Vendavais - Aquilo que o povo não disse

Como facilmente nos apercebemos, as eleições para o Parlamento Europeu, caracterizaram-se por um demasiado desinteresse, não só em Portugal como em todo o espaço da União Europeia. É lamentável que tal aconteça, especialmente quando nos referimos tantas vezes com ênfase crítico ao que por lá se faz e que acaba por nos afetar a todos.

Não vale a pena queixarmo-nos de que a Direita e Extrema-direita cresce e ganha lugares no Parlamento Europeu e em alguns países desta União, pois isso acontece porque os que se desinteressam pelas eleições, permitem que tal se verifique, já que os eleitores de extrema-direita não se inibem de dizer “presente” no dia de ir às urnas.

Que moralidade podem ter as pessoas que não votaram, para criticar os que são eleitos pelos poucos que os elegeram? Quem não participa, não pode criticar já que não elegeu ninguém. Os que elegeram têm toda a prioridade para criticarem, pois se atuarem diferentemente do que prometeram ou não fazem o que se espera que façam, também não podem esperar elogios de ninguém.

O nível de abstenção que nestas eleições se verificou, não são, de modo algum, a aferição de uma votação futura, como muitos querem fazer crer. Votou-se para a Europa. Ponto. E é isto que temos de agendar como prioritário em qualquer conclusão. Claro que houve vencedores e vencidos, como em todos os atos eleitorais, independentemente do número de votantes. Mas quando quase 70% da população não expressou o seu sentido de voto, ficamos com a impressão de que o resultado é apenas uma amostragem e nada mais do que isso. A verdade é que a população europeia não expressou a sua vontade e o seu sentido de voto. A população europeia não quis escolher os seus governantes. Podemos aduzir razões de vária ordem, mas nenhuma nos responderá ao problema que se levantou perante o facto de só cerca de 30% da população ter comparecido às urnas.

Face a estes resultados, o que nos apraz dizer é que o povo europeu anda desanimado com os que o governam e que não acredita já nesta união. Há um desinteresse absoluto. Mas será isso que o povo quis dizer? Ou será que o povo ainda não disse o que deveria dizer?

Quando a Europa atravessou crises económicas e sociais profundas e os governos não conseguiram resolvê-las satisfatoriamente, o povo quando foi chamado a eleições, elegeu quem lhe prometeu o que os outros não prometiam. Assim, a Europa confrontou-se com um Hitler e com um Mussolini que acabaram por levar à destruição completa da Europa. Para trás ficavam alguns governos das chamadas democracias liberais, que tanto tempo levou a colocar à frente dos países europeus. Aos poucos caía a democracia liberal e foi preciso uma guerra mundial para resolver o desnorte dos ditadores. Agora, passados quase setenta anos, não queira a Europa viver de novo as agruras de uma guerra suicida, somente porque 70% da população se alheou de uma decisão que os restantes 30% aproveitaram para marcar pontos.

Diz-se frequentemente que o tempo é bom conselheiro, mas parece que não foi o caso que se verificou nestas eleições. Se o conselho chegasse a tempo de o tempo influenciar alguém, a abstenção teria sido de 30% e não o inverso.

Desta feita, o povo talvez não dissesse o que deveria, porque a maioria não se expressou devidamente. O que ficou por dizer é que assusta. Ficamos sempre na dúvida se o que faltou dizer foi que não se quer mais uma Europa unida, se o que se quer é não enviar para o Parlamento deputados que só vão encher os bolsos e não representar ninguém a não ser a si próprios ou se quer acabar com este sistema de representação parlamentar. Afinal o que quer a Europa?

A Europa não existe sem países e se queremos uma união, os países têm de comungar na maioria das decisões e estas têm de agradar à maioria e não a 30%. Alguma coisa está mal. É preciso coragem para o afirmar, mas para decidir é preciso votar. Todos têm de votar. A democracia é isso mesmo. Todos podem votar, mas devem obrigatoriamente expressar o seu sentido de voto e não deixar em mãos alheias o que a eles cabe por direito. A Europa não pode ficar refém de uma Marine Le Pen. E já há muitas Le Pen na Europa! Porquê?

Pois muito foi o que o povo não disse, mas o que ficou por dizer deve assustar-nos. Qual seria o resultado destas eleições se a maioria da população tivesse votado? Qual seria o sentido político dos votos? A extrema-direita teria este resultado? Era bom que o povo europeu se tivesse expressado condignamente para tirar as dúvidas dos que ainda pensam como os britânicos do Brexit. Afinal, o que terá ficado por dizer?

Luís Ferreira