Como prevenir as alergias

As alergias são respostas exageradas do organismo humano após o contacto com o ambiente, desde matéria vegetal (plantas, frutos, vegetais), determinados alimentos (peixe, marisco) ou alergénios presentes na atmosfera (poeira, pólen). As alergias são mais frequentes quando existe uma tendência familiar, ou seja quando há um risco genético para a sua ocorrência.

Quais as causas das alergias?

Para além da genética, há muitos fatores de risco relacionados com o estilo de vida, como o sedentarismo, a poluição dentro e fora dos edifícios, o consumo excessivo de medicamentos, nomeadamente de antibióticos, e a exposição a alergénios.

Na Europa, estas doenças afetam cronicamente mais de um terço da população e Portugal não é exceção.

Estas doenças têm sempre a mesma gravidade?

As doenças alérgicas são muito frequentes, mas a gravidade é variável.

Em alguns doentes alérgicos o contacto com alergénios, mesmo em quantidades mínimas, pode ser muito perturbador:

  • A ingestão não reconhecida de alergénios alimentares, ocultados em outros alimentos (por exemplo, leite misturado com sumos de frutas ou mesmo com bebidas alcoólicas) pode colocar a vida dos alérgicos em risco.
  • Os acidentes relacionados com a toma de medicamentos devem ser referidos à equipa de saúde e bem conhecidos pelo próprio e pela sua família.
  • As reações relacionadas com picadas de insetos, especialmente se muito graves, devem ser rapidamente referidas ao médico assistente. Esta situação pode traduzir um risco de vida permanente.

 

 

Como podemos controlar estas doenças?

O reconhecimento correto e atempado destes quadros clínicos, de ligeiros a muito graves, permite delinear medidas de atuação em termos de diagnóstico e de tratamento, oferecendo alternativas alimentares e medicamentosas, estruturando a atuação de emergência em caso de sintomas muito graves.

Os pilares fundamentais no controlo da doença são:

  • Educar o doente e a sua família
  • Evitar os fatores de agravamento
  • Tratar os episódios agudos ou crises, com utilização de fármacos que aliviam a obstrução dos brônquios
  • Planear o tratamento preventivo ou de controlo através de vacinas anti-alérgicas.

Como evitar o contacto com alergénios?

  • Em ambiente interior

Os ácaros do pó doméstico representam a principal causa de alergia na população portuguesa.

As medidas aconselhadas para evitar a exposição aos ácaros do pó, e a outros contaminantes, são:

  • Manter um arejamento e ventilação adequadas
  • Evitar alcatifas e carpetes. Substituir por pavimento de linóleo, mosaico ou madeira envernizada
  • Utilizar colchões recentes, com menos de um ano
  • Colocar coberturas anti-ácaros nos colchões e almofadas
  • Utilizar lençóis de algodão e edredão sintético
  • Lavar a roupa da cama e as cobertas plásticas com água a temperaturas superiores a 50ºC
  • Remover do quarto peluches ou objetos que acumulem pó (ex. livros)
  • Usar aspirador com filtro de alta eficiência (HEPA)
  • Controlar a humidade relativa em valor inferior a 50%
  • Nos doentes alérgicos a fungos, as medidas de controlo ambiental são semelhantes
  • Nos doentes alérgicos a animais domésticos - gato, cão, coelho, hamster, entre outros - será necessário remover os animais domésticos da habitação.
  • No ambiente exterior

Os pólenes são os alergénios mais importantes do ambiente exterior.

Para os doentes alérgicos aos pólenes, cuja época de polinização habitual é a Primavera, algumas medidas podem ser úteis:

  • Conhecer o boletim polínico da região (disponível no site da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica - www.spaic.pt)
  • Planear viagens de trabalho ou férias elegendo alturas do ano e locais livres dos pólenes para os quais é alérgico
  • Evitar ir para o campo durante os períodos de grande concentração de pólenes em especial no período da manhã
  • Manter as janelas fechadas durante o dia em casa, optando por fazer ventilação mais para o final do dia
  • Usar óculos escuros
  • Viajar de carro com as janelas fechadas e os motociclistas devem usar capacete integral
  • Evitar o fumo do tabaco, ativo e passivo