Vendavais E eis que se acaba Agosto

Mês por excelência, para gozar férias merecidas após um ano de labuta, agosto esgota-se na tenência mundana de todos os dias e fins-de-semana. Não interessa muito se os dias são passados na montanha, no litoral, à beira-mar ou no remanso de um rio que, alindado com uma areia fina, se lhe impõe uma praia apetecível para que os veraneantes se apaixonem e por ali fiquem a desfrutar momentos inesquecíveis deste mês de agosto que teima em ser demasiado quente. O que interessa, no fundo, é que os dias de férias sejam gozados com alegria junto dos que mais se amam. Assim, enquanto uns vão ver as ondas a espraiarem-se nas areias finas dos mares do sul, outros apreciam as ondas de mares mais revoltos no litoral atlântico ou chegam-se ao litoral algarvio para apreciar as águas mais quentes e dar conta do que o fogo queimou num ápice de ironia como se por ali quisesse fazer férias à custa dos que por ali moram, rouban
do-lhes a vida, a dignidade e até a própria identidade. Enorme ironia do destino num fado tristemente cantado em dias do mês de agosto! Outros ainda, longe das praias e dos fogos, passeiam-se pelos passadiços com a família a levando a reboque a comunicação social para que todos saibam que por ali andou o mayor de Portugal, desfrutando da frescura do interior e da beleza do rio que por ali serpenteia, o Paiva. Porém, outros há que, não gozando as férias que mereceriam certamente, passam os dias quentes de agosto pelos montes fazendo as malhas de colheitas mínguas e se enchem do pó da terra dura que espera pela chuva que teima em chegar. Concepções diferentes de férias e de momentos que não se esgotam nos magros exemplos apontados. Um pouco por este país de História tão rica, aproveita-se este mês de agosto para realçar os feitos que os antepassados marcaram, escrevendo nas páginas desse livro imenso, o que em 
tempo oportuno, lhes aprouve fazer. Deste modo, assaltaram-se castelos fazendo da História uma festa para mostrar aos mais jovens o que muito lá para trás nas esquinas do tempo, se fazia para manter a integridade do nosso país nos diferentes locais em que eram chamados a defender a todo o custo. Perfeito medievalismo em exibição, enaltecendo a História de Portugal em numerosas facetas. Tempo de lutas sérias e de feitos gloriosos. Outros tempos! Pois também eu fui passar uns dias de férias por este Portugal de nós todos. Nunca conhecemos demasiado destes recantos que por cá temos. Montes e serras, praias fluviais de águas serenas e praias de marés vivas, temos para todos os gostos. Constatei, contudo, que se lê muito pouco em qualquer desses lugares. Estendidos nas areias sublimes sob um sol escaldante, usufrui-se mais do astro rei, do que das páginas de um bom livro. É pena. Recordo tempos em que não se ia para a praia sem um livro em parceria 
com a toalha. Bons tempos! Mas em vez do livro, lá está o telemóvel ou o tablet para apaziguar o vício ultrajante da conversa necessária que se esfuma nos clics que as pontas dos dedos se apressam a dar. Outros tempos! Claro que as férias não se esgotam em agosto. Elas passeiam-se por junho, por julho e até por setembro. Por aqui, estamos habituados a que também o verão se esgote depois da novena da Senhora da Serra. Assim, depois do dia 9 de setembro preparemo-nos para dias mais frescos. Nada de novo, mas com estas alterações climáticas, nunca sabemos se o verão se prolonga até outubro. Disso temos exemplo há dois anos atrás. De chuva é que nem rasto. É um bem que poucos apreciam e imploram, a não ser o agricultor atarefado e muito preocupado com a incerteza do porvir. A chuva é a sua apólice de seguro, o seu ouro escondido que nem sempre brilha e que faz jus ao ditado popular, já que não é necessário brilhar para ser uma riqueza imensa. Estamos à espera que chegue. Os solos estão secos e o fogo espreita. Já estão em perigo alguns frutos. Acaba-se agosto, acabam-se as férias, mas que não se acabem as colheitas das necessidades prementes. Deste modo, incutiu-se na mentalidade dos portugueses que agosto é o mês das férias e que em setembro tudo recomeça. De facto, é um pouco assim. Lá vai o tempo em que se falavam de férias grandes, quer para os alunos, quer para os professores, já que só eles as gozavam ou disso tinham menção. Hoje tudo se esgota em agosto. Setembro traz de novo o início de um ano letivo que vai dar passos de enorme incerteza já nos primeiros dias. As escolas e os alunos não têm a certeza de um começo pacífico. Anunciam-se greves de professores face à ineficácia do governo na resolução de pontos acordados e incluídos no orçamento. Tudo está em stand by. Gozemos então, os últimos dias de agosto que setembro vir não parece sereno.
Luís Ferreira