PUB.

Vendavais - As fronteiras

No mundo tanto das ideias como dos países ou dos comportamentos humanos, há fronteiras que muitas ultrapassam e outros querem ultrapassar ao mesmo tempo que muitos se preocupam em as defender a todo o custo.
Quando o homem andava pelos montes e vales e a Terra era um simples paraíso onde não havia fronteiras, as preocupações limitavam-se em conseguir o sustento para os próximos dias. Não era coisa fácil, mas era constante o problema que ocupava as mentes dos primeiros homens. Não é menos importante hoje a mesma inquietação, mas já o desassossego é menos intenso. A fronteira, embora ténue, marca a linha entre a saciedade e a fome ou a morte.
Outras fronteiras existem bem mais marcantes nos dias de hoje em todas as vertentes. Não me refiro somente a fronteiras físicas, pois se essas são delimitadas politicamente, outras situam-se no patamar da consciência e da responsabilidade ou mesmo da ética, seja ela psicológica ou de teor diferente.
Confrontamo-nos diariamente com situações deste género que nos parecem cada vez mais objeto de críticas profundas e de reparos indispensáveis. As fronteiras do razoável são frequentemente ultrapassadas e pouco se faz para inverter as situações. Limitamo-nos a desabafar vitupérios e a dizer que “este mundo está a ficar louco”! E mais não parece!
Os meios de comunicação social enchem os títulos com enormes paragonas onde nada pulula a não ser o desastre, a morte, o assassinato, o ataque gratuito, a ameaça. Tudo no limite do que seria desejável, tudo muito para além do razoável ou do possível.
Felizmente, ainda há fronteiras que, ao ultrapassar nos dão uma imensa alegria e satisfação. Não são passíveis de sanções ou críticas, antes pelo contrário. Foi o caso, por exemplo de termos ganho o campeonato europeu de Futsal, derrotando a Espanha e tornando-nos, pela primeira vez, campeões da Europa da modalidade. Ultrapassámos uma fronteira difícil, mas conseguimos. Para a Espanha, a notícia surgiu quase em rodapé dizendo que eram subcampeones europeus de futsal! Sobre Portugal, nada. A fronteira está lá. Ténue, no limite, mas está. Eu compreendo que os espanhóis não tivessem gostado de perder tão importante troféu, mas a nós deu-nos uma alegria imensa e a única fronteira que está em causa é somente a de nos tornarmos pela primeira vez campeões europeus e não por termos derrotado a Espanha, pois se tivéssemos derrotado na final qualquer outro país, a alegria seria a mesma. A fronteira é a que separa a vitória da derrota e nada mais.
Mas há fronteiras que nos metem medo quando ultrapassadas. Por exemplo a da Coreia do Sul. Os jogos olímpicos de inverno que decorrem na Coreia do Sul, levaram a que, por uma qualquer razão que é desconhecida, se permitisse que a Coreia do Norte participasse com alguns atletas e que a irmã do ditador Kim ultrapassasse a fronteira que os separa. Para um país que ameaça com uma guerra nuclear e que não acata as recomendações internacionais perante os desmandos que comete, não seria espectável uma tal atitude que nos remete para uma desconfiança extraordinária. Claro que, com um pouco de boa vontade, eu até sou levado a considerar que esta atitude vem embrulhada numa tentativa de reconciliação não só com o parceiro do Sul, mas também com a comunidade internacional. Na verdade, estando a sentir-se absolutamente estrangulado economicamente e tendo ao seu lado, com muita condescendência, a China, Kim tenta através do desporto, fazer uma jogada de mestre e livrar-se do peso enorme que o avassala. Ultrapassar a fronteira do inimigo irmão, pode relança-lo para uma outra fronteira, a da possibilidade de uma paz económica com os que lhe negam a abertura necessária da sobrevivência. A necessidade a tudo obriga. Resta-nos saber se o presidente dos EUA consegue também ele, ultrapassar a fronteira do desejável e do razoável, não atirando mais achas para uma fogueira que já está demasiado quente. De Trump não se espera grande coisa, pois se alguém ultrapassa todas as fronteiras e mais algumas, é ele. Uma coisa, para já marca o ultrapassar desta fronteira sulcoreana. O facto de ficar o convite para o presidente do Sul visitar a Coreia do Norte. Será que Seul vai aceitar? Possivelmente sim, num esforço de manter a paz tão necessária na região, mas se a tensão abrandar não significa que o problema existente esteja resolvido ou que as fronteiras voltem a ser abertas e facilmente ultrapassadas.
Mas as fronteiras do razoável continuam a ser pisadas e abusadas por muitos de nós seja no aspeto político ou até no nosso querido futebol. Aqui tudo acontece a começar pela fronteira do recente VAR e dos presidentes dos clubes. Uns queriam e já querem, outros não queriam e já querem. Ninguém se entende. Pelo meio, uns perdem e e outros ganham, com VAR ou sem VAR. Simplesmente pelo facto de que ainda há árbitros que conseguem ver as fronteiras entre o que é real e o que é uma autêntica farsa. Simplesmente fronteiras.

Luís Ferreira