Vendavais - A semana das loucuras

Se todas as coisas corressem sempre tão bem como desejamos, tudo seria muito mais fácil e todos andaríamos muito mais felizes. Infelizmente não é isso que acontece.

Apontarmos um tempo, um momento, um dia em que tudo corre mal, até pode ser fácil, mas verificar que toda uma semana é profícua em acontecimentos que clamam a atenção de todos, é mais difícil. E é tanto mais difícil, quanto os acontecimentos são díspares na sua temática e opostos nos seus objetivos. A sequência dos acontecimentos ao longo da semana quase não deixou espaço para refletir adequadamente sobre cada um, mas deu-nos a sensatez de separar os que poderiam merecer mais atenção. Foi o caso de Alcochete, foi o Sporting, foi o casamento Real, foi a final da Taça, enfim! Claro que cada um teve a sua própria apreciação sobre cada um deles e certamente nem todos acabaram por chegar à mesma conclusão. É natural.

Aquela triste terça-feira de mau agouro e de presságio temeroso, não estava na mais leve esperança de alguém que pudesse acontecer neste país onde o futebol é rei, apesar de nem sempre ser apreciado como deve ser. Nada ainda está explicado. Nada ainda foi julgado. Ninguém ainda foi condenado. Afinal o que se sabe sobre o assunto? Que razões estão por trás deste atentado terrorista levado a cabo por duas ou três dezenas de energúmenos, contra jogadores de um clube nacional? Quem os mandou? Quem os instrumentalizou para este atentado? Quem é o culpado?

Se pensavam que isto não teria consequências estão enganados. Claro que elas são terríveis e ao longo da semana foram bem visíveis. Foi um corrupio de asneiras sequenciais que teve como figura principal o presidente do Sporting. Ele não teve o bom senso, se é que o consegue ter, de estar calado e se ter demitido dando a oportunidade de os sócios poderem escolher nova direção em tempo oportuno. Mas não teve esse discernimento. Durante toda a semana os jogadores ficaram confusos, sem saber o que deveriam fazer e com uma final da Taça de Portugal para jogar. Jogar! Jogaram, mas perderam. Felicidades para o Aves. Mas como haveriam de jogar estes homens agredidos fisicamente, feridos no amor-próprio, acusados pelo presidente, desmoralizados, sem treinar uma semana inteira e tendo somente como referência maior o seu próprio treinador que foi quase um pai para todos eles durante estes cinco dias? Jesus foi o seu único amparo. Que motivações deveriam ter eles para jogar? Pois se calhar até poderiam ter feito mais do que fizeram, claro. Mas não contaram com a força do Aves e isso fez a diferença. Perderam a Taça e perderam a última esperança de ganhar mais alguma coisa e de entrar na Liga Europa pela porta grande. Agora terão obrigatoriamente as eliminatórias. E o que virá daí?

Mas a semana teve também momentos mais alegres e um deles foi o casamento Real. Contudo, a loucura que o rodeou não foi menos intensa do que os outros acontecimentos. Ao longo da semana de tudo se falou sobre este casamento. Foi o desconhecimento do costureiro que fez o vestido da noiva, o costureiro que elaborou o vestido da mãe da noiva, como iria vestido o noivo, quem levaria a noiva ao altar, enfim uma panóplia de questões, que sendo menores, foram enaltecidas suficientemente pela comunicação social. E no sábado aí estavam as televisões de todo o mundo a transmitir o casamento do Príncipe Harry que até é somente o quinto na linha de sucessão ao trono! Para segundo lugar foi remetida a Rainha de Inglaterra que viu tudo passar-lhe ao lado. Para Megan Markel tudo foi novidade, mas não ensaiou bem o papel, embora isto não fosse propriamente mais um dos filmes em que participou ao longo da sua carreira. Seja como for, foi a protagonista e embora a mãe ficasse na sombra já o pai sobressaiu por motivos diversos. Mas que loucura a dos paparazzi comprados para justificar o que não seria justificável, mas que a providência divina acabou por castigar com uma intervenção de urgência que realmente o impediria de comparecer no casamento da sua filha! Só loucuras!

Volto, para acabar, à Taça de Portugal. Parabéns ao Desportivo das Aves. Foi quase humilhante ver a tristeza dos jogadores do Sporting depois de jogo. Mesmo perante o pior cenário que se imaginasse, nenhum deles equacionou a derrota com toda a certeza. E para BdC isso estaria fora do previsível e a vitória seria uma moeda de troca a jogar por ele na semana seguinte. Teve azar. Agora pode ser que caia na realidade e veja as aneiras que tem feito e se demita. Já é tempo. Chega de loucuras.

Luís Ferreira