presidente da Câmara Municipal de Vila Flor, eng. Fernando Barros, que nos acompanhou desde o início até ao fim do Piquenicão. Às 16:00 horas da tarde fez o discurso de boas vindas e também de apresentação do seu concelho, Vila Flor.

Este Piquenicão também foi acompanhado através da rádio e internet por todos aqueles que, não podendo estar presentes, viveram a festa como se estivessem lá.

Onde será o próximo, o dos 30 anos da nossa família?