O impacto dos eventos desportivos

Gerir eventos desportivos ultrapassa e de que maneira a parte meramente desportiva em que o atleta ou equipa “A” vence ou bate um recorde nacional e o competidor ou equipa “B” perdem. Se fosse apenas isto, os eventos desportivos eram praticamente só para quem joga, corre, salta ou vai nadar.

Gerir eventos desportivos implica ter a noção de todo um conjunto de impactos que este tipo de iniciativas pode gerar para uma cidade, região ou país.

Não conseguir obter o devido impacto directo e indirecto com este tipo de iniciativas é desperdiçar uma ferramenta fundamental para gerar dinâmica económica, autoestima, sentido de pertença, orgulho e projecção mediática por parte das cidades, regiões e até dos próprios países. Veja-se o caso dos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992, e da projeção e impulso que foi dado à cidade e região a nível global com este mega-evento desportivo.

O desporto é por excelência um espaço onde se vivem experiências, um conjunto de emoções e onde com alguma facilidade se criam laços afectivos com pessoas, equipas, marcas e locais.

Não aproveitar esta verdadeira força e esta capacidade de criar vínculo com as pessoas é um grande desperdício, sendo que isto é tanto verdade para quem compete como para quem vai apenas assistir.

Uma das grandes diferenças entre quem compete e quem assiste é o tempo-livre disponível entre as diversas competições, pois quem compete por norma aproveita as pausas para descansar e estar focado na preparação do jogo ou prova seguinte e quem apenas vai assistir tem muito mais tempo para conhecer os locais, visitar, experienciar e contribuir para a dinâmica económica local.

Eu próprio já estive por diversas vezes nestes papéis, quer como treinador de equipas, quer como espectador, sendo que enquanto treinador não usufrui praticamente nada da parte boa dos eventos em que participa, pois para o treinador é mais um momento de trabalho e de stress competitivo. Enquanto espectador a participação em eventos desportivos pode ser um momento de grande diversão, convívio e até de aquisição de novas experiências.

Posto isto, gostava de deixar a mensagem que a nossa região tem que ter a capacidade de atrair e organizar eventos desportivos, mas também de conseguir obter o devido impacto direto e indireto com este tipo de iniciativas, ou então corremos todos o risco de inconscientemente fazer tal e qual como na Roma antiga e de apenas andar a entreter as massas através do “espectáculo circense”.

 

 

Escrito por Paulo Jorge Araújo
Técnico Superior de Desporto, Licenciado em Ciências do Desporto pelo IPB e Especialista em Gestão Desportiva pela UP