Tensão e Hipertensão arterial

A circulação do sangue, que tem por destino chegar a todos os tecidos e células do organismo, implica que haja alguma pressão sobre as paredes das artérias. Esta pressão, que é normal e até essencial para que o sangue atinja o seu destino, é a chamada “tensão arterial”.

Existem, no entanto, vários fatores que podem fazer com que esta pressão sobre as paredes das artérias aumente em excesso. Estamos, então, perante um cenário de hipertensão.
Em Portugal, existem cerca de dois milhões de hipertensos. Todavia, deste número, apenas 50% sabe que sofre desta patologia, 25% está medicado e 11% tem a tensão efectivamente controlada, aumentando assim o risco de aparecimento de doenças cardiovasculares, como AVC ou enfarte.

Como surge a hipertensão?
Imagine que as artérias são como mangueiras: em estado saudável, o sangue flui com facilidade pelo seu interior, não encontrando qualquer obstáculo ao longo do trajeto que percorre até às células. No entanto, se nestas “mangueiras” o sangue se encontra sobre pressão, o coração tem de esforçar-se mais para o fazer circular. Nestes casos, o esforço pode levar a que a massa muscular do coração aumente, fazendo com que o volume do coração se torne maior — a chamada hipertrofia.
Numa primeira fase, o aumento muscular cardíaco não representa qualquer problema. Contudo, com o passar do tempo, esta hipertrofia pode levar a insuficiência cardíaca, angina de peito ou arritmia.

O que fazer?
1. Meça a pressão arterial regularmente
Uma vez que a hipertensão arterial geralmente não tem sintomas, controle os níveis da pressão arterial com regularidade.
No caso de adultos saudáveis, recomenda-se a medição da pressão arterial, pelo menos uma vez por ano.
Já a população obesa, diabética, fumadora ou com antecedentes familiares de doença cardiovascular, deve proceder a um controlo mais frequente e de acordo com as indicações médicas.

2. Pratique atividade física, mas evite esforços excessivos
A prática de uma atividade física regular consegue, em muitos casos, uma descida significativa dos níveis da tensão. Escolha exercícios que compreendam movimentos cíclicos (como a natação, a marcha, a corrida ou a dança) e evite esforços físicos bruscos (por exemplo, levantar pesos ou empurrar objetos pesados) que aumentam a pressão arterial durante o esforço.

3.  Coma de forma saudável e evite o sal
Deixe de utilizar sal de mesa (se ainda o faz) e substitua-o por condimentos alternativos, como ervas aromáticas ou sumo de limão. Evite também todos os alimentos naturalmente salgados ou aos quais tenha sido adicionado sal durante a sua preparação: caso dos enchidos, enlatados, comidas pré-preparadas, aperitivos ou águas minerais com gás. Evite as bebidas alcoólicas e, se tem excesso de peso, procure reduzi-lo através de uma dieta moderada.

O que são a “máxima” e a “mínima”?
A pressão arterial é quantificada através de dois números.
O primeiro número e mais elevado, diz respeito à pressão que o sangue exerce nas paredes das artérias quando o coração está a bombear sangue. É a chamada pressão arterial sistólica — habitualmente chamada “máxima”.
O segundo número indica-nos a pressão que o sangue exerce nas artérias quando o coração está relaxado. É a chamada pressão arterial diastólica — habitualmente chamada “mínima”.
A pressão arterial ideal deve ser inferior a 120/80. Acima destes valores acresce o risco de doença coronária ou acidente vascular cerebral.

Classificação da pressão arterial
Máxima             Mínima
Até 120             Até 80 Normal
120-139            80-89 Pré-hipertensão
140-159            90-99 Hipertensão arterial estádio 1
>160                 >100 Hipertensão arterial estádio 2

Como medir?
• Escolha um local tranquilo, com uma temperatura amena
• Repouse 15 minutos antes da medição
• Evite substâncias estimulantes, como café, álcool ou tabaco, até 30 minutos antes
• Evite roupas apertadas
• Apoie o braço, onde será feita a medição, à altura do coração
• A medição no braço é mas fiável do que no pulso
• Faça 2 ou 3 medições e calcule a média
• Anote o dia, hora e valor obtido

Tratamento
Está provado que mudar alguns hábitos de vida é muitas vezes suficiente para baixar os níveis da pressão arterial. Isso passa por diminuir o sal, comer frutas, legumes e saladas, praticar mais exercício físico, evitar álcool, reduzir o stress e perder peso (em caso de excesso).
Quando o tratamento sem fármacos não é suficiente, deve então recorrer-se à toma de medicamentos, conforme receita médica.

Embora a Hipertensão Arterial seja “silenciosa”, mantenha-se atento aos seguintes sinais: tonturas, hemorragias nasais e dores de cabeça. Adote um estilo de vida saudável, vigie a tensão e aconselhe-se com o seu médico de família.

Fonte: Fundação Portuguesa de Cardiologia