PUB.

Vendavais - Ping-pong político latino-americano e europeu

PUB.

Passaram quase duas décadas desde que a esquerda avançou e tomou o poder na América Latina com a promessa de uma nova política para um novo século. A chamada "maré rosa" - por ser mais moderada do que os vermelhos comunistas revolucionários da Guerra Fria - alcançou 15 países, a começar pela Venezuela, com a eleição do falecido Hugo Chávez, em 1998.
Mas foi o Brasil que verdadeiramente tingiu de vermelho o contingente, com o carismático e popular Lula da Silva e Dilma Rousseff, quando o PT chegou ao poder em 2010.
Lula - um metalúrgico e ex-líder sindical - e Dilma - uma ex-guerrilheira que foi presa e torturada durante o regime militar (1964-1985) - mudaram e revitalizaram a imagem da velha esquerda latino-americana e o seu modelo foi admirado em muitos países.
Através de uma aplicação de políticas ortodoxas e harmoniosas ao mercado com programas sociais revolucionários, Lula sonhou com um Brasil de classe média impulsionado pelo consumo. Teve a sorte de chegar ao poder com o 'boom' dos mercados emergentes nos anos 2000, quando a procura voraz da China impulsionou os preços das matérias-primas, diminuindo a dependência do crédito externo. Este sonho, no entanto, foi frustrado.
Quando passou o poder a Dilma após dois mandatos, o Brasil registava um crescimento de 7,5% e mais de 40 milhões de brasileiros tinham saído da pobreza.
Em toda a América Latina, mais de 75 milhões de pobres superaram, numa década, o limiar da pobreza. Gerou-se a sensação de que a América Latina estava finalmente a emergir.
Mas tudo desmoronou, não só para o Brasil, como para toda a região, que vive agora o seu segundo ano de recessão. Obviamente a dependência das matérias-primas é maior do que alguns pensavam.
Mas o certo é que as más notícias foram-se acumulando para a esquerda latino-americana.
Na Venezuela, a oposição obteve maioria parlamentar nas eleições legislativas de dezembro. Rico em petróleo, o país está à beira do colapso económico.
Na Bolívia, o líder indígena Evo Morales perdeu em fevereiro uma consulta sobre a possibilidade de se candidatar a um quarto mandato na Presidência, enquanto no Equador, o economista de esquerda Rafael Correa desistiu da ideia de um terceiro mandato perante sondagens nada favoráveis.
A maior parte destes governos afirmaram-se porque deram ênfase à redistribuição, mas faltou-lhes fomentar a criação de riqueza e o investimento. Se não se produz, não se pode repartir.
Além disso, uma série de escândalos de corrupção alimentaram o mal-estar da população.
A saída do poder do PT de Lula e agora a destituição de Dilma mudam definitivamente os ventos na região. Alguns dos seus seguidores consideram que o Partido dos Trabalhadores ficou muito rosa, coligando-se a partidos que só queriam acesso aos fundos públicos para benefício próprio. O PT foi isolando lentamente as suas bases, interrompeu a formação de novos líderes, e foi-se aliando a partidos de centro e direita para garantir a governabilidade.
Se a chegada ao século XXI foi um novo começo para a esquerda - após um século XX que a condenou à marginalização com golpes de Estado, a América Latina pode estar agora a viver o surgimento de uma nova direita, mais pragmática, comprometida com a democracia e com uma agenda social muito diferente do habitual.
A boa notícia para a esquerda, é que a direita nunca provou ser muito melhor na gestão das crises económicas. No entanto, não nos podemos esquecer que os partidos de centro-direita e de direita que estão a beneficiar do colapso da esquerda em toda a América Latina sofreram, eles mesmos, um colapso semelhante há uma década.
Do outro lado da mesa política, está a Europa, onde se está a manifestar um jogo político idêntico. A democracia afirma-se com uma esquerda cada vez mais titubeante e com partidos de centro-direita a percorrerem o caminho que há décadas já percorreram. No meio estão os Estados Unidos que teve impacto mundial com uma ligeira viragem política e com sorrisos de boa convivência mas que está a esgotar os seus trunfos, agora ameaçados por um lunático que a todos ameaça, inclusive a América Latina e a Europa. E é nesta Europa que se vai jogar o grande jogo de ping-pong. Numa mesa nada plana e onde a rede central está muito mal esticada, é natural que a bola política não faça o seu percurso normal em todas as jogadas. A Espanha não tem governo e está à beira das terceiras eleições, por teimosia de partido socialista que quer governar sem ter ganho as eleições, tal como sucedeu em Portugal; a França onde o regresso de Sarkozy é uma hipótese e onde Marie Le Pen avança de espada em riste; uma Inglaterra que se afasta da União por interesses ancestrais e é governada por quem até defendia a manutenção e ainda uma Turquia que, não querendo mais do que ajudas externas da Europa, não quer deixar de ser o que sempre foi, criando problemas internacionais gravíssimos.
Com um cenário destes, não sei como acabará o jogo, mas que não está fácil, não está certamente.

Luís Ferreira