PUB.

Vendavais - A coragem de querer

Para querer é necessário ter coragem, muito embora muitos pensem que não. Claro que depende sempre do que se quer, mas a coragem de o afirmar estará sempre subjacente a essa vontade, mesmo que indelével na sua assunção.
Um dia o homem ao sentir-se livre em plena Natureza e desconhecendo que o mundo girava e tinha coordenadas para que cada um se situasse orientado na imensidão desconhecida do espaço universal, quis afirmar essa mesma liberdade através de diferentes modos que, sendo díspares, também eram contrários ao mesmo sentido da liberdade universal. Gerou-se a confusão. Confusão entre os homens, entenda-se.
Saltando século e séculos de aprendizagem, o homem confundiu sucessivamente como aplicar a sua primeira dádiva, que não conquista. Tentou roubar cada um para si, a liberdade que lhe fora dada ao nascer e no início dos séculos, quando ainda quase não falava e não sabia para onde ir. Perdido, orientou-se e acabou por se perder quando já conhecia os caminhos que queria seguir. Não teve coragem para corrigir o engano. Sucederam-se os enganos e faltou a coragem de querer emendar-se. Frequentemente a coragem esteve arredia na remissão dos pecados praticados.
Na universalidade dos países que compõem este mundo que continua a girar como no início, os homens continuam a querer reaver a tal liberdade que não souberam ou não tiveram a coragem de guardar e dividir por todos. Um bem precioso e duradouro, inesgotável, mas muito mal utilizado. Penso que todos o querem, mas não têm coragem de o afirmar. Não é suficiente dizer que se quer, é necessário ter coragem para o querer.
Assistimos com o passar dos tempos a exemplos onde os homens se libertaram da liberdade. Paradoxo absoluto. Em seu lugar, substituindo a liberdade, colocaram ídolos de pés de barro, que aos poucos se têm desfeito porque não têm sustentabilidade, preciosidade e a durabilidade que a liberdade exige. A esses faltou a coragem para querer a liberdade em vez dos ídolos obsoletos e irracionais cujos objetivos se esfarelam na falta de exequibilidade dos projetos em que assentam. Infelizmente hoje ainda continuamos a ver quem não tenha a coragem para querer mudar. Penso que querem mudar, mas não têm coragem para querer mudar.
O mesmo aconteceu em Portugal há muitos anos atrás. Trocou-se uma ténue liberdade, por um projeto cuja exequibilidade viria a falhar porque os homens não queriam continuar sem a dádiva inicial. Durante trinta e seis anos Portugal viveu um tempo de obscurantismo e manteve a liberdade na gaveta de onde sairia em Abril de 74, uma vez mais por vontade dos homens.
Quem governava só não teve coragem para admitir o engano por falta de coragem e porque esse engano lhe dava o poder de continuar a não ter coragem para lutar pela liberdade. Queria certamente, mas não teve a coragem de afirmar que queria efetivamente mudar. Fechado numa gaiola, tentou exercer a influência que o poder lhe permitia e viver na liberdade reduzida que a gaiola facilitava. Era necessário muito mais. Felizmente outros houve que tiveram a coragem de querer a liberdade e de derrubar a gaiola onde a liberdade era somente para alguns. Mas todos queriam esse tremendo bem que lhes permitiria descobrir os caminhos para onde ir e orientar-se neste mundo que continua a girar como no início dos séculos. Aconteceu em Portugal.
Hoje, anos depois, a liberdade continua por aí, mas muitas vezes associa-se na viagem a companhias menos aconselháveis e baralham os caminhos para onde deveriam seguir. É que a liberdade também dá ao homem a facilidade de se enganar muitas vezes. Novamente a coragem para querer desfazer o engano deve ter prioridade.
Pois é. Se a liberdade tem estas duas facetas, cabe ao homem saber o que quer e ter coragem para querer mudar e ir em busca da liberdade pura, a tal dádiva que não foi conquistada pelos homens no início dos séculos, mas que foi subestimada pelos que vieram a seguir. É preciso continuar a ter coragem de querer.

Luís Ferreira