Até ao lavar dos cestos é vindima

O léxico político português está repleto de nome feios tais como aldrabão, farsante, chantagista e outros da mesma laia.

Todavia, rotular um político ganhador, que não é a mesma coisa que vencedor, com tais etiquetas é uma desnecessária necessidade porquanto o visado se ri dos adversários, interiormente

quando o não faz publicamente.

Poderá ser o caso de António Costa que acaba de alcançar alargado sucesso político com o desfecho da crise que ele próprio provocou a propósito da contagem integral do tempo de serviço dos professores e que lhe valeu adjectivos nada simpáticos dos seus opositores. Ainda mal a vitória se consumava já ele contra-atacava com o cinismo e a arrogância que são seu timbre.

Esta vitória política de António Costa é, de facto, marcante. Está na justa proporção da inépcia dos seus oponentes, incluídos os seus extremosos parceiros da Geringonça, desde a primeira hora transformada numa pandeireta dos festejos governamentais.

À Catarina Martins, António Costa, apagou-lhe as luzes da ribalta e pô-la a fazer teatro de rua. Ao Jerónimo de Sousa deixou-o só e triste, na travessa do Fala Só onde parece morar definitivamente o Partido Comunista português. Ao Rui Rio acordou-o, sarapantado, como se lhe tivesse estourado um pacote de farinha Amparo na cabeça. À Assunção Cristas mandou-a dar uma volta ao bilhar grande. Ao Mário Nogueira congelou-lhe não só o tempo de serviço mas também a ambição de ser o grande líder da extrema-esquerda revolucionária que, com o PCP e o Bloco de Esquerda, continua a ver em Cuba, na Coreia do Norte e mesmo na Venezuela, um modelo de sociedade. Até ao próprio Marcelo Rebelo de Sousa lhe meteu uma rolha na boca, faltando saber se o não terá definitivamente enfiado numa camisa-de-forças.

Esta não é, porém, a primeira vitória política em que António Costa se transfigurou no carrasco traiçoeiro dos seus adversários, não sendo necessário sequer recuar ao episódio em que defrontou o correligionário José Seguro. Mas é a primeira em que ameaçou demitir-se.

Nas demais situações perdeu estrondosamente mas foi suficientemente hábil para transformar a derrota em vitória. Deveria ter-se demitido quando perdeu as eleições para Passos Coelho mas não o fez e venceu. Deveria ter sido demitido na tragédia dos incêndios e no assalto a Tancos, mas não o foi e acabou por sair por cima. Só agora o fez porque sabia que os seus principais adversários são ineptos e pusilânimes e que seriam eles a demitirem-se primeiro dos seus propósitos.

Um grande equívoco, porém, subsiste nesta vitória passageira de António Costa e a que raros analistas deram o devido realce: o verdadeiro ganhador é Mário Centeno, a iminência parda do governo, ministro das finanças e presidente do Eurogrupo, que meteu os pés à parede e forçou o primeiro-ministro a montar o circo político que se viu.

Falta saber se a assistência gostou do espectáculo. A prova dos nove é já no próximo dia 26, data das eleições europeias. A prova real virá mais tarde, lá mais para o Outono. Só então se saberá quem ri melhor porque será o último a rir.

Até ao lavar dos cestos é vindima.

Henrique Pedro