PUB.

“Às vezes para conseguir a paz é preciso fazer a guerra”

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA PARA ASSINANTES

 

Se já é Assinante, faça o seu Login

INFORMAÇÃO EXCLUSIVA, SEMPRE ACESSÍVEL

Ter, 29/11/2016 - 11:00


Sente-se gratificado com esta homenagem no seu concelho natal a propósito do lançamento da sua biografia?
Mais do que gratificado, é compensador pelo caminho que já vai longo de 80 anos e encontrar esta amizade e calor humano compensa todos os esforços feitos ao longo desse caminho.  O ter terra, o sentir uma identidade ao longo de uma vida é extraordinariamente importante. Hoje, para aqueles que não têm uma identidade a vida é muito mais difícil do que para aqueles que têm uma referência. Eu sentia-me devedor à minha aldeia… E comecei a senti-lo em especial depois do 25 de abril, não por razões políticas, mas porque encontrei alguns colegas meus que tinham sido saneados, que tinham perdido o emprego, atravessavam dificuldades e não tinham uma terra, uma aldeia onde regressar. É por isso que sentir que temos um lugar que é nosso é extraordinariamente importante.

Por Teófilo Vaz