PUB.

Equipa de Bragança da SIC ganha prémio com reportagem sobre IPSS do distrito

PUB.

Ter, 14/01/2020 - 11:41


É da autoria da equipa de Bragança da SIC a reportagem que ganhou o “Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio”, na categoria “Trabalhos Jornalísticos”. “Nós Ainda Estamos Aqui” é o título da peça que dá a conhecer o trabalho dos cuidadores e profissionais, de algumas Instituições Particulares de Solidariedade Social do distrito.

“Por terras quase desertas do interior disperso do nordeste transmontano, equipas de profissionais levam, diariamente, o amparo necessário aos que ainda povoam o território que há muito mergulhou num inverno demográfico”, é assim que João Faiões, correspondente da SIC no distrito de Bragança, começa a reportagem que retrata o isolamento dos idosos desta região que veem nestas pessoas uma família, através da qual lhes chegam refeições, cuidados de saúde e até mesmo de beleza. Como jornalista, o correspondente reforçou que “é sempre importante” ver o trabalho “reconhecido” mas há aqui uma “dimensão” maior por causa da temática desta reportagem, que é, no fundo, retratar o papel das IPSS no interior do país, que “têm um trabalho muito mais difícil dada a realidade em que vivem os idosos e as pessoas que precisam de ajuda”. A reportagem, realizada em vários concelhos, com grande enfoque no de Mogadouro, espelha, além da necessidade das estruturas para as gentes do território, um dos grandes problemas com o qual estas entidades se debatem e que passa pelos apoios do Estado. O financiamento que o Governo dá às IPSS do interior é o mesmo que é dado às de zonas do litoral mas quem está por cá tem outros encargos, por exemplo mais gastos com aquecimento e, sobretudo, no que toca aos quilómetros percorridos para chegar a todas as pessoas que beneficiam dos serviços. “Para atenderem o mesmo número de utentes que se atende em Lisboa, num prédio ou num bairro, aqui as IPSS têm de percorrer mais de 1000 quilómetros por dia”, referiu o jornalista. João Faiões, nascido no Porto, experimentou o jornalismo na RDP, na Antena 1, na cidade Invicta, e, mais tarde, em Bragança, fundou a Rádio Brigantia. Volvidos alguns anos trocou a rádio pela televisão mas o jornalista, que também chegou a experimentar a imprensa, nunca mais disse adeus à região. “Não sei se é mais difícil trabalhar no interior do país nesta área, só se for pelas distâncias que temos de percorrer e por não haver um fluxo tão grande de informação”, explicou, convicto de que à equipa se deve, em boa parte, ao longo destes anos, que o país tenha uma imagem mais “positiva” da região. O prémio deve-se ainda a João Tuna, como repórter de imagem, e a Fernando Nunes, na edição, equipa que, em Bragança, acompanha João Faiões. Nesta oitava edição do prémio, a reportagem da TSF “Retratos do Renanscimento”, trabalho que acompanhou o processo de recuperação das vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande, da autoria da jornalista Bárbara Baldaia, também foi distinguida, na mesma categoria. Já “E de nós, quem cuida?”, da jornalista Catarina Marques, da SIC, recebeu uma menção honrosa.

Jornalista: 
Carina Alves