Padre Telmo Afonso homenageado no Zoio e recordado como um homem que se preocupava com o próximo

PUB.

Ter, 12/09/2023 - 10:53


Foi homenageado, na terra natal, a aldeia do Zoio, no concelho de Bragança, o Padre Telmo Afonso

Simples, generoso e amigo, são as palavras que acompanham o busto de homenagem póstuma ao pároco, acarinhado por todos quantos o conheciam, tendo tido uma vida dedicada ao próximo. Foi professor e prefeito no seminário de Vinhais e no de Bragança. Foi ainda director do Colégio de S. João de Brito, director espiritual dos Cursos de Cristandade, vigário-geral e reitor do Seminário. O Padre Telmo teve ainda a seu cargo as paróquias do Zoio e Carrazedo, em Bragança, e as de Celas, Ousilhão, Nunes, Edrosa, Moimenta e Montouto, em Vinhais. Nascido no Rio de Janeiro, no Brasil, no dia 9 de Dezembro de 1929, o Padre Telmo Afonso morreu em 2016 e foi recordado, no sábado, numa eucaristia naquela aldeia, além de se ter inaugurado o busto em sua homenagem, que imortaliza a sua imagem, no centro da aldeia. Amigos não faltaram para o lembrar, recordando-o com um homem que a todos conhecia pelo nome e com eles se preocupava. Presente na homenagem esteve o sobrinho-neto, Pedro Evangelista, que reforçou que “a homenagem passa para além da família”. “É muito bonito ver isto a acontecer, passados tantos anos ver esta onda de carinho e de amor. Mesmo passado sete anos da sua morte, ainda continua presente”, reforçou, lembrando que o tio-avô foi “inspirador” pela sua “generosidade” e “bondade”. “Na cultura mexicana dizem que uma pessoa continua viva enquanto ainda há alguém que se lembra dela e a prova de que ele está vivo está aqui”, reforçou. Hélder Santos, secretário da Junta de Freguesia do Zoio e representante da Comunidade Local do Baldios do Zoio, entidade que promoveu a homenagem, também recordou alguns episódios, que ditaram que Telmo Afonso fosse mais que um padre, mas sim um homem que a todos encheu de boas recordações. “Para o Padre Telmo estava sempre tudo bem. Tínhamos que ir à missa. Quando andávamos por aqui, nas nossas risadas e brincadeiras, ele dizia ‘Garotada, vamos à missa’”, contou, lembrando que uma das tradições que o padre mais gostava de se ver assinalada era a fogueira de Páscoa mas atenção, “cuidado com o sino”, pedia aos rapazes. D. Nuno Almeida, bispo da Diocese de Bragança-Miranda também esteve presente no Zoio. Assinalou que este tipo de homenagens transcende os sacerdotes. “Nos tempos que correm isto põe em destaque o serviço que o sacerdote faz em favor do seu povo. Uma homenagem a um sacerdote é, de alguma maneira, um convite aos mais jovens para que ponham no seu horizonte a vida sacerdotal, que é uma vida nos realiza”, esclareceu. Hernâni Dias, presidente da câmara de Bragança, falou de uma “homenagem justíssima” e de uma pessoa “extremamente afável, amiga do seu amigo, muito inteligente e com uma veia humanista incrível”. Tendo morrido aos 86 anos, no funeral era tanta a gente que foi necessário realizar-se uma missa campal. Desta vez não foi necessário mas amigos e conhecidos não faltaram, Além do busto, da autoria do artista Paulo Moura, de Carrazeda de Ansiães, foram inauguradas, no sábado, as obras de requalificação de um largo e de uma rua, financiadas, em 40 mil euros, pela câmara de Bragança. A empreitada custou 50 mil euros.

Jornalista: 
Carina Alves