PUB.

Opinar na desportiva

Bons dias minha gente. Ainda neva por aí? Muy belas fotografias se tiraram. Bem, hoje vou falar de futebol. Não há como driblar este tema, por isso vou apresentar-vos um pequeno rodízio do que realmente importa saber, no caso de viverem em alguma gruta ou caverna alienada da realidade e por algum acaso inenarrável terem encontrado esta folha de jornal. Para começar estamos em 2018 e há um senhor que se chama Bruno de Carvalho (BdC) e que é como um pai bêbado para os sportinguistas. Não é que seja mau pai mas quando faz aqueles números de se pôr a dançar de gatas nas festas populares ou de subir ao palco e começar a tirar a roupa é particularmente desconfortável. A chamada vergonha alheira. Aliás, proponho que se faça ao BdC o mesmo que se fez com o BES. Dividi-lo em duas partes. O BdC bom e o BdC mau. O Sporting fica com a parte boa que controla as contas, aposta nas modalidades, faz boas vendas e puxa pela moral dos adeptos, e vende a parte má. A de adolescente que vive dentro do Facebook, rodeada de posters do Justin Bieber e de boiões de base para esconder as borbulhas; a de pai que diz coisas embaraçosas quando bebe dois copos; ou a de indivíduo indignado que não deixa nenhum contribuinte deste país sem levar a devida resposta. De modo que a parte má nem é para vender mas para dar. Com um cartãozinho a dizer “Obrigadinho chefe, ps: manter offline”. Além disso, temos hoje também aqueles senhores que dão pelo nome de comentadores porque como o próprio nome indica comentam as dores, exaltam as dores, agitam as dores e invariavelmente provocam fortes dores de cabeça aos que conseguem ter coragem para espectar as dores deles. Depois temos o VAR, que tem nome de robô de cozinha mas é apenas o vídeo-árbitro, que por sua vez soa a equipamento electrónico dos anos 90 mas são só uns senhores que estão a ver o jogo num café chamado “cidade do futebol” porque não querem gastar dinheiro com a SPORT TV em casa. A diferença dos senhores que estão nesse café é que além de poderem pedir minis e tremoços e de vez em quando um pica-pau ou uns caracóis, ainda têm um telefone que podem usar para dar opiniões directamente ao árbitro. Algo que eu considero bastante injusto e até decepcionante para todos os outros senhores que estão a ver o jogo nos outros cafés e lhes é vedada a possibilidade de entrar em diálogo directo com o árbitro. Inclusive para aqueles que vão sempre ao café ver os jogos mas nunca consomem absolutamente nada. A questão aqui é muito simples. Quando toda a gente pensava que o “vídeo-árbitro kills the maior parte da polémica no futebol português” eis senão quando os vídeoclipes do vídeo-árbitro trouxeram ainda mais sublevação. O que demonstra por um lado que a polémica é o nosso desporto nacional, ainda com mais adeptos do que o futebol, e por outro que o português vai chorar de qualquer das formas porque a mãe-natureza, mãe galinha, mãe-de-santo, o criou assim mesmo. Depois temos o caso dos emails que no fundo é uma reedição de uma série italiana que dava nos anos 80/90 que era O Polvo (azul). Com a única diferença de que agora excluíram as cenas em que juízes e demais cidadãos exemplares eram mormente perfurados por um milhão de balas de pistola-metralhadora vindas algures de uma janela entreaberta de um Fiat. Verdade que se perde bastante em celeridade na forma de julgar cidadãos infractores, mas ganha-se em delicadeza e em simpatia que são coisas que ficam sempre bem ao século vinte e um. Quanto aos Fiats não há nada a fazer, resta dar os parabéns por terem conseguido chegar ao século vinte e um, embora carreguem sempre o fardo dos anos 80 e dos mafiosos nas séries policiais. E provavelmente a mesmíssima qualidade. Do futebol propriamente dito, não há muito mais a dizer. No fundo, continua a ser uma correria atrás de uma bola, todos muito suados e irrequietos, a acotovelarem-se pontinho a pontinho e a sonharem com um lugar ao sol. Como sempre, no final de contas apenas um poderá fecundar. Enquanto isso apesar da reconhecida qualidade dos nossos árbitros, jogadores e treinadores, alguma comunicação social, juntamente com dirigentes, e opinadores vão continuar a ser bastante diligentes no que toca a manter a latrina devidamente conspurcada e nauseabunda. E é isto. O que se passa nas quatro linhas é como a pedra na sopa da pedra. Só serve para iludir os tolos e para fazer render o peixe até ao limite do fora de jogo. Um abraço na desportiva!

Manuel João Pires