PUB.

Vendavais - Nas “Cristas” das ondas

Num fim-de-semana em que o tempo climatérico esteve muito mau e causou demasiados estragos, outros assuntos estiveram na baila.
É verdade que Portugal tem sido varrido por demasiadas intempéries nestes últimos tempos, desde o Algarve ao Minho. Todo o litoral foi fustigado pela ventania e por ondas enormes que impediram a circulação em estradas importantes como a marginal de Cascais, as zonas ribeirinhas ou a Ponte 25 de abril.
Face a estas intempéries e à quantidade de chuva que tem vindo, poderíamos dizer que finalmente foi feita a reposição dos níveis das barragens e dos níveis freáticos que nos permitirão passar um verão mais descansado, mas não. Efetivamente ainda não chega. Tem sido muita a chuva, mas tudo o que vem demasiado depressa, também vai da mesma forma.
Todo este vendaval vai muito para além disso mesmo. Este ano é um ano de lançamento político. E se nos lembrarmos, decerto concordamos que este temporal já começou antes do Congresso do PSD, quando Passos Coelho se viu obrigado a prescindir da liderança do partido. Vimos e assistimos a uma onda de manifestações sobre quem poderia liderar na época pós-Passos. Santana, Rio ou qualquer outro que estivesse no escuro. E como iria ser? Uma série de incógnitas que só obteriam resposta firme nas eleições internas e no Congresso onde Rio foi empossado como presidente. Passos saía pela porta pequena! Não esteve muito tempo na crista da onda!
Mas as ondas não pararam de agitar o panorama político dentro do PSD. As escolhas de Rio e a necessidade de um líder parlamentar seriam as ondas que agitariam ainda mais todo o espectro político social-democrata. Montenegro resolveu amenizar a situação ao não concorrer para o lugar da bancada parlamentar, mas a solução que veio a lume também não foi pacífica nem convincente. Tal situação não trouxe acalmia nas hostes internas partidárias. Há falta de garra, de acutilância política, de segurança. Rio, interpelado sobre a situação, disse que deveria ser desse modo, com calma, sem arrogância, sem gritaria, que um líder de bancada teria de agir. E que não fosse! Não tinha outra alternativa!
Onda quebrada, ou não, foi a escolha para vice-presidente do partido. Uma onda enorme de vozes contra levantou-se. Outras ondas mais pequenas se levantaram, mas quebraram para não desembocar em temporal. Enfim! Agora, com o mar mais chão, procuram-se limar arestas e rumar seguro até 2019. Mas como fazer oposição? Passos abandonou a bancada parlamentar! Um a menos. Bom ou mau, estava lá e sabia o que se passava. Agora há incertezas. Dava jeito Rio poder ocupar o lugar de Passos. Será que pode? Não! Também se pode fazer oposição cá fora, mas é diferente, muito diferente. O combate político não tem a mesma graça, nem a mesma força. Vamos esperar para ver.
Neste fim-de-semana teve lugar o Congresso do CDS. Uma nova onda! Toda a força e garra que era possível esperar da líder, teve eco. Cristas afirmou-se e adiantou-se na confirmação de líder da oposição. Quer o CDS como um partido forte, seguro, de oposição e também foi o primeiro a apresentar o cabeça de lista para o Parlamento Europeu. Adiantou-se a todos os outros. Cristas está na onda da vitória, por enquanto.
Sem “papas na língua” disse o que queria e ao que vinha. Pediu para dentro e disse para fora. O CDS nunca esteve parado, nem vai ficar parado. Está em movimento e em direção a 2019. Alertou para a esquerda unida e a necessidade de a derrubar. Uma oposição séria e eficaz no palco legislativo por excelência. Pedem-se votos sobre assuntos importantes. Votos ganhadores. É preciso encostar os partidos ou comprometê-los.
Cristas disse e voltou a afirmar que o centro direita está vivo e firme e que o seu espaço é para ocupar plenamente. No centro e na direita. Recado para fora e para quem pode precisar. Os valores e a história não são para esquecer. São para pôr em prática. Deverão enformar tudo o que o CDS fizer ou vier a fazer. Ações. Leis. Diplomas.
Mas Cristas disse mais. Disse que se os portugueses quiserem, ela pode ser a presidente do próximo governo. Claro. Outros o foram sem tantos atributos. Porque não?
É esta garra de líder que leva ao topo os políticos. O guindaste indispensável que eleva e sustenta toda a ambição de quem se quer afirmar e vencer. Na crista da onda, Cristas, navega, por enquanto, em mar calmo. Mas terá de saber surfar e aproveitar bem o vento favorável!

Luís Ferreira