PUB.

Apita o comboio, lá vai a apitar…

Não são os toques de buzina do barco nem os apitos do comboio do Tua que incomodam os transmontanos. É o ruído ensurdecedor da notícia de que já não arrancam no presente ano como fora prometido, havendo mesmo receios de que tal possa não acontecer nos tempos mais próximos.

Jornais e rádios regionais deram o devido ênfase a tão frustrante notícia cujo eco ressoou por montes e vales e principalmente nos corações mirandelenses. As redes sociais regurgitaram de comentários sarcásticos e as conversas, públicas e privadas, carregados de azedume e ironia, foram mais que muitas. O caso não é para menos porquanto, quando já se esperavam turistas a rodos, um rio de desilusão tomou o seu lugar.

Pedro Marques, então ministro do Planeamento, veio a Vila Flor e Mirandela abrilhantar, agora melhor se vê com propósitos meramente eleitoralistas, a assinatura dos papéis relativos a tão prometedor empreendimento, que era suposto garantir a tradicional mobilidade das populações por via ferroviária e abrir portas ao desenvolvimento regional, como nunca se vira, pela via do turismo.

O mais certo é o ministro Pedro Marques ter deixado, por esquecimento ou premeditada intenção, alguns papéis por assinar talvez para que também o primeiro-ministro António Costa, ou alguém por ele, tenha o ensejo de vir pôr o preto no branco, ou novamente no cinzento, com igual pompa e circunstância, agora em vésperas das eleições legislativas.

O carinho que António Costa diz votar ao Interior em geral e a Trás-os-Montes em especial é, de facto enternecedor. Dir-se-ia mesmo, uma verdadeira canção de embalar.

O problema, porém, não se confina ao enguiçado Vale do Tua. Tem dimensão regional e ganha agora acrescida relevância histórica porquanto tem a ver já não apenas com o ermamento crónico das Terras de Trás-os-Montes cada vez mais despovoadas, mas com a desertificação real que começa a ganhar foros de aflição.

Confirma-o a Associação Natureza Portugal, representante do Fundo Mundial para a Natureza que recentemente alertou políticos, empresas e cidadãos para o facto provado de que Portugal já está “a viver além da água que tem”.

No caso particular de Trás-os-Montes, a águas dos seus rios, que durante milénios correram livremente para o mar apenas condicionadas por moinhos e azenhas e pela rega, à míngua, de hortas e pomares, inunda agora cofres chineses com os lucros da energia com ela produzida, depois que foi aprisionada pelas barragens da EDP. Fala-se até que, a prazo, projectarão vender a litro este recurso fundamental, também àqueles que sempre dela usufruíram livremente, pese embora os perigos de desertificação serem agora reais.

Talvez este governo mágico e os que se lhe seguirem, pensem colocar beduínos e camelos a deambular, pachorrentos, nas areias nordestinas e hipopótamos e crocodilos nas albufeiras remanescentes, à laia de chamarizes turísticos.

Ironia à parte, urge proteger, armazenar e distribuir as águas transmontanas de forma mais ampla, eficaz e justa, sem esquecer que pertencem, prioritariamente, às populações residentes.

Que as sacholadas do passado penoso não dêem lugar a revoltas populares no futuro sombrio.

 

Este texto não se conforma com o novo Acordo Ortográfico.

Henrique Pedro