PUB.

Resort de 9 milhões de euros vai ser construído em Pinela

PUB.

Qua, 07/07/2021 - 12:52


Pinela foi a localidade do concelho de Bragança escolhida para fazer um investimento de nove milhões de euros. Uma unidade hoteleira, com 84 quartos e que irá criar cerca de 80 postos de trabalhos directos e indirectos. O resort terá spa, piscina interior e exterior, um ginásio e ainda uma loja de produtos regionais.

Água Hotels -Terra Fria terá vista para a Serra da Nogueira e para o castelo de Pinela. O projecto tem por base conceito de “bem-estar, natureza, saúde e qualidade”. “A natureza vai entrar dentro do hotel. A nossa função é que o cliente se sinta na natureza”, disse o investidor, ao Jornal Nordeste. Adriano Martins é natural de Rebordainhos, outra aldeia do concelho de Bragança, e por isso sentiu que estava na altura de investir na sua terra.

O empresário acredita que em dez anos, este projecto terá um impacto directo de 22 milhões de euros na economia regional e prevê 22 mil hóspedes por ano. “Precisamos de um turismo no Interior que tenha dimensão e que nos aporte alta qualidade. E se tivermos esse turismo vamos conseguir captar.

Nós criamos um destino ‘Água Hotels’, nós não temos um hotel, temos um destino”, frisou. Prevê-se que o resort esteja concluído em 2023. Apesar de estarmos ainda em tempos de pandemia, Adriano Martins entende que agora é o tempo certo para investir. “Eu acho que é nestas alturas que temos que investir e que as regiões precisam de nós. Eu acho que será a altura ideal de se começar um investimento, porque a pandemia vai passar e em 2023 pouco efeitos da pandemia vamos ter”, referiu.

O investidor acredita que a localização é bastante benéfica e que será bastante atractiva para quem está a duas horas de distância. A proximidade com a A4 também é uma vantagem. Na região, em média, as pessoas ficam uma noite, paradigma que tem vindo a mudar com a pandemia. Segundo Adriano Martins ter uma taxa de ocupação de uma noite é “muito complicado” em termos de custos de operação, por isso esta é uma das situações que deve ser alterada. “Se abrirmos um hotel e ficarmos parados à espera que os clientes cheguem cá, eles não vêm. Temos que diariamente trabalhar”, afirmou.

Também o presidente da junta de freguesia de Pinela acredita que esta unidade hoteleira atrairá muitos turistas e poderá contribuir para a dinamização do artesanato, nomeadamente das famosas cantarinhas. “Acreditamos que possam surgir unidades de restauração, cozinhas regionais e irá também dinamizar outras unidades próximas. Esperamos também que seja uma das formas de potenciar o artesanato e não o deixar cair em esquecimento”, referiu Alex Rodrigues. O autarca esclareceu ainda que o terreno foi vendido por 20 mil euros, mas foi feito um contrato para que quando o hotel estiver em funcionamento será paga uma renda anual, de 5 mil euros por ano, durante 20 anos. “Na prática foi vendido por uma quantia de 120 mil euros”, disse.

O presidente da Câmara Municipal de Bragança também salientou a importância do projecto para o concelho. “Desde há muito tempo que nós próprios entendemos que havia a necessidade de uma unidade deste nível e é importante referir esta aposta de ir muito ao encontro do que é a natureza. Sabemos o potencial que o nosso território tem a este nível”, referiu Hernâni Dias. O grupo Água Hotels criou a primeira unidade hoteleira, em 2008, em Mondim de Basto, Vila Real. Tem ainda três no Algarve e é gestor de unidades de alojamento em Cabo Verde.

Jornalista: 
Ângela Pais