PUB.

Eleutério Alves e Miguel Miranda discutem liderança da Misericórdia de Bragança

PUB.

Ter, 10/12/2019 - 11:06


Há duas listas candidatas à Santa Casa da Misericórdia de Bragança (SCMB). Para além do actual provedor Eleutério Alves se recandidatar, também Miguel Miranda avança para a liderança da IPSS.

Depois de 20 anos à frente da instituição, Eleutério Alves aceitou ser mais uma vez candidato. “Vários irmãos e trabalhadores manifestaram a vontade de que continuasse à frente da instituição, porque gostam da nossa obra e porque tinham receio que outros, que se perfilavam para ir para a instituição, poderiam não merecer a confiança”, afirmou, avançando que no próximo mandato pretende lançar com um projecto na área da saúde mental, valência que Bragança não tem e uma área em que considera fundamental o apoio devido ao aumento observável na área das demências. Miguel Miranda já se tinha candidatado há quatro anos e afirma que a sua lista tem como objectivo implementar um novo ciclo na Misericórdia de Bragança. “Tenho um projecto novo para a SCMB. Como pressupostos de candidatura temos a abertura de um novo ciclo ao serviço da instituição, queremos dar a devida importância aos irmãos, porque tem sido uma irmandade amordaçada”, adiantou. Miguel Miranda queixa- -se ainda de dificuldades no processo eleitoral. “Não há um calendário eleitoral claro. Solicitámos a listagem de irmãos para podermos preparar a nossa lista e essa informação não nos foi dada. Depois de entregarmos a nossa lista dentro do tempo, dia 5, solicitámos o caderno eleitoral e só depois do meio-dia do dia seguinte foi possível consultá-lo”, apontou. Perante estas críticas, Eleutério Alves afirma que “a actual equipa da SCMB não disponibiliza a base de dados dos irmãos, porque isso é ilegal”. Quanto ao caderno eleitoral o provedor diz que “não têm razão a outra lista, porque o caderno eleitoral está disponível desde que foi constituída, na manhã do dia seguinte às entregas das listas”. Miguel Miranda acusa ainda a actual direcção da Misericórdia de “não ter um plano de reversão da dívida”, que, afirma, terá aumentado 500 mil euros no último ano e ascenderá aos 5 milhões de euros. O actual provedor nega este valor, mas não quer divulgar o número do acumulado da dívida, garantindo “que está controlada e não há nenhum problema financeiro na instituição”. Eleutério Alves lamenta que a lista adversária “traga para a praça pública situações que não são verdade, pondo em causa a instituição”. As eleições para a SCMB têm lugar na próxima quinta-feira, dia 12 de Dezembro, a partir das 20h. Dos 550 irmãos da instituição 370 vão eleger o próximo provedor.

Jornalista: 
Olga Telo Cordeiro