Comerciantes brigantinos dizem que os emigrantes já não gastam como antigamente