Há vidas que bem contadas fazem tremer calçadas

Ter, 27/02/2018 - 11:44


Olá familiazinha!
Como é tão pequeno, já está a acabar. Estou a falar-vos do mês de Fevereiro, que tem sido muito participativo no nosso programa de rádio, porque os temas que temos abordado puxam pela língua ao nosso povo, com uma média de 27 participações diárias. Também tivemos 30 novas matrículas na universidade da vida. Recordámos muito o tempo antigo, quando as pessoas viviam com mais dificuldades do que agora, mas eram muito mais felizes e havia mais respeito.
Na última semana falaram connosco pessoas de 24 aldeias onde já não há nenhuma criação de gado bovino. O tio José Luís, de Azinhoso (Mogadouro), ensinou-nos que antigamente os 7 domingos da Quaresma tinham todos nomes: “O primeiro é Ana, o segundo Magana, o terceiro Rebeca, o quarto Susana, o quinto Lázaro, o sexto Ramos e ao sétimo na Páscoa estamos”.
Tivemos mais uma perda na família, desta vez foi a tia Emerência, do Castedo (Torre de Moncorvo), que faleceu no dia 20, terça-feira, com 93 anos e prestes a fazer 94. Já que lhe festejámos a vida vários anos, também agora lhe choramos a morte. Paz à sua alma e que tantos anjinhos a acompanhem como em festas participou, sendo sempre das primeiras a chegar.
De parabéns estiveram a tia Teresa, de Cal de Bois (Alijó), a tia Irene, de Samil (Bragança), o tio António Canucho, de S. Julião (Bragança), que completaram 78 anos. O tio Arnaldo (92), de Deimãos (Valpaços), o tio António Xavier (70), de Coelhoso (Bragança), o tio Ramiro (63), de Freixedelo (Bragança), a tia Maria José (50), de Sacoias (Bragança), o tio Carlos Pinto (42), de Tabuaço e o Tio Carlos (65), de Alvarelhos (Valpaços). Parabéns a todos e que para o ano constem outra vez desta página.
Agora vamos conhecer a história de uma vida que bem contada, faz tremer uma calçada e, segundo o protagonista, “ainda deixou a missa a metade”.

Desde que me lembro de ser gente que conheço o Manuel Carneiro, do café Chave d’Ouro, onde trabalhou durante muitos anos e foi também cobrador das quotas dos Bombeiros Voluntários de Bragança. Depois de se reformar passou a ser cobrador das quotas do Grupo Desportivo de Bragança. Sei que já há muitos anos é ouvinte no nosso programa, mas só do passado sábado ganhou coragem e nos telefonou para abrir o livro da sua vida.
Nasceu em Tinhela de Baixo, concelho de Vila Pouca de Aguiar e lá viveu até aos 12 anos, altura em que foi trabalhar para o Porto, onde viveu até 1968, quando foi cumprir o serviço militar, durante 37 meses. Actualmente está a caminho dos 71 anos de idade, casou em 1973 e tem quantro filhos, dois rapazes e duas raparigas, que lhe deram seis netos. A ninguém passaria pela ideia a vida difícil que esta figura pública da cidade de Bragança passou, pois comeu “o pão que o Diabo amassou”, como ele vai contar, na primeira pessoa:
“Eu liguei-lhe só para lhe dizer que sou do tempo da fome. Sou do tempo da fome e muita fome. Fui criado sem pai desde a idade de oito anos. Antes do falecimento, os meus pais estavam a cultivar um casal e não faltava nada. Depois da sua morte, viemos para nossa casa e eu andava na escola, na neve, na chuva, a descascar os ouriços descalço, comia as cascas das laranjas, ia ao caixote saber de uma côdea e não havia, vinha da escola cheio de fome e voltava na mesma. Nas férias andava a guardar as vacas aos lavradores e davam-me um bocado daquele toucinho branco com um bocado de broa e quando chegava ao cabo da casa já não tinha nada que comer. Andava lá com as vacas no monte, quando tinha fome ia beber água ao rio. Às vezes iam à feira lá de Vila Pouca, que eu sou daquela zona, e levavam um bocado de pão de casa e quando chegavam diziam que era pão da feira.
Quando fui fazer a 4.ª classe a minha mãe pediu uma sapatilhas emprestadas para eu levar e não ir descalço.
Uma tia minha tinha um porco da coberta, iam lá as porcas a serem cobertas. Eu ia a casa dessa tia a comer batatas daquelas pequeninas, tirava-lhe a casca, punha no saleiro e comia assim. Naquela altura nós não vínhamos para a rua, porque ao tocar as trindades já ninguém saía para a rua, só aqueles que já era maiores é que iam para a taberna e se algum dos mais pequenos apareciam por lá, agarravam dois, um de cada lado e batiam com o cú um no outro, davam-lhe duas bofetadas e mandavam-nos para casa. Agora não há respeito nem há nada.
Também não havia incêndios como há agora, porque nós íamos para a floresta cortar aquele mato todo para deitar na corte das vacas e nos quinteiros. Havia cantoneiros que andavam a limpar as estradas. Agora, guardas florestais não há, porque acabaram com eles, os cantoneiros acabaram com eles, por isso é que há estes incêndios todos.
E isto não é nada. Saí de minha casa com doze anos e até hoje nunca ninguém me botou a mão a nada. Como vê, cá estamos, criei quatro filhos como quatro estrelas, sempre bem comportados, nunca saíram fora da regra. No meu tempo de escola, uma vez levei lá uma porrada que parecia que vinha de farelo, ao chegar a casa a chorar diz uma minha tia para a minha mãe:
— Então não vais à escola saber porque é que lhe bateu ao rapaz assim desta maneira? – e responde a minha mãe:
— Se lhe bateu é porque ainda precisava de outras!...
Em 1968 fui para a tropa. Na altura estava aqui um falecido irmão meu que era padeiro civil na tropa e eu vim para aqui, depois fui para a Pousada de S. Bartolomeu, a seguir estive no Restaurante Poças durante 10 anos e por fim vim para o Chave D’Ouro, onde me mantive durante 23 anos, até à minha reforma, local onde fiz muitos amigos.”