A tia Ester da moto quatro

Qua, 14/08/2019 - 10:17


Olá gentinha boa e amiga!
Nos últimos dias o Verão meteu férias, para alegria dos nossos agricultores, que vêem os seus campos dourados, com o ouro que caiu do céu. Esta água pinta aos castanheiros e oliveiras mas, como não há bela sem senão, quem está de férias o que quer é calor, para poder disfrutar das nossas praias fluviais e piscinas.
Quem também não ficou nada contente, com estes dias de chuva, foram os mordomos das festas, porque a chuva acaba sempre por afastar alguns romeiros e, neste mês de Agosto, todos os dias há festas.
Na quarta e quinta feira, foram muitas as localidades do distrito brindadas com a passagem da 6.ª e 7.ª etapas da Volta a Portugal em Bicicleta. Houve sempre bastantes pessoas nas ruas que quiseram aplaudir a passagem dos ciclistas, apesar da chuva. A propósito deste evento, na quarta-feira de manhã, no programa da RTP 1 «Há Volta», em directo da Praça da Sé, em Bragança, entrei em milhares de casas, desta vez não só com a voz mas também com a imagem, gritando ao mundo o amor e a amizade que se vai fazendo através das ondas hertesianas, continuando a fazer da nossa rádio uma autêntica e verdadeira família.
A nível agrícola, o nosso secretário para a agricultura, o tio Rebelo, de Real Covo (Valpaços), disse-nos que este é um bom ano de batatas, tendo sido fraco em cereal e tudo indica que será também um bom ano de castanha. A tia Joaquina, de S. Julião de Palácios (Bragança), disse-nos que não se lembra de “ter tamanho feijoal, sem nunca o ter regado”.
Na última semana festejaram o seu aniversário connosco a tia Alexandrina Monteiro (69), de Martim (Murça); Bruno Rebelo (44), de Real Covo (Valpaços); Helena Rodrigues (48), de Viduedo (Bragança); Augusto Folgada (51), de Lodares (Vila Real); Guilherme Martins (71), de Agrochão (Vinhais); Augusto Machado (70), das Quintas da Seara (Bragança); Assédio (77), de Coelhoso (Bragança); José Carlos (67), de Parada (Bragança); Corina Alves (66), de Constantim (Miranda do Douro); Paco (50), da Sanábria (Espanha), genro da tia Antónia de Rio Frio (Bragança) e António Roque (83), de Vilartão (Alfândega da Fé). Para todos muita saúde, que coza o forno e que o pão seja nosso…
Agora vamos conhecer melhor a tia Ester, da moto quatro.

 

No último fim-de-semana tivemos mais uma concentração motard em Bragança. Nos últimos anos, tem-se assistido à participação de muitas moto quatro, coisa que não acontecia antes. Também há cada vez mais quem utilize este meio de transporte para se deslocar aos seus terrenos agrícolas no dia-a-dia. Dizem que a aldeia de Babe (Bragança) é a localidade portuguesa com mais moto quatros por habitante.
A tia Ester Sábio, mais conhecida como a Ester da moto quatro, nascida em Vale de Abelheira (Vinhais) e a viver há mais de 40 anos no Bairro do Couto, em Bragança, foi o terceiro elemento da Família do Tio João. Na altura andava sempre a pé, depois apareceram os STUB’s (Transportes Urbanos de Bragança) e ela lá se ia desenrascando para fazer a sua vida diária na cidade. Há cerca de 12 anos, quando lhe apareceram problemas de artroses, o seu filho ensinou-a a conduzir o seu mini tractor corta relva, para depois lhe oferecer uma moto quatro, que ainda tem. Há dez anos viu-se obrigada a tirar a carta de condução de moto quatro e confessou-nos com contentamento que “foi à primeira”. Também nos disse que apanha umas “molhas inesperadas” e por isso diz que “no Inverno não venho tantas vezes à cidade”, acrescentando que “nunca tive qualquer acidente ou percalço”.
A tia Ester veio sem nada de Angola, em 1974, onde esteve seis anos. “Tive que me desenrascar numa barraca na Ilha do Rei, onde hoje está a Catedral de Bragança”. Muitas noites “acordei com a cama do meu filho a fazer barulho, por se coçar com tantos percevejos”. Quando chovia “a água passava pelo meio da barraca”. Um ano depois, conseguiu um terreno no Bairro do Couto e construiu o seu actual lar, de onde nos liga, sendo uma participante muito activa e com direito a ser cumprimentada por alguns tios e tias que dela se lembram, tanto no nosso programa como nos «Discos Pedidos». Beijinhos para a Tia Ester, da moto quatro.