NÓS, TRASMONTANOS, SEFARDITAS E MARRANOS - Gabriel Ferreira Henriques (n. Porto, 1693)

Todos os 6 filhos de Manuel Henriques Lopes e Mariana de Alvim que chegaram à maioridade foram presos pela inquisição de Lisboa.
O mais velho, Vasco Fernandes Lopes, foi o primeiro a ser conduzido às suas masmorras, ao início do mês de maio de 1725. E depois de reconciliado voltou a ser preso, por não ter feito inteira confissão. No entanto ele vivia afastado dos outros irmãos e do pai, que não lhe perdoaram o facto de se ter juntado com uma “concubina” chamada Francisca Rosa (1) e, enquanto solteiro, desbaratar ao jogo os dinheiros do pai.
O processo de outro filho, António Lopes Henriques, é confrangedor, por se tratar de uma pessoa nitidamente falha de juízo e quase cego. Veja-se a resposta que deu aos inquisidores quando lhe perguntaram se sabia porque estava preso:
- Disse que está preso por ser cristão-novo, para o fazerem cristão-velho. (2)
E agora o retrato que dele nos deixou o escrivão do santo ofício:
- Vinha com gesto mudado e como louco, chorando, e posto que de novo não tenha queixa de doido o parece, por não acertar com respostas nem perceber as perguntas, e ser tartamudo, e algum tanto surdo e vê pouco, e que para fazer o seu nome chega muito o rosto ao papel que quer assinar e está sempre fazendo visagens com os olhos e sobrancelhas trémulas…
Falho de juízo e deficiente físico, António vivia em casa e na dependência do irmão Gabriel Ferreira Henriques, como também as 3 irmãs: Branca Rosa, Francisca Rosa Alvim e Mécia Josefa. Por isso mesmo seriam os 5 presos em simultâneo, dando entrada nos Estaus no mesmo dia: 1.8.1725. (3) Eram todos solteiros, exceto a Mécia Josefa, que era viúva de Francisco Ferreira Isidro, seu primo, natural de Freixo de Espada à Cinta, formado em medicina pela universidade de Coimbra. Aliás, nem chegariam a casar, estando apenas “desposados”. No entanto, tiveram uma filha que, de pouca idade faleceu também.
Seria em 1714, quando o seu pai foi preso e a mãe falecida, que Gabriel Henriques se tornou o “chefe da família” com o irmão deficiente e as irmãs solteiras seu cargo. Moravam em Cascais, tendo ido do Porto dois anos antes. Viviam fundamentalmente da venda de tabaco, tendo ali tomado um estanco. E nesse mesmo ano Gabriel conseguiu arrematar o monopólio da distribuição do mesmo produto no termo de Torres Novas, significando isso uma ascensão à classe dos contratadores. E terá sido também contratador do tabaco na comarca de Portalegre.
O negócio não terá corrido muito bem, já que, dois anos depois o vemos em Lisboa à procura de um emprego na administração do contrato do tabaco. Conseguiu esse emprego de administrador (funcionário da junta do tabaco), primeiro em Leiria e depois em Setúbal. Também aqui as coisas não correriam da melhor forma, pois que o vemos a reclamar 5 mil réis de dívida do ordenado e pagamento de mais de 200 mil réis de “serviços extraordinários” aos contratadores.
De contrário, os contratadores tê-lo-ão executado judicialmente e feito prender por dívidas, recorrendo ele a Gaspar Dias de Almeida, grande mercador, de quem o seu pai (Manuel Henriques Lopes) era amigo e colaborador. Ele lhe emprestou os “duzentos e tantos mil réis” exigidos.
Façamos aqui uma pausa para dizer que Gabriel Ferreira Henriques nasceu pelo ano de 1693, na cidade do Porto. Foram seus pais Manuel Henriques Lopes, de Vila Flor e Mariana de Alvim, da família Isidro, originária de Torre de Moncorvo.
A doutrinação de Gabriel na lei mosaica terá sido feita por Diogo Vaz Faro, homem de negócio do Porto originário de Vila Flor, casado com Isabel Henriques, tia paterna do nosso biografado. Este foi preso pela inquisição de Lisboa, em 1.8.1725, como atrás se disse.
Chamado a fazer o inventário de seus bens, disse que não tinha bens “por estar debaixo do poder pátrio”. Mas há uma nota interessante nesse inventário. É que, quando esteve em Setúbal, emprestou dinheiro a duas freiras do convento de S. João que, em penhor lhe entregaram objetos de ouro, prata, diamantes… (4) E esses mesmos objetos deu-os ele depois a Gaspar Dias de Almeida em penhor do empréstimo acima referido. Acontece que, entretanto, aquele fugiu para Inglaterra, levando as joias penhoradas, pelo que as não poderia devolver. (5)
Contudo, a nota mais importante do seu processo respeita à comunicação entre os prisioneiros e destes com o exterior. Vejam o colorido da cena, acontecida dois meses depois que entrou na prisão, contada pelo próprio:
- Estando no seu cárcere, depois de ter jantado, foi ao dito cárcere buscar a louça um guarda gordo (…) José Moreira e este, vendo a ele declarante aflito, lhe disse que lá estava presa a sua gente. E perguntando-lhe ele declarante que gente, lhe disse que eram suas irmãs, e lhe pôs a mão no nariz ficando este entre dois dedos, a modo de quem põe óculos, do que entendeu que também estava preso seu irmão António Henriques que, por ser falto de vista, usava óculos (…) e passados alguns dias, depois que o dito guarda lhe deu os ditos avisos, lhe deu ele declarante dois quartinhos de ouro que tinha escondidos… (6)
Obviamente que os inquisidores quiseram saber como ele conseguiu entrar na cela com os “quartinhos de ouro” e todos os mais contactos do guarda com os presos… nomeadamente com o prisioneiro João Paz de Almeida, de Freixo de espada à Cinta, a quem, do exterior, chegou uma bolsa com 2 400 réis. E como ele próprio soubera disso. Então ele falou de vários companheiros de prisão seus conhecidos e que falavam entre si muito abertamente, apenas escondendo os nomes. Assim, a ele chamavam o Pombo, o dito Paz de Almeida era o Rouxinol, o companheiro de cela deste, que era estrangeiro, dava pelo nome de Canário, outro era o Pavão… o Papagaio… o Pintarroxo… e “se davam os bons dias e as boas tardes e falavam nas suas causas, de que entendeu que todos eram confessos”. Apenas um deles, um António Dias, não falava e, por isso, entendeu Gabriel que ele “estava negativo e em livramento”.
A bolsa com o dinheiro de que atrás se falou, ter-lhe-á sido enviada por Manuel Álvares da Costa, tecelão de sedas, natural de Bragança, morador em Lisboa (7) o qual, já antes, lhe fizera chegar outras coisas, nomeadamente uma cama, conforme depoimento de Ferreira Henriques:
- Disse que só ouvira dizer ao dito Manuel Álvares da Costa que mandara uma cama de sua casa para o dito paz, e que passado algum tempo se lhe tornou a restituir a dita cama, E ainda que o dito Manuel Álvares lhe não declarou, entende que seria para o dito Paz dormir nela nas Escolas e que lha tornaria a mandar quando o recolheram para os cárceres decretos.
Resta dizer que Gabriel Ferreira Henriques desde o início se mostrou confitente, saindo condenado em confisco de bens e penas espirituais no auto da fé de 13.10.1726, juntamente com seus irmãos.
Notas:
1-o de seu pai
ANTT, inq. Lisboa, pº 10560, de Vasco Fernandes Lopes; pº 10157, de Francisca Rosa. A propósito, veja-se o depoimento de Gabriel, irmão de vasco: - Com ele nunca falou coisa alguma, porque tinha pouco trato, era extravagante, e mal procedido, e por andar amigado com uma mulher desonesta, com quem depois casou.
2-IDEM, pº 9638, de António Henriques.
3-IDEM, pº 9632, de Gabriel Ferreira Henriques; pº 1882, de Branca Rosa; pº 9628, de Francisca Rosa Alvim: pº 9936, de Mécia Josefa.
4-Pº 9632: - A dita religiosa lhe deu em penhor duas flores de prata com diamantes e uns brincos de ouro com umas pérolas verdes e uma caixa de prata sobre o dourado e um ou dois anéis e umas cestinhas de filigranas de ouro, uma Senhora da Conceição, de ouro com algumas lasquinhas de diamantes…
5-IDEM: - Vendo-se ele declarante executado e preso a requerimento dos contratadores de tabaco, recorreu ele a Gaspar dias de Almeida, homem de negócio, morador nesta cidade, que lhe emprestasse duzentos e tantos mil réis, como lhe emprestou, e então se valeu de todos os sobreditos penhores e outras peças de sua casa do uso de suas irmãs, para segurança do dito dinheiro, os quais se achavam todos na mão do dito Gaspar Dias ao tempo que se ausentou do reino, e depois da sua ausência, falando com um seu filho chamado José Dias, sobre a matéria dos ditos penhores, este lhe disse que seu pai tinha levado todas as peças de ouro e prata.
6-IDEM: - Tinha o dito dinheiro escondido nos cós dos calções, onde o meteu depois de estar preso, no tempo em que se dilataram a busca-lo, que seria meia hora.
7-IDEM, pº 4446, de Manuel Álvares da Costa.

 

António Júlio Andrade / Maria Fernanda Guimarães