Arrancados da Terra

Por toda a sorte de travejamentos históricos, antropológicos, teleológicos e filosóficos presto atenção e estudo à civilização judaica, mesmo correndo o risco de desproporcionado e bazófia a empregar o vocábulo civilização. Não sendo judeu, julgo possuir algumas gotas de sangue a correr nas veias dos sefarditas vindos para a Península Ibérica após a destruição do Templo de Jerusalém, num percurso eriçado de cardos, abrolhos, silvas, sarças e pedras dos tortuosos caminhos cruzados e atravessados por mil armadilhas de caça aos judeus. Os itinerários da diáspora até chegarem à Península são conhecidos estando publicados em Atlas a possibilitarem-nos a real/realidade de com rigor formularmos o viver aperreado até chegarem a terras nas quais podiam esticar os braços, as mãos modelarem utensílios e artefactos, conceber comeres e beberes conforme os preceitos dietéticos consagrados no Talmude. Os agora raros e famosos cuscos foram concebidos no deserto em fogões portáteis de cerâmica pelos fugitivos judeus a par dos berberes, outras preparações culinárias tiveram a mesma génese (os renitentes em aceitarem a paternidade judaica consultem os receituários da religião mosaica), bem como o precioso beijinho da farinha do qual emanavam os ditos cuscos que ao contrário do propalado por gente inimiga de ler crónicas, cronicões e documentação de letra esgroviada requerem imensa oficina caseira, dias solarengos, colchões adequados e destreza manual. Judeus em Bragança? Não vou citar a bibliografia existente bebedouro sempre ao dispor, refiro Mendes dos Remédios, o Abade de Baçal e os processos perpetrados pela sinistra Inquisição, prefiro lembrar acção feia e involucrada na catequese de baixo do olhar do Senhor da Cana Verde, os claustros da Sé que me levou a correr ao lado dos demais meninos a estudarem e receberem o sacramento do Crisma, até à oficina de um sapateiro avô do António Eugénio e gritarmos JUDEU. O homem sentado na tripeça esboçou o gesto de se levantar, nós fugimos, no entanto fui travado pela senhora Dra. Margarida Machado, farmacêutica muito respeitada a qual censurou asperamente a nossa conduta. Dada a influência da Mãe do Tony, logo pensei na mão pesada do meu progenitor, logo esqueci a ganga da catequista a nomear malefícios atribuídos aos marranos e restantes judeus. Na rua Direita existiam marcas e métricas de cunho judaico, a Sinagoga, os próprios crentes a demandavam nos dias de culto. Na Bragança dos anos cinquenta do século passado existia o acentuado atavismo tolerante, do vive e deixa viver, daí o anti- -semitismo ser subterrâneo ou desprovido de significado social e político, no entanto, os termos judeu e acusa Cristos, eram casquinhados em tons jocosos depreciativos, porque ao fim e ao cabo judeus éramos «todos», por isso irmãos em Cristo. Na semana passada chegou à minha mesa de leitura e cogitação a obra Arrancados da Terra, do investigador brasileiro Lira Neto, no qual em escrita fluente escorada em fontes documentais rigorosas dá ênfase a um grupo de judeus sefarditas de peregrinação em peregrinação, 23 deles estão na génese de Nova Iorque. Os sefarditas da Península Ibérica correram Mundo, os nascidos e obrigados a abandonarem a vetusta Bragança muito contribuíram para tal, na sinagoga de Amesterdão o bragançano Oróbio de Castro terçou argumentos doutrinais com o, igualmente famoso Spinoza, ali repousam os seus restos mortais. No Arrancados da Terra, o autor descreve com minúcia o sistema totalitário da Inquisição, a cupidez dos seus membros, a resistência e angústia das suas vítimas, o crapuloso duplo jogo das Cortes as quais no «tapa-destapa» da utilização de cristãos-novos nunca existiu uma réstia de bondade relativamente aos seus financiadores, sim a ânsia pelo dinheiro destinado a suportar extravagâncias, pulsões militares e comerciais da nobreza de sangue azul, hereditária e perdulária. Os sefarditas ibéricos lograram levar a bom porto os seus objectivos apesar das tentativas do abafamento de pensamento e ideias provindas do seu labor, importa nos dias correntes não desperdiçarem energias nas bagatelas do quotidiano, continuarem fiéis a si próprios e orgulhosos do seu passado dos dias de dor, também dos momentos de regozijo e glória.

Armando Fernandes