Doença Venosa Crónica – Prevenir e controlar

A doença venosa crónica é uma patologia que afeta as veias das pernas que transportam o sangue até ao coração. Quando não é identificada e tratada a tempo, pode originar diversas complicações, que têm um elevado impacto no dia-a-dia dos doentes.
A insuficiência das veias das pernas - em consequência de alterações na parede e nas válvulas das mesmas - faz com que o sangue tenha mais dificuldade em ser transportado de regresso ao coração, acumulando-se nas pernas.
Esta acumulação de sangue nas pernas leva à inflamação venosa e, consequentemente, ao aparecimento dos primeiros sintomas, como a dor, pernas cansadas e pernas pesadas, bem como às situações mais graves de varizes, edema (pernas inchadas), alterações da cor da pele ou mesmo úlcera venosa.
 
Fatores de risco
Os fatores de maior relevo associados ao desenvolvimento desta doença são a idade avançada, o género feminino, as gravidezes, a predisposição familiar e a obesidade. 
Existem ainda alguns hábitos diários, associados ao estilo de vida, que podem influenciar o aparecimento e a evolução da doença venosa crónica, tais como a falta de exercício físico, o tabaco, uma dieta obstipante, estar longos períodos de pé ou sentado(a) estaticamente, estar em locais quentes e usar roupas apertadas ou sapatos com tacão demasiado alto ou raso.
 
Conselhos 
Alguns dos indícios de sofrer de doença venosa crónica passam por cansaço, pernas pesadas, inchadas e/ou doridas. No entanto, estes sintomas podem ser aliviados e o doente pode contribuir para o seu próprio bem-estar. De acordo com a Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular, podem ser conseguidas melhorias através das seguintes recomendações: 
 
1 – Exercitar as pernas 
As posições prolongadas de pé e sentada (em particular as pernas cruzadas) devem ser evitadas. O peso do sangue e a falta de exercício favorecem a estagnação do sangue nas veias. Caso a sua atividade profissional o obrigue a estar sempre sentado, ou de pé, é necessário andar um pouco durante o dia ou fazer movimentos circulares com os pés. Do mesmo modo, durante as viagens longas de carro, comboio ou avião, e sempre que possível, ande um pouco para permitir a circulação do sangue nas veias.
 
2 – Fazer desporto apropriado
A prática regular e com sapatos apropriados da marcha a pé é a atividade mais be­néfica para a circulação venosa. A planta dos pés, devido a estar bastante irrigada por vasos venosos, funciona como uma bomba que movimenta o sangue. A cada passo, vai comprimir as veias dos pés, o que impulsiona o sangue para cima até às pernas. Depois, a contração dos músculos da perna favorece a subida do sangue até ao coração. Por estas razões, a prática da ginástica, do ciclismo, dança ou natação, facilita a circulação venosa. Pelo contrário, são desaconselhados os desportos que obrigam a movimentos bruscos, como o ténis ou  basquetebol: estes desportos provocam variações na pressão do sangue nas veias, o que vai provocar a dilatação dos vasos e menor circulação de sangue até ao coração.
 
3 – Evitar lugares quentes
As variações de temperatura modificam o comportamento das veias. Um aumento do calor nas pernas favorece a dilatação das veias, diminuindo a circulação venosa. Devem ser evitadas, ou diminuídas, todas as exposições ao calor: calor do sol, depilação com cera quente, banhos quentes, sauna e vestuário muito quente.
 
4 – Procurar lugares frescos
A influência do frio é importante porque é favorável à contração das veias. Um duche de água fria nas pernas ativa a funcionalidade das veias e alivia a sensação de peso e dor nas pernas. Caminhar à beira de água na praia é muito útil porque associa o exercício à temperatura baixa.
 
5 – Prevenir prisão de ventre e excesso de peso
A prisão de ventre e o excesso de peso são dois fatores responsáveis pelo aumento da pressão sanguínea nas veias. Por isso, para evitar estes problemas, deve fazer uma alimentação rica em fibras (por exemplo vegetais), uma boa hidratação (consumo diário de um litro e meio de água) e consumir menos gorduras saturadas, como a manteiga e a carne de porco.
 
6 – Usar vestuário apropriado
O vestuário apertado comprime as veias e bloqueia a circulação do sangue nas pernas. Deve escolher um vestuário confortável e largo, evitando as calças muito estreitas, meias com elástico ou cintos apertados.
 
7 – Usar sapatos apropriados
Os sapatos de salto alto reduzem a superfície de apoio do pé, tal como os sapatos planos sem salto que aumentam demais essa superfície, o que vai diminuir e circulação do sangue dos pés para as pernas. Por isso, os sapatos devem ter idealmente três a quatro centímetros de altura.
 
8 – Facilitar circulação sanguínea durante o sono
Para melhorar a circulação do sangue durante o sono deve fazer alguns movimentos de pedalar antes de dormir e levantar os pés da cama 10 a 15 centímetros.
 
9 – Reconhecer situações que podem agravar problemas venosos
A doença venosa é mais frequente na mulher devido à influência das hormonas (progesterona e estrogénio). Os estrogénios aumentam a permeabilidade das veias e a progesterona é responsável pela sua dilatação. Durante a gravidez, estas hormonas existem em grande quantidade, daí o elevado risco de insuficiência venosa nestas mulheres. Estas hormonas existem também nas pílulas contracetivas. Deste modo, é indispensável uma supervisão médica regular.
 
10 – Massajar as pernas 
A massagem das pernas, de baixo para cima, melhora a circulação do sangue para o coração.
Independentemente do tratamento indicado, é recomendável manter uma vigilância regular, pois a doença venosa é crónica e evolutiva, necessitando de cuidados médicos continuados.
 
 
Fonte: Sociedade
Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular