PUB.

Vendavais - Para onde estás a olhar?

A subjetividade das coisas está sempre no modo como as vemos e como as interpretamos e como nem todos as vemos e interpretamos da mesma forma, tudo acaba por ser subjectivo. Mas há sempre maior ou menor subjetividade sobre o que se nos depara no dia-a-dia das nossas vidas.

Ultimamente temos estado em contacto com acontecimentos demasiado negativos. Um rol de desastres imenso tem-nos sido brindado neste mês de agosto, trazendo a terreiro um peso demasiado negativo num tempo em que todos nos deveríamos libertar por algumas semanas, dessas preocupações sempre tão presentes ao longo do ano. Mas não.

Quando os ministros estão de férias e numa época em que pensamos que nada nos vai incomodar vindo dos lados do governo, eis que nos bate à porta uma alteração do IMI. Alteração de uma subjectividade tão grande que ameaça o ridículo e a incompetência de quem quer ser mais esperto do que o mais comum dos mortais. E porquê? Pela simples razão de que esta alteração se prende com as vistas que se tem de nossas casas. Pasmem! Se da minha janela vejo um lameiro, coisa sem importância, pago menos IMI, mas se vejo uma avenida movimentada onde proliferam as lojas de marca, então pago mais IMI. Pois bem, e quem é que disse que eu gosto de ver a avenida cheia de lojas e de barulho quando vou à minha janela? E quem lhes disse que eu não prefiro ver o lameiro onde pululam as cegonhas e os rebanhos ocasionais que por lá vão em busca de alimento? Quanta subjetividade! É claro que este tipo de análise já estava comtemplado na anterior legislação, mas tinha somente um peso de 5% no valor do IMI. Agora agravou-se 15%, passando para 20% do imposto, mas com a alteração mais acentuada das vistas que se têm e da localização do prédio onde se mora. Pois é, diz-me para onde está a olhar e eu dir-te-ei quanto vais pagar de IMI!! Francamente!

Mas o negativismo deste dia-a-dia não fica por aqui. Não vale a pena referir o desastre que atingiu 423 automóveis no festival de Castelo de Vide. Inacreditável! Mas o caso é que nenhum deles era certamente de algum amigo de Sócrates, pois se assim fosse, poderia ter sido oferecido pelo Grupo Lena, como se vem dizendo na comunicação social.

E para não fugir ao tema, fomos abalroados pela informação de que a Galp andou a oferecer passagens a secretários de estado para irem ao futebol! E eles aceitaram! Mas quando a comunicação social levantou a lebre, não se atrasaram a dizer que iam devolver o dinheiro das passagens. Levantou-se o problema da legalidade e da legislação e sua interpretação e a necessidade de dar um jeito aos decretos de modo a que não houvesse segundas interpretações. Pois claro, era só o que faltava. Mas o azar não acaba aqui. É que enquanto uns foram ao Euro ver jogar a seleção, outros foram aos olímpicos e … foram assaltados. Azar dos Távoras. Alguém disse aos brasileiros que o ministro da Educação andava de bolsos cheios, mesmo na praia de Copacabana e eles acreditaram.

Felizmente nem tudo tem sido negativo ou mesmo subjetivo. Há coisas que sorriem aos portugueses no meio de tanta adversidade. A Volta a Portugal foi ganha por um português. Rui Vinhas conseguiu escrever essa proeza nos anais da História recente, coisa que já não acontecia há muitos anos. Mourinho, um português dos maiores, ganhou a supertaça inglesa ao serviço do Manchester United. Foi entrar e vencer. Nos jogos olímpicos, a seleção nacional de futebol, soma e segue. Depois de ganhar à Argentina, ganhou agora às Honduras. Que contente está o treinador Rui Jorge. Valha-nos o desporto. Por acaso o desporto não paga IMI.

Se assim fosse, não chegaria aos nossos campeões o que ganham para pagar ao Estado as vistas que vão tendo dos locais onde vão abrindo as janelas das suas habitações ou das bicicletas que os levaram a ver a Meta do final da Volta. 

 

Luís Ferreira