PUB.

Vendavais: Prendas de final de ano

Após a incomensurável labuta de todo um ano em que todos, ou quase, deram o seu melhor trabalho e talento como contribuição para melhorar este santo país, seria natural que tal esforço fosse prendado nesta época natalícia. Efetivamente, recebemos variadas prendas natalícias, muito embora com alguma antecipação o que desfaz o suspense da meia-noite que tanto agrada aos mais jovens.
O Pai Natal já não desce pela chaminé de saco às costas e muito menos vem transportado pelo trenó puxado pelas simpáticas renas desde o polo Norte, atravessando meio mundo num abrir e fechar de olhos. Não. Essa história pertence a outros anais da História onde as crianças se continuam a perder e a pertencer e, ainda bem que assim é, já que pelo menos para eles toda essa fantasia é uma realidade que vivem com alguma alegria e esperança.
Para os mais crescidos, que já ultrapassaram essas fantasias, ainda que não acreditem nelas, têm de as transmitir aos mais novos para que se eternize a tradição e toda a mística que envolve o Natal. Afinal de contas, o que custa passar de geração em geração essa inofensiva tradição? Nada. Fá-lo-emos com gosto certamente.
Mas deixando de parte essas crianças e toda a alegria que as envolve nesta época, viremo-nos para as prendas que todos gostaríamos, ou não, de receber. Falemos de coisas maiores. Portugal recebeu neste final de ano algumas prendas inesperadas, quer pelo seu valor, quer pelo seu significado. E se pensam que todas elas foram boas, desenganem-se. Não foram.
De facto, fomos abalados pelo que sucedeu numa instituição onde pautam crianças e que, infelizmente para a maior parte delas, o Natal nada significa ou se tem algum significado, é o que os adultos que com elas trabalham, tentam dar-lhe nesta época. Apanhados pelas desventuras da vida e do destino, elas tem doenças raras, aliás raríssimas e merecem que o melhor a que tem direito lhes seja dado com a alegria que eles podem entender e receber. Para isso, é necessário muito trabalho, dedicação, honestidade e dinheiro. Trabalho de quem com elas convive e delas trata e dinheiro de todos nós. O que se passou e tem sido ventilado nas duas últimas semanas sobre a Raríssimas e sua diretora, é demasiado grave para passar impune. Grave pela forma como foi gasto o dinheiro que tinha um só endereço no postal de Boas Festas, as crianças, grave pela desonestidade da sua diretora e grave porque a prenda não chegou ao destino. E, penso eu, mais grave ainda porque a senhora que supostamente gere a instituição, é além de desonesta e pretensiosa, tanto ou mais desnorteada e desconforme que os menos incapacitados que por ela são geridos. Pena é que se tenha rodeado de personalidades que lhe deram a carapaça que a tem protegido até agora. Estou certo que muitos deles contribuíram sem se darem conta do logro em que flutuava toda a embarcação solidária! Talvez fosse isso. Dou-lhes o benefício da dúvida. Vamos ver agora em que águas vai continuar a flutuar esta barcaça prestes a dar à costa. Esta prenda não mereciam certamente as crianças e os adultos que a ela recorreram e que dela esperam momentos de alegria, conforto e esperança. Pois então que dêem uma prenda mais valiosa a esta Raríssimas e que venha envolta num postal mais digno e honesto. Afinal estamos no Natal!
Mas também recebemos prendas mais agradáveis, felizmente. São resultado do trabalho e sacrifício de todos nós e por isso, uma parte das prendas cabem-nos por direito, ainda que não sejamos nós a desembrulhar o presente.
A algumas semanas, quando Mário Centeno resolveu candidatar-se para presidente do Eurogrupo, foi criticado por uns e agraciado por outros, sempre na dúvida da sua aceitação. Ganhou, para mal dos que estando contra a Europa e suas decisões, não achavam nada de substancial nessa eventual vitória. Para os outros, foi a aceitação de uma política económica visivelmente satisfatória e de um país que, aos poucos, se afirma na senda de um progresso económico e social, tão do agrado de todos e até mais dos que criticam a tal Europa de quem não querem receber encomendas. Enfim! Mas as prendas são para serem aceites, ainda que só o invólucro seja o mais apetecível.
Mais recentemente foi-nos enviada outra prenda de Natal. Esta bem mais cheirosa! Finalmente saímos do lixo onde estávamos há tantos anos! Realmente já tresandava este cheiro tão nauseabundo e que tão mal nos fazia sentir. Oito anos a navegar num mar de tão intenso fedor, não é agradável. Estava a tornar-se insuportável! Finalmente uma boa prenda de Natal! Agora, fora dessa lixeira toda, podemos finalmente respirar um pouco mais livremente e ter acesso a um ar menos poluído. O raio do rating finalmente acordou! Mas não embandeiremos em arco, pois as festas ainda não começaram!
Luís Ferreira