PUB.

O Regresso às aulas

PUB.

O Agosto destemperado já passou. Dos abraços das chegadas e das partidas ficaram as saudades e a promessa de voltar em brave. A cidade serenou sem estranheza como quem repete o fadário doloroso da ausência de pessoas, do abandono das aldeias, desta morte anunciada de silêncios e ruas desertas.
Os estudantes regressam sempre por setembro e a cidade rejuvenesce timidamente, o comércio anima um pouco, e algumas ruas e locais ganham vida.
Os agrupamentos de escolas vão-nos dando a ilusão que há muitos alunos, quando na verdade são poucos, fazendo o somatório de todas as escolas do 1º Ciclo que fecharam. No distrito de Bragança mais de 240 escolas não resistiram à precaridade de alunos. Muitas delas sucumbiram com a dramática realidade de um, ou dois alunos e o professor constituírem a comunidade escolar.
Fecharam as escolas, “mataram” as aldeias. Dizem alguns. Mais foi precisamente ao contrário. “Mataram” as aldeias e fecharam as escolas. O problema da desertificação mantem-se incontrolável. Embora de vez em quando o poder central dê um ar de graça com a reabertura de mais um serviço, a inauguração duma infraestrutura, a vinda dum governante que a propaganda divulga até à exaustão. Mas a política do “fontanário” não chega. É preciso um plano de descentralização dos serviços, uma verdadeira vontade social e política de dinamizar fenómenos e estratégias que incentivem a frágil económica da região.
No ensino secundário a cidade continua galhardamente a exibir três estabelecimentos de ensino, na doce ilusão de haver alunos, conhecimento, progresso. A soma de alunos das três escolas secundárias não chega ao número que o Liceu Nacional de Bragança, ou Escola Secundária Emídio Garcia, já teve numa data recente. Mas o tempo e a implacável contagem dos 4500 alunos que existem no 1º Ciclo, em todo o distrito, vai-nos confrontar com uma realidade que idilicamente tentamos esconder.
Felizmente o Instituto Politécnico continua a atrair estudantes, fruto de programas e protocolos nacionais e internacionais. A cidade está a tornar-se cosmopolita. Desejamos, que esse número avantajado de alunos traga consigo emprego e desenvolvimento sustentado, numa dinâmica de colaboração técnica e científica com as empresas e com os cidadãos.
Na verdade perdeu-se o sentir romântico dos estudantes de Bragança. Há muito que Bragança deixou de ser “Coimbra em miniatura”, no dizer de Santa Rita Xisto. Há muito que se perdeu a galhardia dos alunos do 5º, ou 7º ano do Liceu que de capa e batina ombreavam com os estudantes universitários de Coimbra. Mas nesse tempo, ser estudante do Liceu, ou da Escola Industrial era sinónimo de mobilidade social e de emprego garantido como prémio dum estudo aturado durante cinco, ou sete anos.
Dolorosamente as nossas escolas estão a formar para o desemprego, para a desmotivação, para um caminho sem futuro, salvo raras e honrosas exceções.
O professor perdeu a autoridade perante a enormidade de alunos por turma que não veem um sinal de esperança no final do percurso escolar. A família, em muitos casos, também não está a ajudar, protegendo até ao infinito os filhos, em detrimento do estatuto do professor. Enquanto a família e a escola não fizerem as “pazes” não haverá educação.
Parece que ainda estamos a ouvir Trindade Coelho contar quando a velha criada Helena o entregou ao austero professor primário:  “Muito bons-dias. Lá de casa mandam dizer que aqui está a encomendinha. Oh! Oh! A encomendinha era eu, que ia pela primeira vez à escola. Ali estava a encomendinha! – Está bem, que fica entregue.”
Não queremos encomendinhas nas nossas escolas, mas também não queremos filhos que não respeitam a autoridade democrática do professor e confundem liberdade com libertinagem a coberto de alguns pais que estranhamente entendem que os seus filhos só têm direitos e não têm deveres. Educar para a cidadania só é possível se a escola e a família colaborarem na função maior de educar no presente para garantir um futuro harmonioso e civilizado dentro dos princípios democráticos em que todos temos direitos, mas também temos deveres.

Fernando Calado