PUB.

Vendavais - Uma punhalada nas costas

Como tudo o que acontece na vida, há momentos elevados e dignos de menção e outros que são mesmo para esquecer. Na perspicácia analítica de cada um pode-se salientar o bom e o mau de tudo quanto se faz ou de quem faz. E como diz o povo, é mais difícil subir do que descer.

Exemplos, temos às dezenas e quando pensamos que se vão esfumando por entre as cogitações mundanas, eis que surgem de novo para acicatar a perspicácia de quem se sente atingido. Ou não! A verdade é que é vulgar dizer-se que somos apunhalados pelas costas por quem se diz mais amigo e isto acontece frequentemente e quando menos se espera. 

Quando Passos Coelho ganhou as eleições e se guindou a primeiro-ministro, todos diziam e afirmavam que o deveu a Miguel Relvas. Nunca foi desmentida esta influência dentro do PSD e de tal modo que o número dois de Passos Coelho era efetivamente Miguel Relvas, de tal modo que Passos parecia uma autêntica marioneta nas mãos de Relvas. Chegou uma altura em que o partido se sentiu muito incomodado com essa influência e criticou mesmo Passos Coelho de se deixar manipular tanto.

O problema que surgiu com a falsa licenciatura de Relvas e que levou ao seu afastamento do governo e até do partido, marcou o divórcio entre os dois grandes amigos. Relvas saiu, afastou-se da política direta e foi para o Brasil. País que parece predestinado a receber os políticos portugueses e não só. Parecia que Passos Coelho ficava órfão do amigo íntimo e meio desorientado e não era mentira. Muito se disse então e muito se viu depois. Facto é a perda de maioria que lhe permitisse novamente assumir o governo. E nessa altura alguém culpou Relvas por razões diversas. Ou porque fez o que não devia e deu mau nome ao partido, ou porque sem ele o partido e Passos Coelho não conseguiram renovar o mandato governativo. Ficou marcado.

Agora, e quando Passos Coelho continua a sua senda de ex-primeiro-ministro, muito à deriva e sem rumo certo por este Portugal de geringonça, o amigo Relvas vem apunhalá-lo quando menos se esperava. Do Brasil mandou recados ao partido e vem propor uma nova forma de eleição dentro do partido, imitando as diretas do partido socialista, numa alusão lógica ao modo como foi afastado José Seguro. Pois deste modo, Passos seria afastado dando lugar a nova figura de proa. Resta saber quem.

Como a amizade entre Relvas e Coelho está fortemente beliscada e não é seguramente com Passos que Relvas volta à política, é necessário arranjar outro escadote que lhe permita subir e abrir uma porta nesse setor, o mais depressa possível. Face a algumas alusões do próprio Relvas, podemos concluir que tanto Montenegro como Rui Rio seriam hipóteses sérias e ganhadoras e que afastariam definitivamente Passos Coelho da liderança do partido. Facada mais certeira ele não poderia inventar. Resta saber se Passos estaria à espera dela ou não, mas quem tem amigos destes, não precisa de inimigos.

Mas Relvas vai mais longe ao não concordar com a escolha de Teresa Leal Coelho como candidata à Câmara de Lisboa, indo de encontro a muitos notáveis do PSD a esse respeito, o que vale dizer contra Passos Coelho já que a escolha foi imposição sua e não do partido. Relvas tem muitos contactos dentro do partido e domina ainda um setor bastante alargado no aparelho o que lhe permite recolher muitos apoios que decerto poderão desmontar o que o seu ex-amigo Coelho anda a tramar. A verdade é que este sai muito beliscado de tudo isto. Parece que as asneiras não são só do outro lado do Atlântico! De facto seria muito mais apoiado e tiraria mais proventos políticos se tivesse optado por apoiar Cristas na candidatura contra Medina, mantendo uma união lógica e possivelmente muito mais ganhadora. Enfim!

Mas Relvas está à espera. E a derrota em Lisboa, deve ser, segundo ele, o passaporte para Passos Coelho abandonar definitivamente o partido. E segundo outros, já vai tarde, pois com alguma demora, desfaz o partido por inteiro! As punhaladas sucedem-se. Cuidado.

Luís Ferreira