Almoção de Natal da Família do Tio João - Uma árvore por cada almoço...

Ter, 12/12/2017 - 11:22


Olá familiazinha!
Além do temporal que se fez sentir por toda a região, houve outro de carinhos, afectos e amor, causado pela nossa grande família, que fez Natal no passado domingo, mais um ano em Folgosinho, no tio Albertino,
contribuindo com 450 árvores, tantas quanta a gente que
participou no almoço, que irão ser plantadas naquela região tão fustigada pelo incêndio do dia 15 de Outubro.
O tio Albertino contou-nos, na primeira pessoa, que na madrugada do fatídico dia 15 de Outubro, quando tudo ardia em redor, agarrou-se aos filhos com estas palavras: “- Perdemos tudo, mas graças a Deus estamos vivos”. Embora a paisagem naquela zona esteja completamente queimada, as obras de recuperação do armazém do tio Albertino já estão praticamente prontas.
Na semana passada fizeram anos a Maria Estrela, da Amoinha Velha (Chaves), que completou 81, o David Farroquinho, de Coelhoso, a viver em França, fez 15 anos, a tia Conceição, Boticas (Chaves), festejou 34, o António Manuel, de Barreiros (Valpaços), fez 42 e o Francisco Gomes, de Agrochão (Vinhais), atingiu o meio século. Que todos continuem a festejar a vida na nossa companhia.
Agora vamos ao almoção de Natal da Família do Tio João.

A nossa família faz Natal todos os dias. Se Natal é reunião de família a nossa está sempre reunida.
Se Natal é ajudar o próximo, a família tem sempre uma palavra amiga e está sempre pronta para ajudar os que mais precisam e por isso ajudámos o tio Albertino, com a nossa presença, este ano com sete autocarros: dois de Bragança, um de gentes de Murça e Valpaços, organizado pelo nosso tio Manuel da Torrié; Vinhais foi a região que teve a maior representação este ano, com um autocarro e três carrinhas-taxi, o que totalizou cerca de noventa pessoas, chefiadas pelo tio Alcino, de Vinhais e pela tia Rosalina, de Rebordelo. Tivemos também, como sempre, a presença amiga dos tabuacenses, liderados pelo tio Carlos Pinto e a tia Fernandinha que, embora muitos já não nos ouçam, marcam sempre a sua presença. Da região de Miranda do Douro, Mogadouro e Torre de Moncorvo o tio Daniel Tavares, “o rei do bacalhau”, é que organizou a excursão. Juntou-se também a nós um autocarro com tios e tias de algumas localidades de Macedo de Cavaleiros e Mirandela.
Às 11 da manhã foi a Santa Missa, oferecida pela alma de todos os que faleceram este ano. O almoço começou às 12h30m, na quinta do tio Albertino, para cerca de 450 convivas e constou de entradas diversas, não faltando o famoso queijo da serra, os enchidos e tantas outras coisas, seguindo-se o arroz de cabidela de coelho, feijoada de javali, vitela estufada com arroz, leitão assado à moda do Albertino e cabrito da serra. As sobremesas, arroz doce, leite creme, requeijão com doce de abóbora e fruta fizeram as delícias de muitos. As pessoas aproveitam para melhor se conhecerem e confraternizar, matando saudades das amizades já feitas. Rematou-se a festa com um grande bolo, sempe diferente e original, acompanhado de champanhe. De destacar a presença de dois casais que vieram de propósito, um de Colónia (Alemanha), o Jorge e a Maria Rodrigues e outro de Paris, a famosa Irene Farroquinha e o seu marido Alfredo, que mais uma vez prova que quem corre por gosto não cansa.
Um bem-haja a todos e para o ano contamos outra vez com a vossa presença, para continuarmos a fazer Natal.
Para terminar vamos fazer referência à tradição da festa da Santa Luzia, que se realiza amanhã, dia 13, em Vila Real e que consiste em as raparigas darem o ‘pito’ aos rapazes, para depois, no dia de S. Braz (3 de Fevereiro) os rapazes oferecerem a ‘gancha’ às raparigas. Para quem não sabe, o ‘pito’ é um bolo típico em forma de guardanapo com recheio de chila ou doce de abóbora e a ‘gancha’ é um rebuçado como o famoso da Régua mas em forma de gancho.
Para a semana vou falar-vos da minha participação na Radioversidade, do Instituto Universitário da Maia.