PUB.

Adiadas eleições da Caixa CA do Alto Douro e rejeitada lista de Mário Abreu Lima

PUB.

Ter, 04/01/2022 - 11:33


Foram adiadas para 10 de Fevereiro as eleições na Caixa de Crédito Agrícola do Alto Douro

Na última Assembleia Geral, realizada na semana passada, ainda foram votados alguns pontos, mas acabou por ser suspensa, tendo também sido adiadas as eleições. A votos vai apenas a lista do actual Conselho de Administração, visto que a Comissão de Avaliação rejeitou a lista de Mário Abreu Lima, que incluía Jorge Nunes e Fernando Peixinho. Segundo Mário Abreu Lima os principais motivos apresentados para a não- -aceitação da lista foram “falta de adequação e experiência”. O mandatário não entende a justificação dada, uma vez que um dos membros tem bastante experiência na área. “Uma das pessoas que não é aceite é uma técnica que trabalhou na Caixa central, na Caixa Geral Depósitos, no Santander, fez parte do grupo que criou o banco CTT. Não serve para a Caixa de Bragança?”, questionou, salientando que “as qualificações dos candidatos são infinitamente superiores às qualificações que qualquer dos órgãos que constituem a outra lista”. Mais uma vez, o mandatário criticou a falta de transparência em todo o processo. “Foi estranho também a substituição da presidente da Comissão de Avaliação. A presidente da CAV anterior teria já produzido indicações de não adequação ao presidente actual e é substituída por doença em pleno período de avaliação das listas em si. É estranho que a lista deles não seja observada ou não haja relatório publicado. Todo este tipo de situações são realmente complicadas e estranhas e é contra este tipo de espírito, fechado, quase oligárquico, que nós estamos e queríamos quebrar”, afirmou. A lista liderada por Mário Abreu Lima já tinha apresentado uma providência cautelar no Tribunal de Bragança, porque queria que as eleições decorressem em assembleia eleitoral própria, e não como um dos pontos da Ordem de Trabalhos de uma Assembleia, como estava previsto para 28 de Dezembro. No entanto, sem sucesso. Também propôs que a discussão dos pontos da ordem de trabalhos, da última Assembleia Geral, não decorresse, o que acabou por não ser aceite. Assim, foi aprovado o Plano de Actividades e Orçamento para 2022, com 83 votos a favor, 76 contra e 4 abstenções.

Jornalista: 
Ângela Pais