PUB.

Bragança : A Nação Judaica em Movimento - 15 António de Santiago, tratante e rendeiro

PUB.

No panorama económico de Bragança no século de 1700 a sericicultura apresenta-se como uma verdadeira indústria de ponta, extremamente rentável. Na montagem e gestão daquela indústria dominava a “gente da nação” que amealhava prata e ouro, em quantidades nunca vistas. Com ou sem ligação à seda, assistiu-se também ao florescer de uma outra indústria, também de ponta e que até hoje não foi tratada pelos historiadores locais – a ourivesaria. Na verdade é impressionante a quantidade de “ourives do ouro e da prata” que então apareceram no seio da “nação” brigantina e se meteram pelos caminhos da diáspora sefardita. Apenas a título de exemplo, diremos que só no processo de Fernando Fonseca Chaves, ao fazer a sua genealogia, ele menciona uns 16 parentes “ourives do ouro ou da prata”. Atente-se, no entanto, que a profissão, como qualquer outra, aliás, não impunha exclusividade e todos eles se dedicavam ao que aparecia e que dava dinheiro, para além da contínua procura de ascensão social. Com alguma frequência vemos curtidores e sirgueiros ascender a fabricantes e mercadores de seda e vemos multiplicar os ourives. E os ourives, tal como os médicos e advogados também se faziam mercadores, rendeiros e contratadores. Tanto quanto resulta da leitura dos processos da inquisição, ao longo de gerações, no seio da “nação de Bragança”, duas famílias se impõem no trato do ouro e da prata: a dos Albuquerque e a dos Pimentel, unidas, aliás, por vários casamentos. E essa era a linha familiar do mestre ourives Álvaro Vaz Castro, filho de Ana Pimentel, casado que foi com Josefa Pimentel, filha de Feliciano Albuquerque, a qual contava com 4 tios e vários primos ourives / prateiros. O casal teve 2 filhas e um filho, tendo a mais velha, Francisca Xaviela, nascido por 1679. Andaria nos 14 anos quando se contratou o seu casamento, contrato que o pai não pôde assinar, pois era já falecido. Vamos então para Lisboa, acompanhando Xaviela ao casamento, naquele ano de 1693. Na mesma altura, aliás, terão rumado também para a capital todos os membros do seu agregado familiar que era constituído pela avó, a mãe e os irmãos. É que, em Lisboa, eles tinham familiares que estavam muito bem de vida, como era o caso do contratador Dionísio Pimentel e do ourives da prata Francisco Morais Pereira, dois dos irmãos de Josefa. (1) Mas, vamos apresentar o noivo de Xaviela. Chamava-se António Santiago e era seu primo em 2º grau, pela parte materna. Nascido em Bragança por 1671, era filho de Manuel Santiago da Costa e Mécia de Morais, (2) dois dos signatários da petição de 1661, que se apresentaram em Bragança, perante o inquisidor Manuel Pimentel de Sousa e foram chamados a Coimbra em 1670 para serem sentenciados. Certamente que a lembrança das constantes vagas de perseguição inquisitorial inspirava a fuga de Bragança aos filhos da gente da nação. Seria o caso de António Santiago e da sua irmã Beatriz da Costa, casada com Gaspar de Faro que se mudou para Lisboa com seus 4 filhos. Todos acabariam por ser presos, tal como António e Xaviela, (3) pois que os olhos e os ouvidos da inquisição estavam por toda a parte; espiar e delatar judeus tornou-se mesmo uma obrigação moral, um dever dos cristãos. Tratante bem-sucedido, aos 32 anos, António Santiago tinha já nome feito na praça de Lisboa. Olhemos um pouco para os seus negócios e contratos. Um deles era a comenda de Arruda dos Vinhos, que ele trazia arrendada por 1 conto e 300 mil réis “livres para a Fazenda Real”. Outra comenda que ele arrendou, em parceria com 3 outros sócios, era a de Alcochete, pelo valor anual de 2 contos e 20 mil réis, livres para o Mestrado da Ordem de Santiago a quem pertencia. À cabeça da sociedade encontrava-se Manuel Mendes Nemão, familiar do santo ofício, em cujo nome se fez o arrendamento, com António Santiago como fiador. Um dos produtos cuja décima pertencia à dita comenda era o sal. António Santiago, falando da sua participação no contrato, dá-nos conta de um carregamento feito no navio de Pedro Robão, com destino a Bayonne, de França. E também nos diz que, na localidade, empregado na cobrança das rendas, traziam Manuel Gomes Peinado, que, possivelmente integrava também a “nação de Bragança” que “assistia” em Lisboa. Em um barco registado em Barcelona de França, (SIC) que dias antes zarpou de Lisboa, António Santiago tinha carregado 5 rolos de tabaco, com ordem ao capitão do barco para lho vender nos portos onde acostasse e, o dinheiro da venda o remetesse ao seu correspondente em Madrid, João Garcia de Guiné, com o qual havia combinado que lhe mandasse, em paga, um fardo de seda torcida para fazer meias, cujo preço andaria por 750 mil réis. Para o Rio de Janeiro tinha enviado mercadorias tão diversas como: bacalhau, azeite e serafinas, no valor de 1 conto e 600 mil réis, que esperava receber em açúcar e ouro. E já que falamos em ouro, repare-se na seguinte declaração por ele feita no inventário de seus bens: - Disse que algumas peças de ouro e prata que são dele confitente estão empenhadas em casa de António Nunes, sirgueiro que vende chapéus na Rua Nova, defronte do Chafariz, na quantia de 200 mil réis (…) e as ditas peças poderão valer ao todo 270 mil réis. (4) Como se vê, eram muito diversificados os negócios e contratos de António Santiago e bem dilatada a confiança nos correspondentes e parceiros comerciais. E estes eram os pressupostos do sucesso empresarial da gente da nação hebreia, o que agilizava a tomada de decisões empresariais e muito contribuía para o sucesso comercial. Falou-se atrás na compra de um “fardo de seda torcida” para fazer meias. Cumpre dizer que, naquela época, com as calças curtas que se usavam, as meias ganhavam também relevância no vestuário masculino e eram motivo de ostentação pelas classes da nobreza e da burguesia. Isso fazia o preço subir e o seu fabrico e venda uma atividade interessante para os homens da nação, que a dominavam. Já agora, refira-se que o irmão de Xaviela, Feliciano Albuquerque tinha exatamente a profissão de fabricante de meias, como, aliás, muitos outros brigantinos. No panorama económico de Bragança no século de 1700 a sericicultura apresenta-se como uma verdadeira indústria de ponta, extremamente rentável. Na montagem e gestão daquela indústria dominava a “gente da nação” que amealhava prata e ouro, em quantidades nunca vistas. Com ou sem ligação à seda, assistiu-se também ao florescer de uma outra indústria, também de ponta e que até hoje não foi tratada pelos historiadores locais – a ourivesaria. Na verdade é impressionante a quantidade de “ourives do ouro e da prata” que então apareceram no seio da “nação” brigantina e se meteram pelos caminhos da diáspora sefardita. Apenas a título de exemplo, diremos que só no processo de Fernando Fonseca Chaves, ao fazer a sua genealogia, ele menciona uns 16 parentes “ourives do ouro ou da prata”. Atente-se, no entanto, que a profissão, como qualquer outra, aliás, não impunha exclusividade e todos eles se dedicavam ao que aparecia e que dava dinheiro, para além da contínua procura de ascensão social. Com alguma frequência vemos curtidores e sirgueiros ascender a fabricantes e mercadores de seda e vemos multiplicar os ourives. E os ourives, tal como os médicos e advogados também se faziam mercadores, rendeiros e contratadores. Tanto quanto resulta da leitura dos processos da inquisição, ao longo de gerações, no seio da “nação de Bragança”, duas famílias se impõem no trato do ouro e da prata: a dos Albuquerque e a dos Pimentel, unidas, aliás, por vários casamentos. E essa era a linha familiar do mestre ourives Álvaro Vaz Castro, filho de Ana Pimentel, casado que foi com Josefa Pimentel, filha de Feliciano Albuquerque, a qual contava com 4 tios e vários primos ourives / prateiros. O casal teve 2 filhas e um filho, tendo a mais velha, Francisca Xaviela, nascido por 1679. Andaria nos 14 anos quando se contratou o seu casamento, contrato que o pai não pôde assinar, pois era já falecido. Vamos então para Lisboa, acompanhando Xaviela ao caVoltemos ao processo de António Santiago para dizer que logo que se viu preso, confessou a crença na lei de Moisés, dizendo que fora doutrinado ainda em criança, quando frequentava a escola dos Jesuítas, por seu tio materno, Francisco da Costa. Sofreu nos cárceres da inquisição durante um ano e pouco, saindo condenado em confisco de bens, cárcere e hábito a arbítrio. Pena igual teve sua mulher, Francisca Xaviela que apenas foi presa 4 dias antes do auto da fé de 12.9.1706, em que foi penitenciada, juntamente com 20 outros membros da nação de Bragança assistentes ou moradores em Lisboa, nomeadamente a sua mãe, Josefa Pimentel, a sua irmã, Luísa Maria, e o tio Francisco de Morais Pereira. (5) O irmão de Xaviela, fabricante de meias, atrás referido, seria preso anos depois, o mesmo acontecendo com o filho de Xaviela e António Santiago, batizado com o nome de Inácio Xavier de Morais e que no crisma alterou o nome para Alexandre Morais Silva.(6)

Notas: 1 - Inq. Lisboa, pº 5377, de dionísio Pimentel; pº 946, de Francisco de Morais Pereira. 2-Inq. Coimbra, pº 166, de Manuel Santiago da Costa; pº 10103, de Mécia de Morais. 3-Inq. Lisboa, pº 2093, de António Santiago; pº 4263, de Francisca Xaviela. 4-Pº 2093, p. 12. 5-Idem, pº 3036, de Josefa Pimentel; pº5780, de Luísa Maria; pº 946, de Francisco Morais Pereira. 6-Idem, pº 162.

António Júlio Andrade / Maria Fernanda Guimarães